ASSOCIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES BUCAIS COM VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E CLÍNICAS EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA

Maria Aparecida Amaral MUSSO, Marcela Vieira CALMON, Larissa Dell'Antônio PEREIRA, Camila BRANDÃO-SOUZA, Maria Helena Costa AMORIM, Eliana ZANDONADE, Maria Helena Monteiro de Barros MIOTTO

Resumo


Objetivos: Avaliar prevalência de doenças bucais e sua associação com variáveis sociodemográficas e clínicas em mulheres com diagnóstico de câncer de mama e em tratamento. Material e Métodos: Trata-se de um estudo analítico, transversal, composto por 89 participantes. Foi realizado exame clínico – cárie, xerostomia, gengivite e afta; entrevista utilizando um roteiro semiestruturado para coleta de dados. Realizou-se análise descritiva dos dados. Os testes exato de Fisher e qui-quadrado foram utilizados para verificar possíveis associações, considerou-se nível de significância de 5%. Resultados: Mulheres acima de 50 anos de idade representaram 25,8% da população estudada, ensino fundamental incompleto (36%), raça/cor branca (64%), condição socioeconômica C (57,3%) e renda de até dois salários mínimos (38,2%). Houve predomínio da necessidade de uso de prótese (60,7%) devido ao grande número de dentes perdidos (média de 17,9). As pacientes com maior faixa etária apresentaram maior prevalência de xerostomia e maior número de dentes extraídos. Conclusão: Houve alterações bucais de associação aos tratamentos do câncer, como a necessidade de próteses dentárias, xerostomia, gengivites e aftas. Com o aumento da faixa etária, aumentou-se também a extração dos dentes, a prevalência da xerostomia e da gengivite. Xerostomia esteve associada a raça/cor branca e uso de anti-hipertensivos.

DESCRITORES
Saúde Bucal.Cárie Dentária.Xerostomia.Gengivite.Neoplasias da Mama.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2018v22n3.35660