Será o pós-capitalismo contemporâneo um novo situacionismo?

Palavras-chave: Capitalismo; fordismo; pós-capitalismo; pós-fordismo; situacionismo

Resumo

Aparentemente, é neo-situacionista o movimento pós-capitalista. Com vista à prova desta afirmação, aduz-se, em suma, o que os media dizem ser a «economia de partilha». De facto, os pós-capitalistas propõem uma interpretação das novas tecnologias da informação e da comunicação que lhes permite postular que elas acarretam a possibilidade de organizar a produção de um modo descentralizado, ou seja, sem recurso à hierarquia. Deste ponto de vista, o desenvolvimento da produção colaborativa já não obedece às forças do mercado nem à gestão empresarial. Mas o que parece ser evidente não o é, porque, na sua essência, a base da economia de mercado mantém-se enquanto tal. Efectivamente, o sistema capitalista do nosso tempo, isto é, o pós-fordismo, apropria‑se da chamada «economia de partilha».

Palavras‑chave: Capitalismo, fordismo, pós-capitalismo, pós-fordismo e situacionismo.

Biografia do Autor

Eurico Carvalho, Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Eurico de Carvalho é, desde 1990, professor de Filosofia do Ensino Secundário, tendo adquirido os graus de Licenciado (1989), Mestre (2009) e Doutor (2018) na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. É também investigador do «Research Group Aesthetics, Politics and Knowledge» do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto, no quadro do qual tem desenvolvido e publicado o seu trabalho em torno do pensamento de Guy Debord.

Referências

AA.VV. [1958-1969] — Internacional Situacionista: Antologia. Trad. de Júlio Henriques. Lisboa: Antígona, 1997.

ANTUNES, Ricardo (1999) — Os Sentidos do Trabalho: Ensaio sobre a Afirmação e a Negação do Trabalho. Coimbra: Edições Almedina, 2013.

_______ (2007) — «Dez Teses e uma Hipótese sobre o Presente (e o Futuro) do Trabalho». In op. cit., pp. 253-268.

_______ (2009) — «A Economia Política das Lutas Sociais». In op. cit., pp. 281-288.

BADIOU, Alain (2009) — L’Hypothèse Communiste. Paris: Nouvelles Éditions Lignes.

BARTHES, Roland (1957) — Mitologias. Trad. e prefácio de José Augusto Seabra. Lisboa: Edições 70, 1984.

BAUDRILLARD, Jean (1976) — A Troca Simbólica e a Morte. 2 vols. Trad. de João Gama (rev. por Artur Morão). Lisboa: Edições 70, 1996/1997.

CHANG, Ha-Joon (2014) — Economia: Guia do Utilizador. Trad. de Luís Santos. Lisboa: Clube do Autor, 2016.

DEBORD, Guy (2006) — Œuvres. Ed. de Jean Louis Rançon (com a colaboração de Alice Debord). Paris: Gallimard, 2006.

FOUCAULT, Michel (2004) — Nascimento da Biopolítica. Trad. de Pedro Elói Duarte. Lisboa: Edições 70, 2010.

HAN, Byung Chul (2013) — No Enxame: Reflexões sobre o Digital. Trad. de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio d’Água, 2016.

_______ (2014) — Psicopolítica: Neoliberalismo e Novas Técnicas de Poder. Trad. de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio d’Água, 2015.

HARDT, Michael & NEGRI, Antonio (2000) — Império. Trad. de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Livros do Brasil, 2004.

_______ (2012) — Declaration. Allen, Texas: Argo Navis.

HAYEK, Friedrich (1944) — O Caminho para a Servidão. Trad. de Marcelino Amaral. Lisboa: Edições 70, 2014.

HORKHEIMER, Max (1947) — O Eclipse da Razão. Trad. de João Tiago Proença. Lisboa: Antígona, 2015.

HUIZINGA, Johan (1938) — Homo Ludens. Trad. de Eugenio Imaz. Madrid: Alianza, 2010.

JAPPE, Anselm (1998) — «Política do Espectáculo e Espectáculo da Política». In Uma Conspiração Permanente contra o Mundo: Reflexões sobre Guy Debord e os Situacionistas. Trad. de Jorge Lima Alves. Lisboa: Edições Antígona, 2014, pp. 13-39.

JORN, Asger (1958) — «Os Situacionistas e a Automatização». In Internacional Situacionista, op. cit., pp. 28-33.

KEYNES, John Maynard (1936) — Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Trad. de Manuel Resende. Lisboa: Relógio d’Água, 2010.

LUXEMBURGO, Rosa (1913) — The Accumulation of Capital. Trad. de Agnes Schwarzschild. Londres: Routledge & Kegan Paul, 1951.

MASON, Paul (2015) — Pós-capitalismo: um Guia para o Nosso Futuro. Trad. de Paulo Ramos. Lisboa: Objectiva, 2016.

POLANYI, Karl (1944) — A Grande Transformação: as Origens Políticas e Económicas do Nosso Tempo. Trad. de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Edições 70, 2012.

RIFKIN, Jeremy (2014) — A Sociedade do Custo Marginal Zero: a «Internet» das Coisas, a Comunidade dos Bens Comuns e o Eclipse do Capitalismo. Trad. de Sara M. Felício. Lisboa: Bertand Editora, 2016.

STANDING, Guy (2011) — O Precariado: a Nova Classe Perigosa. Trad. de Carlos Braga e Ana Maria Braga. Lisboa: Editorial Presença, 2014.

STREECK, Wolfgang (2013) — Tempo Comprado: a Crise Adiada do Capitalismo Democrático. Trad. de Marian Toldy e Teresa Toldy. Coimbra: Actual Editora, 2013.

VANEIGEM, Raoul (1967) — Traité de savoir-vivre à l’usage des jeunes générations. Paris: Gallimard, 1992.

Publicado
2020-06-07
Como Citar
Eurico Carvalho. (2020). Será o pós-capitalismo contemporâneo um novo situacionismo?. Aufklärung: Revista De Filosofia, 7(1), p.79-90. https://doi.org/10.18012/arf.v7i1.47236