Outros ecos da crítica: cultura e imperialismo em Edward Said

  • Jeverton Soares dos Santos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul( PUCRS)
Palavras-chave: Teoria Crítica, Pós-Colonialismo, Imperialismo

Resumo

A partir de um insight da mais recente obra da filósofa Amy Allen, “End of Progress” ( 2016) o presente artigo busca levar a cabo o projeto em aberto de (re)aproximação da Teoria Crítica com a linha de pensamento conhecida como Pós-Colonialismo, a partir das contribuições seminais do pensador palestino Edward Said, sobretudo mediante as suas reflexões sobre o vínculo entre cultura e imperialismo, presentes nas obras “Orientalism”(1978) e “Culture and Imperialism”(1993). Para isso, foi necessário expor o que Amy Allen compreende pelo termo teoria crítica, resgatando a sua denúncia contra a “mainstream” da teoria crítica contemporânea (especialmente, Habermas e Honneth), que na sua acurada interpretação teria recaído em um déficit pós-colonial inaceitável, em virtude da excessiva influência de Hegel e dos jovens hegelianos, sobretudo na reconciliação apressada que tal mainstream faz entre a noção de progresso histórico e de história empírica. Tal falha não acontece, por exemplo, na teoria crítica da Escola de Frankfurt, sobretudo em Adorno e em Benjamin, ainda que a autora não deixe de reconhecer que tais bases eurocêntricas também estão presentes nela (Seção 1). Contudo, é justamente a partir da noção de “eco das vozes que emudeceram”, de Benjamin, que se procurou executar uma aproximação com o pensamento de Said, o qual também usa categoria análoga, de “outros ecos que habitam o jardim”, inspirada no poeta Eliot (Seção 2). Mais do que isso: o artigo se esforça em trazer a tona alguns dos principais motivos do pensamento saidiano, como a caracterização do fenômeno cultural intitulado “orientalismo”, bem como suas reflexões sobre o drama palestino (Seção 3). Tais seções acabam por preparar caminho para explicitar o que autor entende como sendo o “imperialismo” (Seção 4). Essa noção, amplamente presente nas diferentes manifestações da experiência cultural moderna, pode nos ajudar a compreender melhor o vínculo existente entre cultura e política, vínculo esse que, como se verá ao decorrer do artigo, foi deliberadamente negligenciado pela teoria crítica contemporânea. 

Biografia do Autor

Jeverton Soares dos Santos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul( PUCRS)
Doutorando em Filosofia na PUCRS, com bolsa CAPES.  Mestre em Filosofia pela PUCRS (2015), graduado (2013) e licenciado em Filosofia(2016) pela PUCRS. E-mail: jevertonsoares@hotmail.com.

Referências

ADORNO, Theodor. Palavras e Sinais: modelos críticos 2. Petrópolis: Vozes, 1995.

________. Philosophie und Gesellschaft. Fünf Essays. Stuttgart: Reclam und Universal Bibliothek, 2000.

ADORNO, Theodor W; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Traduzido por Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor,1985.

ALLEN, Amy. The End of Progress: decolonizing the normative foundations of critical theory. New York: Columbia University Press, 2016

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Trad. de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BENHABIB, Seyla. The utopian dimension in communicative ethics. New German Critique, n°35, Special Issue on Jürgen Habermas ( Spring-Summer, 1985).

BENJAMIN, Walter. Magia, técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Roaunet. Obras completas vol. 1.São Paulo: Editora Brasilense, 1987.

________. O anjo da história. Organização e tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012,

FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, Forense-Universitária, 1977.

FRASER, N.; HONNETH, A. ¿Redistribución o Reconocimiento? Um debate político-filosófico. Madrid, Ediciones Morata, 2006.

HABERMAS, Jürgen. Die moderne: ein unvollendetes Projekt. [s.l.:s.n]. <https://etf.univie.ac.at/fileadmin/user_upload/fak_etf/Fakultaet/Veranstaltungen/philosophisches_cafe/Text_fuer_23_05_2013.pdf >. Acesso em 10/11/2016.

__________. O Discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Empire. Massachussets, Cambridge, Harvard University Press, 2000.

HARVEY, David. El nuevo imperialismo. Trad. de Juan Madariaga. Madrid: Akal, 2004.

HEGEL, Friedrich. Fenomenologia do Espírito. Petrópolis: Vozes, 1992.

HONNETH, Axel. Critique of Power: Reflective Stages in a Critical Social Theory. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1993.

HORKHEIMER, Max. Teoria Crítica. Buenos Aires: Amorrortu, 2003.

KENNEDY, Valerie. Edward Said: a Critical Introduction. Cambridge, Polity Press, 2003.

PILETTI, Nelson; PILETTI, Claudino. História e Vida Integrada. São Paulo: Ática, 2002.

RIBEIRO, Adelia Mª Miglievich. Darcy Ribeiro e o pensamento crítico latino-americano: diálogos com a epistemologia pós-colonial. In: SINAIS – Revista Eletrônica - Ciências Sociais. Vitória: CCHN, UFES, Edição n.09, v.1, Junho. 2011. pp.12-31.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

_______. Culture and Imperialism.New York: Vintage Books, 1994.

_______. Entrevista a Carlos Graieb. Veja, 25 junho de 2003.

_______. No Reconciliation Allowed. Letters of Transit: reflexions on Exile, Identity, Language and Loss. ed. André Aciman, Nova York, 1998, p. 96.

_______. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Trad. Thomas Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

_______. Representations of the Intellectual. Londes: Vintage, 1994, p.41.

_______. The Myth of ‘The Clash of Civilizations’. Northampton: Media Education Foundation,1998.

_______. Zionism from the Standpoint of Its Victims. Social Text, No. 1. (Winter, 1979), pp. 7-58.

WIGGERSHAUS, Rolf. A Escola de Frankfurt. História, desenvolvimento teórico, significação política. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.

WILKINS, Dexter. Tough New Tactics by U.S. Tighten Grip on Iraq Towns. The New York Times, 7 de dezembro de 2003.

Publicado
2017-04-30
Como Citar
dos Santos, J. S. (2017). Outros ecos da crítica: cultura e imperialismo em Edward Said. Aufklärung: Revista De Filosofia, 4(1), p.69-90. https://doi.org/10.18012/arf.2016.32328