AS CONFIGURAÇÕES IDENTITÁRIAS DOCENTES DO BACHAREL-PROFESSOR: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM FENOMENOLÓGICA E DA ENTREVISTA NARRATIVA

  • Eliana Freire do Nascimento Estácio Teresina

Resumo

Este trabalho discute a construção identitária do bacharel professor de Direito que exerce a docência superior, o que exigiu a escolha de métodos e de técnicas que pudessem ter acesso às informações que ajudassem a entender o objeto de estudo. Partindo dessa percepção, este trabalho foi orientado pela concepção da abordagem fenomenológica que buscou compreender, de forma intencional, o mundo vivido em que os professores de Direito descrevem suas experiências de tornar-se professor ao longo da carreira docente. Esta pesquisa possibilitou entender o “ser docente” a partir da descrição do ato de ser e de viver nas múltiplas relações estabelecidas pelos indivíduos no decurso da vida profissional. Palavras-chave: Bacharel-professor. Configurações identitárias. Abordagem fenomenológica. Narrativas.

Biografia do Autor

Eliana Freire do Nascimento, Estácio Teresina
Doutora em Educação. Mestre em Educação. Especialista em Direito Publico, em Processo Civil, em Gestão de Conflitos,  em Docência no Ensino Superior, Bacharel em Direito. Licenciada em Pedagogia. Docente no curso de Direito.

Referências

BAUMAN, Z. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012.

BICUDO, M. A. V. Aspectos da pesquisa qualitativa efetuada em uma abordagem fenomenológica. In: ______. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo uma visão fenomenológica. 1. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011. p. 29-40.

CAPRA, F. O ponto de mutação. São Paulo: Ed. Melhoramentos, 1982. 445p.

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. Relatos de experiencia e investigación narrativa. In: JOSSO, M. Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Paulus, 2002.

KAUFMANN, J. C. A invenção de si: uma teoria da identidade. Tradução Joana Chaves. Lisboa, PT: Instituto Piaget, 2004.

LARROSA, J. et al. (Org.). Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Laertes. 2011. p.15-59.

LARROSA, J. Linguagem e Educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MARTINS, J.; BICUDO M. A. A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Moraes,1989.

MATURANA, H. R.; VARELA, F. J. A Árvore do Conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Pala Athenas, 2014.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2003.

PEIXOTO, A. J. (Org.). Fenomenologia: diálogos possíveis. Campinas: Editora Alínea; Goiânia: Editora da PUC de Goiás, 2011b.

PRYGOGINE, I. O nascimento do tempo. In: CARVALHO, E. de A.; ALMEIDA, M. da C. (Org.). Ciência, razão e paixão. 2. ed. rev e ampl. São Paulo: Livraria da Física, 1988. p. 15-25.

SANTOS, Luciano. O sujeito encarnado: a sensibilidade como paradigma ético em Emmanuel Levinas. Ijuí.: Ed. UNIJUÍ, 2009.

SCHÜTZE, F. Análise sociológica e linguística de narrativas. Revista Eletrônica Civitas, v. 14, n. 2, p. 11-52. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2016.

SCHÜTZE, F. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, W.; PFAFF, N. Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 210-222.

SOUZA, E. C. O conhecimento de si: estágio e narrativa de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador, BA: Uneb, 2006.

Publicado
2018-05-08
Como Citar
Nascimento, E. F. do. (2018). AS CONFIGURAÇÕES IDENTITÁRIAS DOCENTES DO BACHAREL-PROFESSOR: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM FENOMENOLÓGICA E DA ENTREVISTA NARRATIVA. Revista Educare, 2(2), 213-237. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/educare/article/view/35671
Seção
Sociologia da Educação