RESTAURAÇÃO: conceito de verdade e originalidade

  • Zeny Duarte UFBA
Palavras-chave: Restauração. Interdisciplinaridade. Reflexões críticas

Resumo

RESUMO

Trata-se de um estudo que tem como base as reflexões críticas sobre a restauração. A ideia é, retomar o debate sobre a restauração, enquanto uma disciplina, como outras, incertas de suas fronteiras. Uma disciplina que lida com outras áreas como a arquitetura, literatura, arquivologia, biblioteconomia, urbanismo, artes plásticas, museologia, arqueologia, entre outras, portanto interdisciplinar, não devendo se prender ao jogo de noções e de estrutura conceitual rigorosa como dita a restauração tradicional. Este debate rebusca questões centrais sobre conceitos de originalidade, de prioridade, de cópia, de simulacro, de leitura / releitura em se tratando da restauração, em sintonia com perspectivas da reflexão contemporânea.

 

Biografia do Autor

Zeny Duarte, UFBA
Professora, pesquisadora e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal da Bahia.

Referências

REFERÊNCIAS

ANTOMARCHI, C. Pour une écologie de la conservation? In: COLLOQUE DE L’ASSOCIATION DES RESTAURATEURS D’ART E D’ARCHÉOLOGIE DE FORMATION UNIVERSITAIRE. Actes... Paris: A.R.A.A.F.U., 1992. p.23-28.

BALAKIAN, Anna. L’originel et l’original; nuances linguistique et distance poétique. In: CONGRÈS D’AILC, 3. Actes... (S.I.: s.n.), 1963.

BASLÉ, K. Restauration des registres d’inventaire manuscrits du Cabinet des dessins du Musée du Louvre. In: JORNEES INTERNATIONALES D’ETUDES DE L’ARSAG. Actes... Paris: ARSAG, 1991. p.157-161.

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. São Paulo: Editora Ática, 1986. p.67.

DELEUZE, Gilles. Platão e o simulacro. In: Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 1974. p.259-271.

DUARTE, Luiz Fagundes. A fábrica dos textos; ensaios de crítica textual acerca de Eça de Queiroz. Lisboa: Edições Cosmos, 1993. p.53.

DUARTE, Zeny. Desenvolvimento dos estudos e aplicação prática e a normalização sobre a conservação e a restauração de documentos fotográficos na França. In: CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS, 5. Atas... Lisboa: Câmara Municipal, 1994. p.151-172.

ECO, Umberto. O trabalho da interpretação. In: Os limites da interpretação. Tradução de Pérola de Carvalho. São Paulo: Editora Perspectiva, 1995. p.77-179.

FOUCAULT, Michel. As unidades do discurso. In: Arqueologia do saber. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1986. p.31-43.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: Microfísica do poder. 8 ed. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. p15-37.

FOUCAULT, Michel. Verdade e poder. In: Microfísica do poder. 8 ed. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. p.1-14.

GRAWITZ, Madeleine. Lexique des sciences sociales. Paris, 1991. p.109.

MOTTA, Edson; SALGADO, Maria Luiza Guimarães. Restauração de pinturas aplicações da encáustica. Rio de Janeiro: Publicações do IPHAN, 1973. p.11-12.

PISTORIUS, Georges. Le problème d’influence selon Paul Valéry. In: CONGRÈS D’AILC, 3. Actes... (S.I.: s.n.), 1963. p.1036-1042.

WEISSTEIN, Ulrich. Comparative literature and literary theory. Londres: Indiana University Press, (19--).

Publicado
2014-06-30
Como Citar
DUARTE, Z. RESTAURAÇÃO: conceito de verdade e originalidade. Archeion Online, v. 2, n. 1, 30 jun. 2014.
Seção
Artigos de Revisão