O PROBLEMA DO TEMPO A PARTIR DE DUAS PERSPECTIVAS:

AS LINHAS GERAIS DA FENOMENOLOGIA DE EDMUND HUSSERL E DA NEUROFENOMENOLOGIA DE FRANCISCO VARELA

  • Gabriel Dietrich UFSM
Palavras-chave: Tempo, Fenomenologia, Neurofenomenologia, Husserl, Varela

Resumo

Desde a antiguidade o problema do tempo concentrou esforços das mais diversas tradições filosóficas e foi formulado e abordado de múltiplas maneiras. Dentre estas formulações e abordagens destaca-se a célebre fenomenologia do tempo inaugurada por Husserl no despontar do século XX. A partir da virada para o século XXI, esta fenomenologia foi incluída em um amplo e crescente movimento de aproximação com as ciências cognitivas. Neste contexto, esta inclusão justifica-se por duas razões internamente atreladas: por um lado, de acordo com Shaun Gallagher e Dan Zahavi, Husserl formulou adequadamente e também forneceu uma linha de resposta apropriada ao problema do tempo, evitando incorrer em uma série de dificuldades nas quais outras formulações e abordagens incorrem, e, por outro, suas descrições da dinâmica da estrutura tripartite da consciência interna do tempo são consistentes com a dinâmica dos processos neurofisiológicos que estão na base da experiência do tempo, conforme identificados pela neurofenomenologia de Francisco Varela. O objetivo geral deste trabalho é reconstruir as duas linhas de justificação da inclusão da fenomenologia de Husserl junto às ciências cognitivas. Mais especificamente, esta reconstrução consiste em inicialmente apresentar as dificuldades que orbitam o problema do tempo conforme outras formulações e abordagens, e que são enfrentadas por Husserl com o reconhecimento da estrutura tripartite da consciência interna do tempo, e, posteriormente, apresenta-la desde uma perspectiva neurofenomenológica. A hipótese interpretativa defendida neste trabalho é a de que a abordagem neurofenomenológica ao problema do tempo implica na abertura de um conjunto de questões e de potenciais consequências ontologicamente importantes.

Referências

ANDERSEN & GRUSH, 2009, A Brief History of Time Consciousness: Historical Precursos to James and Husserl, Journal of History of Philosophy, 2009

ANDERSEN, H. The Hodgsonian accout of temporal experience, in The Routledge Handbook of Philosophy of Temporal Experience, 2017

BROUGH, J. The wonder of time-consciousness, in The Routledge Handbook of Philosophy of Temporal Experience, 2017

DAINTON, B. Temporal Consciousness, in Stanford Encyclopedia of Philosophy. E The Specious Present: Further Issues, in Stanford Encyclopedia of Philosophy, at https://plato.stanford.edu/entries/consciousness-temporal/specious-present.html

DOSTAL, R. Time and Phenomenology in Husserl and Heidegger, Robert Dostal, Cambridge in Companion to Heidegger, 2006

GALLAGHER, S. Time in Action. in Oxford Handbook of Philosophy of Time, Oxford, 2011.

GALLAGHER S. & ZAHAVI D., The Phenomenological Mind, Routledge, 2012.

GALLAGHER, S., The Past, Present and Future of Time-Consciousness: From Edmund Husserl to Varela and Beyond, Social Construtivism, 2017a

GALLAGHER, S., Consciousness of Time and the Time of Consciousness, in Reference Module in Neuroscience and Biobehavioral Psychology, 2017b

GALLAGHER, S. Well-Trodden Path: from phenomenology to enactivism, Shaun Gallagher Filosofisk Suplement, 2018

KORTMOOS, T.Phenomenology of Time: Edmund Husserl’s Analysis of Time-Consciousness, Phaenomenologica, 2002

VARELA, F. The Specious Present: a neurophenomenology of time consciousness, in Naturalizing Phenomenology, Stanford University Press, 1999

Publicado
2020-05-19
Seção
Artigos