“VIVENDO E APRENDENDO”. OS SIGNIFICADOS DA CRONICIDADE DA LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA NA EXPERIÊNCIA DE PACIENTES.

  • Yeimi Alexandra Alzate López Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia
  • Leny Alves Bonfim Trad Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia

Resumo

O texto analisa a construção dos significados da cronicidade da Leucemia Mieloide Crônica (LMC) a partir das experiências de pacientes na cidade de Salvador-Bahia, Brasil. O estudo de caráter qualitativo utilizou a narrativa como metodologia e incluiu dez pacientes, com idades entre 23 e 74 anos, usuários do Sistema Público de Saúde (SUS) e de planos de saúde. A coleta dos dados foi realizada entre os anos 2009 e 2012. A análise de dados permitiu identificar três categorias principais de analise: A LMC como ameaça a vida; os sentidos do Transplante de Medula Óssea (TMO) e de uma vida “normal” evidenciando a presença da incerteza; e o viver e “aprender” a cronicidade da LMC. Os resultados apontam como a cronicidade da LMC se constrói e se reconstrói, se resignifica e se resitua entre o conhecido e o desconhecido da doença, gerando velhas e novas incertezas.
Publicado
2015-06-30
Como Citar
Alzate López, Y. A., & Alves Bonfim Trad, L. (2015). “VIVENDO E APRENDENDO”. OS SIGNIFICADOS DA CRONICIDADE DA LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA NA EXPERIÊNCIA DE PACIENTES. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA & TRABALHO, 1(42). Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/politicaetrabalho/article/view/22873
Seção
Nº 42 - DOSSIÊ ANTROPOLOGIA DAS DOENÇAS DE LONGA DURAÇÃO