DOS CENTROS DE ESTUDOS SUPLETIVOS AOS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TRAJETÓRIA DE UMA PROPOSTA DE ESCOLARIZAÇÃO PARA JOVENS E ADULTOS NO BRASIL

  • Humberto Vieira Farias Doutorando em Educação - UFPB
  • Timothy Denis Ireland Universidade Federal da Paraíba. Programa de Pós-Graduação em Educação/UFPB Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos/UFPB
  • Eduardo Jorge Lopes da Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Educação Departamento de Fundamentação da Educação Programa de Pós-Graduação em Educação http://orcid.org/0000-0002-5402-8880

Resumo

Numa imersão aos poucos documentos oficiais encontrados e apoiados em pesquisadores que discorreram a temática, pretendemos com esse artigo apresentar a trajetória histórica do que consideramos como a mais duradoura proposta de escolarização pensada efetivamente para jovens e adultos em nosso país.  Neste artigo apresentaremos a história de criação dos Centros de Estudos Supletivos (CES), seu desenvolvimento e práticas, o processo sofrido que os transformaram nos cursos semipresenciais da EJA e as justificativas de sua manutenção no sistema educacional brasileiro. Palavras-chave: EJA, CES, Supletivo, cursos semipresenciais.

Biografia do Autor

Eduardo Jorge Lopes da Silva, Universidade Federal da Paraíba Centro de Educação Departamento de Fundamentação da Educação Programa de Pós-Graduação em Educação
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (1999), Mestrado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2003) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Atualmente é professor Adjunto I da Universidade Federal da Paraíba (CE/DFE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação de jovens e adultos, eja, formação continuada, educação popular e formação de professores.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzáles. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens-adultos populares? Revista de Educação de Jovens e Adultos. v. 1, n. 0, p. 5-19, ago. 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOYNARD, Aluízio Peixoto; GARCIA, Edília Coelho; ROBERT, Maria Iracilda. A reforma do ensino: Lei número 5.692 de 11 de agosto de 1971, publicada no Diário Oficial da União em 12 de agosto de 1971. 2. ed. São Paulo: LISA, 1972.

BRASIL. Lei nº 5692 de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases do ensino de 1º e 2º graus e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/l5692.htm. Acesso em: 05 de março de 2014.

______. PARECER Nº 699/1972 C.E. DE 1º e 2º GRAUS. In: Ivo Giannella et al. (Org.). Ensino Supletivo: Legislação Federal e Estadual. São Paulo: SE/CENP, 1977.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

______. Conselho Nacional de Educação. Parecer Nº 11/ 2000: Consulta sobre as Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos, Brasília/DF: CNE/CEB.

______. Ministério da Educação e Cultura/Departamento de Ensino Supletivo. Centro de Estudos Supletivos. Brasília/DF: 1974.

______. Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Censo Escolar da Educação Básica 2014: resumo técnico, Brasília/DF: O instituto, 2014. Disponível em: <http://www.inpep.gov.br>. Acesso em: 25 jun. 2015.

______. Ministério de Educação e Cultura. Conselho Federal de Educação. O Ensino Supletivo no Brasil. Brasília: MEC/CFE, 1983.

______. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 4024/61. Brasília : 1961.

______. Ministério da Educação. Fundo de manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental e de valorização do magistério: manual de orientação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/mo.pdf>. Acesso em: 25 fev. 2018.

CALDEIRA, Lilian Cristina; GORNI, Doralice Aparecida Paranzini. Ensino semipresencial na educação de jovens e adultos: leituras do cotidiano escolar. Trabalho apresentado na 31ª Reunião Anual da ANPED. GT 18/EJA. Caxambu, Minas Gerais, 2008. Disponível em: http://31reuniao.anped.org.br/1trabalho/GT18-4987--Int.pdf. Acesso em: 20 abr. 2015.

CARNEIRO, Moacir Alves. LDB fácil: Leitura crítico-compreensiva, artigo a artigo. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

CAVACANTE, Ezimar. Ensino supletivo: inteligibilidade de textos e atitudes de professores e alunos. 1980. 171 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1980.

CAVALCANTI, Amalita Maria Costa Lima. Política educacional do estado brasileiro sobre o ensino supletivo 1961-1971. 1987. 148 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1987.

CASTRO, Cláudio Moura. et al. O enigma do supletivo. Fortaleza: Edições UFC, 1980.

CASTRO, Carmen Lúcia Lavaquial Veloso de. Avaliação de competência e necessidade de treinamento para a função orientador de aprendizagem: o caso do Centro de Estudos Supletivos do Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro – (CES-IERJ). 1989. 117 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1989.

DI PIERRO, Maria Clara. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, v.26, n. 92, p.1115-1139, out. 2005.

______. Educação de jovens e adultos no Brasil: questões face às políticas recentes. Em aberto, Brasília, ano 11, n. 56, p. 22-30, out./dez. 1992.

______; JOIA, Orlando, RIBEIRO, Vera Masagão. Visões da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Cadernos Cedes, Campinas, v. 21, n.55, p.61-77, nov. 2001.

EMERENCIANO, Maria do Socorro Jordão. A educação de jovens e adultos e a Lei 9.394/96. In: SILVA, Eurides Brito da. et al. A educação básica pós-LDB. São Paulo: Pioneira, 1998. p. 169-187.

FARIAS, Humberto Vieira. Os cursos semipresenciais e o reencontro de jovens e adultos com a educação básica. 2015. 251f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

FÁVERO, Osmar. Educação de jovens e adultos: passado de histórias; presente de promessas. In: RIVERO, José; FÁVERO, Osmar. Educação de Jovens e Adultos na América Latina: direito e desafio de todos. São Paulo: Ed. Moderna, 2009. p. 54-92.

______; FREITAS, Marinaide. A educação de jovens e adultos: um olhar sobre o passado e o presente. Inter-Ação, Goiânia, v. 36, p.365-392, jul./dez. 2011.

FÉLIX, Luís Assis. Ensino supletivo do Rio de Janeiro: uma visão organizacional. 1986. 141 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1986.

FERRAZ, Esther de Figueiredo. Alternativas da educação. Rio de Janeiro: José Olympio, 1976. (Coleção Brasil em questão).

HADDAD, Sérgio. Estado e educação de adultos (1964/1985). 1991. Tese (Doutorado) Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 1991.

______. O ensino Supletivo no Brasil: O Estado da Arte. Brasília: MEC/INEP/REDUC, 1987.

______; DI PIERRO, Maria Clara. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, n.14, p. 108-130, mai./ago. 2000.

HENRIQUES, Ricardo; IRELAND, Timothy Denis. A política de educação de jovens e adultos no governo Lula. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. Brasília: UNESCO, MEC, RAAAB, 2005. p. 347-357. (Coleção educação para todos; 3).

IRELAND, Timothy Denis. Educação de Jovens e Adultos como política pública no Brasil (2004-2010): os desafios da desigualdade e diversidade. Rizoma Freireano, v. 13, p. 93-110, 2012.

LOBO NETO, Francisco José da Silveira. Organização curricular no ensino supletivo/ suplência. 1975. 102 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1975.

LOPES, José Loureiro. Educação de adultos no Brasil: legislação e ideologia. João Pessoa: Governo do Estado da Paraíba, 1985. (Coleção IV centenário).

MAFRA, Mário Sérgio. Conhecendo um centro de estudos supletivos. 2. ed. Brasília: MEC/SEPS, 1979/1980.

MATTOS, Maria Augusta Bastos de. Supletivo: o discurso paralelo. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.

MELLO, Maria Inês Sarmet Moreira Smiderle. Centro de estudos supletivos de Niterói : proposta de reformulação de currículo. 1982. 146 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1982.

NAGEL, Thomas S.; RICHMAN, Paul T. Ensino para competência: uma estratégia para eliminar o fracasso, instrução programada ramificada. Tradução de Cosete Ramos. 7. ed. Porto Alegre: GLOBO, 1983.

PARRA, Nélio. Ensino Individualizado: programas e matérias. São Paulo: Saraiva, 1978.

PIMENTEL, João Nogueira. Reflexões sobre as qualidades da personalização do ensino. Millenium, Viseu, Portugal, ano 3, n.10, abr. 1998. Disponível em: <http://www.ipv.pt/millenium/ect10_pimtl.htm>. Acesso em: 25 mai. 2015.

POCARPO, Rosa Cristina. História da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Disponível em: <http://wwwalfabetizavirtual.files.wordpress.com/2011/08/

históriaeja.doc>. Acesso em: 27 jun. 2012.

PRAXEDES, Lourdes. A problemática dos cursos de suplência no Estado de São Paulo. São Paulo: Loyola, 1984.

RAMÍREZ G. Maria del Sagrario. Métodos de educação de adultos. Tradução de Valeriano de Oliveira e Luiz João Gaio. São Paulo: Loyola, 1975.

SÃO PAULO. Conselho Estadual de Educação. Parecer Nº 084/ 1985: Avaliação dos resultados da experiência pedagógica do Centro Estadual de Estudos Supletivos “Dona Clara Martinelli”. Disponível em: <http://www.ceesp.sp.gov.br/>. Acesso em: 13 nov. 2014.

SOARES, Leôncio José Gomes. A educação de jovens e adultos: momentos históricos e desafios atuais. Presença Pedagógica. Belo Horizonte, v.2, n. 11, p. 28-35, set/out, 1996.

SOUZA, Graça Helena Silva de. Educação de jovens e adultos: estudo de caso no Centro de Estudos Supletivos-SENAI. 2005. 116 f. Dissertação (mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

______. Centro de Estudos Supletivos – CES/RJ: tensões entre o instituído e o instituinte em uma escola semipresencial para jovens e adultos. Trabalho apresentado na 28ª Reunião Anual da ANPED. GT 18/EJA. Caxambu, Minas Gerais, 2005. Disponível em: <http://28reuniao.anped.org.br/>. Acesso em 20 abr. 2015.

TORRES, Eliane Aparecida. Uma abordagem sobre o ensino supletivo: o centro estadual de educação supletiva no estado de São Paulo. 1997. 189 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1980.

VIERO, Anezia; SIQUEIRA, Janes Fraga; VIEGAS, Moacir Fernando. As políticas públicas e as concepções de educação de jovens e adultos no Brasil no contexto da reestruturação capitalista. Reflexão e Ação, v.7, n.2, p. 7-78, jul./dez. 1999.

Publicado
2018-05-08
Como Citar
Farias, H. V., Ireland, T. D., & Silva, E. J. L. da. (2018). DOS CENTROS DE ESTUDOS SUPLETIVOS AOS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TRAJETÓRIA DE UMA PROPOSTA DE ESCOLARIZAÇÃO PARA JOVENS E ADULTOS NO BRASIL. Revista Educare, 2(2), 164-193. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/educare/article/view/39505
Seção
Sociologia da Educação