Drag Gamer:

Samira Close, cibercultura e cultura dos fãs

Palavras-chave: Samira Close, Cultura gamer, Cultura dos fãs

Resumo

Este artigo aborda a aparição da drag Samira Close na plataforma Facebook Gaming. Samira Close é o nome da figura performada por Wenner Pereira, que joga games assumindo-se como drag. O objetivo do artigo é indicar as diferentes formas de interação entre ela e seus fãs, em suas transmissões ao vivo, focando especificamente nos modos como seu corpo aparece nas telas. Na comunicação produzida nas comunidades de fãs ocorre a formação de laços e o compartilhamento de interesses. Para o artigo, os conceitos empregados foram cibercultura, cultura gamer e cultura dos fãs. Na comunidade de fãs dessa jogadora em particular há características de proximidade e conexão dos indivíduos por meio dos interesses fortemente vinculados à estética da drag gamer Samira Close.

Biografia do Autor

Paulo Luiz Silva Bonfim Júnior, Universidade Luterana do Brasil (Ulbra)

Bacharel em Publicidade e Propaganda - Universidade Luterana do Brasil - Campus Canoas. Integrou o Grupo de Estudos de Comunicação, Educação e Políticas da Diferença, liderado pelo Prof. Dr. Luiz Felipe Zago, entre março e agosto de 2020.

Luiz Felipe Zago, Universidade Luterana do Brasil (Ulbra)

Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação, na Linha de Pesquisa Pedagogias e Políticas da Diferença, e Professor do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da Universidade Luterana do Brasil (Campus Canoas). Graduado em Comunicação Social pela Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006), Mestre (2009) e Doutor (2013) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFRGS na Linha de Pesquisa em Educação, Sexualidade e Relações de Gênero. Já atuou como jornalista e assessor de comunicação. Foi coordenador e consultor de projetos de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis, HIV/Aids entre homens que fazem sexo com homens das cidades de Porto Alegre e região metropolitana, tendo sido militante no movimento LGBTQIA+ durante 6 anos. Atuou como consultor técnico na Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Ministério da Saúde da Brasil. Suas áreas de interesse são relações de gênero, corpo, sexualidade, Direitos Humanos, produção de subjetividades, redes sociais na internet.

Referências

DA LUZ, Alan Richard. Vídeo Games: História, Linguagem e Expressão Gráfica. São Paulo: Blucher, 2010.

ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING (SP). Game Brasil, 2019. Disponível em: https://www.pesquisagamebrasil.com.br/. Acesso em 19 de Março de 2020

GOULART, Lucas; NARDI, Henrique. Gamergate: cultura dos jogos digitais e a identidade gamer masculina. Mídia e Cotidiano, Niterói, vol. 11, n. 3, pp. 250-268. 2017. DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v11i3.9855. Acesso em 27 de maio de 2020.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34,1999.

MARTINO, Luiz Mauro de Sá. Teorias de Mídias Digitais: Linguagens, ambientes e redes. 2º Ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
Publicado
2020-12-17
Como Citar
BONFIM JÚNIOR, P. L. S.; ZAGO, L. F. Drag Gamer:. Culturas Midiáticas, v. 13, n. 2, p. 170-187, 17 dez. 2020.
Seção
Comunicação e Cultura Digital