ARRANJOS FAMILIARES: MODOS DE CONVIVER COM O ADOECIMENTO EM FAMÍLIAS DE FEIRANTES

  • Paulo Roberto Lima Falcão do VALE Universidade Estadual de Feira de Santana http://orcid.org/0000-0002-1158-5628
  • Diego Rangel dos Anjos PRATA Diretoria de Atenção Básica. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia.
  • Rita da Cruz AMORIM Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).
  • Maria Geralda Gomes AGUIAR Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Resumo

Objetivo: Analisar os arranjos assumidos, por famílias de feirantes, frente ao adoecimento de um membro. Material e Métodos: Trata-se de um estudo exploratório, qualitativo, realizado mediante observação sistemática e entrevista semiestruturada com 17 feirantes. Adotou-se a análise de conteúdo temática conforme três fases: pré-análise, exploração do material, tratamento dos resultados obtidos e interpretação. Os resultados foram organizados em uma categoria, que abarca uma subcategoria. Resultados: Os feirantes consideram que os arranjos familiares independem da gravidade do adoecimento e das práticas de cuidado a serem efetivadas no domicílio, mas sim da existência de relações concretas e constantes na rede familiar, de modo que o relacionamento entre seus membros não é modificado em face das alterações no processo saúde-doença. Os arranjos familiares enfatizam ainda, a família nuclear como protagonista, a mulher como cuidadora natural, assim como a importância da família extensa e abrangente no processo de cuidar. Revelam uma dinâmica plural, com as ações coadjuvantes da família extensa e da abrangente que determinam a efetividade das práticas de cuidado. Conclusão: Cabe aos profissionais de saúde a aplicação das técnicas de avaliação dos sistemas familiares, de modo a identificar os membros familiares protagonistas do cuidado, bem como reconhecer conflitos e harmonia nas relações que possam subsidiar o seu processo de trabalho. DESCRITORES Medicina de Família e Comunidade. Relações Familiares. Saúde da Família. Características da Família. Saúde do Trabalhador

Biografia do Autor

Paulo Roberto Lima Falcão do VALE, Universidade Estadual de Feira de Santana
Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Enfermeiro, especialista em Saúde da Família, no formato de Residência Multiprofissional em Saúde pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Enfermeiro, graduado pela UEFS (2013). Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Cuidar/Cuidado - NUPEC desde 2010, desenvolvendo pesquisas nas seguintes linhas: Processo Saúde-Doença, Cuidar/cuidado, Itinerários Terapêuticos.
Diego Rangel dos Anjos PRATA, Diretoria de Atenção Básica. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia.
Especialista em Saúde da Família. Farmacêutico. Apoiador Institucional da Diretoria de Atenção Básica, da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.
Rita da Cruz AMORIM, Departamento de Saúde. Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).
Doutora em Família na Sociedade Contemporânea. Enfermeira. Professora Assistente do Departamento de Saúde da UEFS. Feira de Santana, Bahia, Brasil.
Maria Geralda Gomes AGUIAR, Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).
Doutora em Educação. Enfermeira. Professora Titular da UEFS. Feira de Santana, Bahia, Brasil.
Publicado
2017-11-15
Como Citar
VALE, P. R. L. F. do, PRATA, D. R. dos A., AMORIM, R. da C., & AGUIAR, M. G. G. (2017). ARRANJOS FAMILIARES: MODOS DE CONVIVER COM O ADOECIMENTO EM FAMÍLIAS DE FEIRANTES. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(4), 32713. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n4.32713
Seção
Pesquisa