A CONTRADIÇÃO ENTRE TRABALHO ONTOLÓGICO E TRABALHO NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA NA PERSPECTIVA MARXISTA

Palavras-chave: Trabalho ontológico, Trabalhadores, Sentidos do trabalho, Modo de produção capitalista.

Resumo

Em âmbito global, os direitos da classe trabalhadora vêm sendo atacados por governos de diferentes matizes políticas. No Brasil, isso não é diferente. Recentemente, o governo do então presidente Michel Temer aprovou no Congresso Nacional a reforma trabalhista, que retirou direitos do trabalhador. Tal reforma foi realizada sob a justificativa de alavancar o desenvolvimento econômico do país e, consequentemente, gerar empregos.  Esta pesquisa tem como objetivos: a) discutir, à luz da teoria marxista, o fundamento ontológico do trabalho e o processo de trabalho no modo de produção capitalista (MPC); b) fomentar a discussão sobre o sentido ontológico do trabalho; e c) estabelecer uma comparação entre a natureza ontológica do trabalho e a natureza do trabalho no MPC. Metodologicamente, esta é uma pesquisa bibliográfica, qualitativa e exploratória; teoricamente, fundamenta-se em obras de Karl Marx, Karl Marx e Engels, Ricardo Antunes, Sérgio Lessa, entre outras. Concluímos que, no atual momento, não é suficiente que os trabalhadores reivindiquem apenas melhorias nas condições de trabalho e nos salários, é necessário transformar radicalmente as relações de trabalho e de produção.

Biografia do Autor

Cinara Menegotto Cavalheiro Karam, Universidade Federal do Rio Grande-FURG
Pós-doutoranda em Educação Ambiental, Doutora e Mestra em Educação Ambiental PPGEA-FURG/RS. Especialização em Oftalmologia no Hospital Dr Manuel Quintela - Montevideo/UY e em Programa de Saúde da Familia - Pelotas/RS. Master em Oftalmologia pela Universidad Católica de Salta - Argentina. Graduação em Medicina pela Universidade Católica de Pelotas (1993) Compõe o corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas e o corpo técnico da Universidade Federal de Pelotas.
Alexandre Macedo Pereira, Universidade Federal da Paraíba-UFPB
Pós-doutorando em Linguística, Doutor na área de Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA/FURG), Mestre em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia (PPGEDA/UFPA), Psicopedagogo e Pedagogo. 
Luis Fernando Minasi, Universidade Federal do Rio Grande-FURG
Possui Graduação em Licenciatura em Matemática (FURG-1971), Graduação em Pedagogia - Habilitação 2º Grau e Adm. Escolar (UPF-1979), Mestrado em Filosofia e História da Educação (UNICAMP-1997) e Doutorado em Educação (UFRGS-2008). Atualmente é representante dos docentes da FURG no Conselho Municipal de Educação do Rio Grande, Membro da Associação dos Professores da Universidade Federal do Rio Grande, Professor Associado nível II da FURG, atuando como professor pesquisador desta Instituição de Ensino a nível de Graduação, como também de Pós-Graduação do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Coordenador do Grupo de Estudos Pão, Manteiga e Marx - Café de Sábado. Tem experiência na área de Educação, Educação Ambiental, Filosofia, Sociologia, Metodologia da Pesquisa Qualitativa em Ciências Sociais, com ênfase no Método Materialista Dialético.

Referências

ANTUNES, R. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

______. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, R.; SILVA, MAM. O avesso do trabalho. v.1. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

HOBSBAWM, EJ. Mundos do Trabalho. São Paulo: Editora Guerra e Paz, 2000.

KOHAN, N. Dicionário básico de categorias marxistas. p. 1-15, 2016. Disponível em: <http://pcb.org.br/portal/docs1/texto3.pdf>. consulta em 05 de abr. 2019.

KONDER, L. Marxismo e alienação: contribuição para um estudo do conceito marxista de alienação. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

LESSA, S. Para compreender a ontologia de Lukács. Ijuí (RS): Unijuí, 2007.

______. Mundo dos homens: trabalho e ser social. 3.ed. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

LESSA, S; TONET, I. Proletariado e sujeito revolucionário. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, K. O Capital: a crítica da economia política. Livro I. v.1. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

______. Miséria da filosofia: resposta à filosofia da miséria, do senhor Proudhon. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

______. O Capital: crítica da economia política. Livro I. v.1. 27.ed. (rev) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã (Feuerbach). São Paulo: Hucitec, 1991.

MASCARO, Alysson Leandro. Crise e Golpe. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

MÉSZÁROS. I. A crise estrutural do capital. 2.ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

PEREIRA, M. A. Os desafios da classe trabalhadora na crise do bloco histórico hegemônico no início do século XXI (109-128). In: A Categoria bloco histórico em Antônio Gramsci. Ed. Clube dos Autores, 2012.

Publicado
2020-05-19
Seção
Artigos