Análise dos termos "Classificação e Arranjo" na literatura arquivística brasileira

  • Bianca Ferreira Hernandez Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
  • Graziela Martins de Medeiros Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Resumo

Este artigo objetiva analisar os termos classificação e arranjo e os conceitos a eles atribuídos na literatura arquivística brasileira, contribuindo para o avanço da temática do campo arquivístico. Verifica aspectos e características mais frequentes nas definições de classificação e arranjo de obras brasileiras, o que permite identificar as convergências e divergências apresentadas entre os autores. A pesquisa é qualiquantitiva e exploratória e compreende a análise de 18 obras brasileiras, que cobrem o período de 1989 a 2012. A análise dos aspectos contidos nas definições de classificação inclue os seguintes elementos: termos, natureza do processo, ações e fundamentos da classificação. A análise das características considera princípios arquivísticos, níveis e critérios de classificação, instrumentos e fases do ciclo de vida documental em que os processo arquivísticos ocorrem. Conclui que a classificação e o arranjo possuem mais pontos de convergência do que divergência entre si, na visão dos autores brasileiros.

Biografia do Autor

Bianca Ferreira Hernandez, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Graziela Martins de Medeiros, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Professora do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutoranda do Programa de Pós-graduação da UFSC.

Referências

BARROS, T. H. B. Construção discursiva em Arquivística: uma análise do percurso histórico e conceitual da disciplina por meio dos conceitos de classificação e descrição. 2010. (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista Júliode Mesquita Filho/Marília, São Paulo, 2010.

BELLOTTO, H. L. Arquivos Permanentes: tratamento Documental. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

______.A Terminologia das áreas do saber e do fazer: o caso da Arquivística. Acervo, v.20, n.1/2, p.47-56, 2007

BRASIL. ARQUIVO NACIONAL. Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo relativos as atividades-meio da Administração Pública. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

DAHLBERG, I. Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v.7, n.2, p.101-107, 1978

DUCHEIN, M. Os arquivos na Torre de Babel: problemas de terminologia arquivística nacional. Acervo, v. 20, n.1/2, p.13-22, 2007

DUCROT, A. A Classificação dos arquivos pessoais e familiares. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.11, n.21, p.151-168,1998.

FARIA, W. S. A normalização dos instrumentos de gestão arquivística no Brasil: um estudo da influência das resoluções do Conarq na organização dos arquivos da Justiça Eleitoral Brasileira. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

GARCIA, O. M. C. A aplicação da Arquivística Integrada considerando os desdobramentos do processo a partir da classificação. 2000. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Catarina.

GONÇALVES, J. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, 1998. (Projeto como fazer; v.2)

HERRERA, A. H. Archivística general: teoría y práctica. 5. ed .Sevilla: Servicio de Publicaciones de laDiputación de Sevilla, 1991.

KICH, T. J. F.; KONRAD, G. V. R. Arranjo e descrição arquivística em processos judiciais. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 16, n. 4, p. 212-227, out./dez. 2011.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LODOLINI, E. Archivística: principios y problemas. Madrid: ANABAD - AsociacíonEspañola de Archiveros, Bibliotecarios, Museólogos y Documentalistas, 1993.

LOPES, L. C. A nova Arquivística na modernização administrativa. 2. ed. Brasília: Projecto Editorial, 2009.

OLIVEIRA, M. I. de. Classificação e avaliação de documentos: normalização dos procedimentos técnicos de gestão de documentos. Acervo, Rio de Janeiro, v.20, n.1-2, p.133-148, jan. /dez.2007.

PRET, Raquel Luise; CORDEIRO, Rosa Inês de Novais. Clasificación y indización de registros y archivos de universidades. In.: CONGRESO ISKO ESPAÑA, 12; CONGRESO ISKO ESPANA-PORTUGAL, 2, 19-20 de noviembre, 2015. Anais...Organización del conocimiento para sistemas de información abiertos. Murcia: Universidad de Murcia, 2015.

RIBEIRO, Fernanda. O uso da classificação nos arquivos como instrumento de organização, representação e recuperação da informação. 2013.In: CONGRESSO ISKO ESPANHA E PORTUGAL; CONGRESO ISKO ESPAÑA. Anais...Espanha,2013. Disponível em: <http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/69659/2/fernandaribeirousoclassificacao000212002.pdf >. Acesso em: 18 fev. 2016.

RIOS, E. R.; CORDEIRO, R. I. N. Plano de classificação de documentos arquivísticos e a teoria da classificação: uma interlocução entre domínios do conhecimento. Prespectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.15, n.2, p.123-139, maio. /ago.2010.

RODRIGUES, A. M. L. Uma análise da Teoria dos arquivos. 2004. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Minas Gerais.

RONCAGLIO, C. A história administrativa serve como subsídio para a organização da informação arquivística ou vice-versa? Acervo, Rio de Janeiro, v.25, n.2, p.92-103, jul. /dez.2012.

ROUSSEAU, J.; COUTURE, C. Os Fundamentos da Disciplina Arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1994.

SANTOS, S. A. S. dos. Ontologias como domínio conceitual e planos de classificação arquivística: um estudo de caso sobre instituições federais de ensino superior. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

SANTOS, V. B dos. A teoria arquivística a partir de 1898: em busca da consolidação, da reafirmação e da atualização de seus fundamentos. Tese (Doutorado) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

SCHÄFER, M. B.; LIMA,E. S. A classificação e a avaliação de documentos: análise de sua aplicação em um sistema de gestão de documentos arquivísticos digitais. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.17, n.3, p.137-154, jul. /set.2012.

SCHELLENBERG, T.R. Arquivos Modernos: princípios e técnicas. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

SILVA, A. B. M. da. A gestão da informação arquivística e suas repercussões na produção do conhecimento científico. Rio de Janeiro: CONARQ: Conselho Nacional de Arquivos e ALA - AssociaciónLatinoamericana de Archivos, 2000. Disponível em:< www.conarq.arquivonacional.gov.br/Media/publicacoes/ibericas/a_gesto_da_informao_arquivstica.pdf> Acesso em 08 jun. 2014

SOUSA, R.T.B; ARAÚJO JÚNIOR, R.H. de. A produção científica da Arquivologia em classificação, Descrição e Recuperação: o estado da arte. Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros, 2013.

SOUSA, R. T. B. Os princípios arquivísticos e o conceito de classificação. In: RODRIGUES, G. M.; LOPES, I. L. (Org.). Organização e representação do conhecimento na perspectiva da Ciência da Informação. Brasília: Thesaurus, 2003, v. 2, p. 240-269.

______. Classificação arquivística: trajetória e apropriação de um conceito.2005. Tese (doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo.

______. A Classificação como função matricial do que fazer arquivístico. In: SANTOS, V. B. (Org.). Arquivística: temas contemporâneos: classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. Brasília: SENAC, 2007. cap. 3, p. 115-163

______. As bases do processo classificatório em Arquivística: um debate metodológico. São Paulo: Associação de Arquivistas de São Paulo, 2002.

______. Classificação de documentos arquivísticos: trajetória de um conceito. Arquivistica.net, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 120-142, 2006.

______. Classificação: um dos problemas fundamentais da Arquivística contemporânea. Arquivo & Informação, Brasília, v. 1, n. 1, p. 3-4, 1995.

TESSITORE, V. Arranjo: estrutura ou função? São Paulo: Arquivo do Estado, 1989.

Publicado
2016-12-15
Seção
ARTIGOS DE REVISÃO