A teoria da reminiscência em Agostinho: apropriação e crítica

  • Daniel Rodrigues da Costa Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG
Palavras-chave: Reminiscência, Iluminação, Verdade, Preexistência

Resumo

Este artigo tem por objeto a recepção da teoria platônica da reminiscência em Agostinho e visa apresentar como o bispo de Hipona se apropria da tese de Platão para construir sua teoria da iluminação. Desde os textos fundamentais da teoria do conhecimento de Platão existe a discussão sobre a validade ou não da chamada reminiscência e qual seria seu verdadeiro conteúdo. Agostinho, séculos depois, se depara com o mesmo problema explorado por ele e necessita de uma resposta diferente: explicar conhecimentos presentes na alma não oriundos da experiência e, contudo, não oriundos da preexistência da alma. Iremos abordar, portanto, o movimento de recepção, crítica e apropriação de Agostinho para com a teoria platônica, bem como a resposta agostiniana para o problema a que Platão, segundo ele, não responde satisfatoriamente.

Biografia do Autor

Daniel Rodrigues da Costa, Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG

Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Referências

AURELIUS AUGUSTINUS. Les Révisions. Traduzido do latim por Gustave Bardy. Paris: Desclée de Brouwer, 1950. 663 p. (Bibliothèque Augustinienne, 12).

________. Sobre a potencialidade da alma − De quantitade animae. Tradução de Aloysio Jansen de Faria. Petrópolis: Vozes, 1997.

________. Sobre o Mestre. Tradução de Angelo Ricci. São Paulo: Abril, 1973 (col.“Os Pensadores”, VI).

_______. Solilóquios. Tradução de Ir. Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Paulinas, 1993.

PLATÃO. Tutti gli Scritti. Università Cattolica del Sacro Cuore di Milano: Rusconi, 1997, sesta edizione. A cura di Giovanni Reale.

ALFARIC, P. L’évolution intellectuelle de saint Augustin, l. Du manichéisme au

néoplatonisme. Paris: E. Nourry. 1918.

ALTMAN, W.H.F. The Revival of Platonism in Cicero's Late Philosophy. Platonis aemulus and the Invention of Cicero. p. xxxii + 350. Lanham, Boulder, New York and London: Lexington Books, 2016.

BEIERWALTES, W. Agostino e il neoplatonismo cristiano. [s.l]: Vita e Pensero, 1995.

BROWN, P. Santo Agostinho, uma biografia. [tradução Vera Ribeiro] – Rio de Janeiro: Record, 2005.

CAPANAGA, V. Augustin de Hipona, maestro de la conversión cristiana. Biblioteca

de autores cristianos. Madrid, 1974.

CAYRÉ, F. Initiation a la philosophie de saint Augustin. Paris, Études Augustiniennes, 1947.

CILLERUELO, L. “Por qué MemoriaDei?” In: Révue de études augustiniennes 9, 1963, p.289-294.

CORNFORD, F. La teoria platônica del conocimiento – el Teeteto y el Sofista. Buenos Aires: Paidós, 1968.

DIXSAUT, M. Platão e a questão da alma. [tradução Cristina de Souza Agostini]. – São Paulo: Paulus, 2017.

GILSON, E. Introdução ao estudo de Santo Agostinho. Tradução Cristiane Negreiros Ayoub. Discurso Editorial; São Paulo: Paulus, 2006.

HESSEN, Joannes. Teoria do conhecimento. Tradução de João Vergílio Gallerani Cuter. Revisão técnica de Sérgio Sérvulo da Cunha. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MARROU, H. I. Saint Augustin et l’augustinisme, [s.l.] Maîtres spirituels, 1995.

SCOTT, D. Platonic anamnesis revisited. In: The Classical Quarterly 37 (ii) 346-366 (1987).

STREFLING, S. R. Os sete graus de atividade da alma humana no De quantitate animae de santo Agostinho.Trans/Form/Ação, Marília, v.37, n.3, p.179-200, Set./Dez., 2014.

Publicado
2020-06-07
Como Citar
Daniel Rodrigues da Costa. (2020). A teoria da reminiscência em Agostinho: apropriação e crítica. Aufklärung: Revista De Filosofia, 7(1), p.151-162. https://doi.org/10.18012/arf.v7i1.43911