OS FANTASMAS DO VALE: conflitos em torno do desastre ambiental de Cubatão, SP

  • Lúcia da Costa Ferreira

Resumo

O complexo industrial sidero-petroquímico de Cubatão, no litoral do estado de São Paulo, foi um turning point nas condutas coletivas e comportamento político frente à questão ambiental no Brasil, por dois motivos: 1) apontar a dimensão e a gravidade dos riscos ambientais de processos produtivos em países desenvolvimentistas até os anos de 1980; 2) desnudar um acordo social perverso, entre ricos e pobres, governantes e governados pela inexistência de políticas de controle ambiental. Este artigo é uma revisão atualizada de pesquisa financiada pela FAPESP durante o final da década de 1980 e tem por objetivo rever depois de vinte anos os conflitos em torno da degradação ambiental e social de Cubatão, que desencadearam mudanças sociais importantes no setor ambiental brasileiro. Utilizando-se de uma abordagem híbrida que cruza situação e história foram pesquisadas duas situações de ação selecionadas como padrão dos confrontos: a divulgação da contaminação ambiental e da pobreza urbana em Vila Parisi e a explosão de Vila Socó. Em cada uma delas foi se delineando um modo de ação importante para as mudanças sociais produzidas ali; em cada uma delas produziu-se um tipo de arena de confrontos. Compreendê-las significa desvendar um momento extremamente importante da história recente do Brasil. Palavras chave: Sociologia do Meio Ambiente. Conflitos Sociais. Desastre Ambiental. Situações de Risco.
Publicado
2006-12-10
Como Citar
Ferreira, L. da C. (2006). OS FANTASMAS DO VALE: conflitos em torno do desastre ambiental de Cubatão, SP. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA & TRABALHO, 25, 165-188. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/6744
Seção
Nº 25 - DOSSIÊ: DILEMAS SOCIOAMBIENTAIS