Reflexões sobre a Teoria da Desobediência Civil em Rawls: Roteiro para uma objeção e uma possível justificação do apelo à consciência

  • Gehad Marcon Bark Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Palavras-chave: consciência, desobediência civil, justiça, lei, princípios políticos

Resumo

A proposta do artigo é refletir sobre uma possível justificação da desobediência civil em situações políticas nas quais não temos ao nosso dipor princípios políticos que traduzam uma concepção arrazoada de justiça à qual possamos apelar para justificar o descumprimento da lei. Embora ofereça uma definição de desobediência civil bastante útil, John Rawls se ocupa de sua justificação somente quando há uma concepção de justiça que rege o espaço público. O autor explicitamente se afasta do problema inicialmente apresentado afirmando que, em contextos políticos autoritários, a desobediência civil é válida na medida em que quaisquer meios se justificam para transformar um governo injusto. É preciso inspecionar com mais cuidado a concepção defendida por Rawls. Há uma questão legítima que, a um só tempo, impõe a recusa da solução oferecida pelo autor e recoloca a tarefa de pensar sobre a justificação da desobediência civil. Autores como Henry-David Thoreau e Hannah Arendt, bem como um exemplo literário extraído do romance D. Quixote, em contrapartida, propiciam reflexões que auxiliam na tarefa de encontrar um caminho para a análise da questão que considere pressupostos diversos daqueles que operam na justificação de Rawls. Nessa perspectiva, parece possível justificar ao menos uma tese mais fraca, a dizer, a que afirma que a consciência individual não pode ser excluída, de antemão, como um possível critério para justificarmos o uso da desobediência civil.

Biografia do Autor

Gehad Marcon Bark, Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba e Filosofia pela Universidade Federal do Paraná. Mestre e Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Paraná, na linha de pesquisa de Epistemologia e Metafísica, com especialização em andamento em Docência no Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Atua, com ênfase, na discussão de temas relacionados à filosofia teórica e prática de Kant, sua retomada e interpretação por filósofos contemporâneos. Possui interesse por questões diversas nos campos da Filosofia do Direito, da Filosofia Política e da Epistemologia.

Referências

ARENDT, Hannah. Crises da república. Tradução de José Volkmann: 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo: São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. Tradução de Rosaura Einchenberg: São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Tradução de Carmen Varrialle; Gaetano Lo Mônaco; João Ferreira; Luís Guerreiro Pinto Caçais: 5. ed. Brasília: Ed. da UNB, 2000. v.1.

CERVANTES, Miguel de. O engenhoso cavaleiro D. Quixote de La Mancha. Tradução de Sérgio Molina: São Paulo: Ed. 34, 2010.

DWORKIN, Ronald. Uma questão de princípios. Tradução de Luís Carlos Borges: 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

HOBBES, Thomas. Leviathan. New York: Oxford University Press, 2008.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Tradução de Jussara Simões: 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

RESCHER, Nicholas. Paradoxes: their Roots, Range and Resolution. Chicago: Open Court Publishing Company, 2001.

SÓFOCLES. A trilogia tebana: Édipo rei, Édipo em Colono e Antígona. Tradução de Mário da Gama Kuri: 6. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

THOREAU, Henry David. A desobediência civil e outros ensaios. Tradução de José Paulo Paes: São Paulo: Cultrix, 1968.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Publicado
2019-08-22
Como Citar
Marcon Bark, G. (2019). Reflexões sobre a Teoria da Desobediência Civil em Rawls: Roteiro para uma objeção e uma possível justificação do apelo à consciência. Aufklärung: Revista De Filosofia, 6(2), p.131-140. https://doi.org/10.18012/arf.2016.42389