PERFIL SOCIAL E FUNCIONAL DOS USUÁRIOS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

  • Candice Simões Pimenta de MEDEIROS Hospital Geral de Fortaleza - Escola de Saúde Pública do Ceará
  • Ozair Argentillhe Pereira da SILVA Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Jusciele Bezerra de ARAÚJO Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
  • Damião Ernane de SOUSA Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
  • Enio Walker Azevedo CACHO Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
  • Roberta de Oliveira CACHO Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil social e funcional dos usuários de Unidade Básica de Saúde/Estratégia Saúde da Família com Acidente Vascular Encefálico (AVE) em Santa Cruz, município do estado do Rio Grande do Norte. Material e Métodos: Trata-se de um estudo transversal constituído por 39 indivíduos com diagnóstico clínico de AVE. Foram avaliados o perfil sociodemográfico e o comprometimento cognitivo, funcional e sensório motor através das escalas: Mini Exame do Estado Mental (MEEM), Medida de Independência Funcional (MIF), Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), Protocolo de Desempenho Físico Fugl-Meyer (FM), Timed Up and Go (TUG) e a escala de Deambulação Funcional (FAC). Resultados: A idade média dos indivíduos foi 68,94±14,01 anos onde 56,41% eram mulheres, 58,97% casados, 58,97% pardos, 46,15% analfabetos, 41,03% agricultores, 71,79% aposentados e 84,62% residentes em casa própria. O hemisfério cerebral esquerdo (56,41%) e o tipo isquêmico (61,54%) mostraram-se mais prevalentes nesta população. O tempo de lesão após o AVE foi de 6,7±6,9 anos, onde 66,67% apresentaram um único evento. 97,40% dos avaliados apresentavam fatores de risco associados. A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) (74,35%) foi o de maior destaque. No MEEM observou-se 82,05% da amostra com grave comprometimento cognitivo, 48,72% com pontuação da MIF indicando maior independência funcional, grave comprometimento motorna FM (46,88%) e equilíbrio pobre com significativo risco para quedas na pontuação da EEB (43,59%) e TUG (36%). Conclusão: O elevado acometimento do AVE está relacionado com as características epidemiológicas da região,assim como os déficits funcionais, cognitivos e sensório motores encontrados evidenciando um grave problema de saúde pública. DESCRITORES: Acidente Vascular Cerebral. Epidemiologia. Saúde Coletiva.

Biografia do Autor

Candice Simões Pimenta de MEDEIROS, Hospital Geral de Fortaleza - Escola de Saúde Pública do Ceará
Fisioterapeuta graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Atualmente faz parte do programa de residência multiprofissional em Neurologia e Neurocirurgia do Hospital Geral de Fortaleza pela Escola de Saúde Pública do Ceará.
Ozair Argentillhe Pereira da SILVA, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Fisioterapeuta graduado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Jusciele Bezerra de ARAÚJO, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Fisioterapeuta graduada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Damião Ernane de SOUSA, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Fisioterapeuta, Doutor e Analista de Gestão e Pesquisa do IBGE/RN.
Enio Walker Azevedo CACHO, Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Professor Doutor do curso de Fisioterapia da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Roberta de Oliveira CACHO, Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Professora Doutora do curso de Fisioterapia da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Publicado
2017-06-26
Como Citar
MEDEIROS, C. S. P. de, SILVA, O. A. P. da, ARAÚJO, J. B. de, SOUSA, D. E. de, CACHO, E. W. A., & CACHO, R. de O. (2017). PERFIL SOCIAL E FUNCIONAL DOS USUÁRIOS DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(3), 211-220. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n3.24011
Seção
Pesquisa