A utopia concreta do homem cordial

  • Suzana Albornoz Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC
Palavras-chave: Princípio esperança, utopia, utopia concreta, paz social

Resumo

Este artigo trata da Utopia como conceito determinante e chave filosófica em Ernst Bloch. O Princípio esperança, obra principal do nosso autor, pode ser interpretado, de maneira geral, como uma fenomenologia das utopias. Nesse sentido, o artigo aborda conceitos como utopias médicas, da saúde; utopias sociais, da ordem e da liberdade, não deixando de abordar as utopias científicas, bem como as técnicas, da natureza e da vontade. Entre outras coisas, isto é o que trata o volume 2 desta obra, para ficarmos numa ilustração geral. Não menos interessante é a forma como são tratadas as utopias propriamente filosóficas, da busca da medida e do processo, no sentido em que a abordagem não se furta ao chão da experiência da luta social, da utopia do trabalho digno, que busca a paz, o tempo livre e o lazer, ou seja, uma utopia concreta.

Biografia do Autor

Suzana Albornoz, Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC
Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC, Brasil. Universidade Federal do Rio Grande, FURG, Brasil.

Referências

Albornoz, S. Ética e utopia (1985). Porto Alegre: Movimento/Edunisc, 2006.

Albornoz, S. O enigma da esperança. Petrópolis: Vozes, 1998.

Albornoz, S. O exemplo de Antígona. Porto Alegre: Movimento, 1999.

Albornoz, S. Violência ou não violência. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2000.

Albornoz, S. Trabalho e utopia na modernidade. Porto Alegre: Movimento/Nova Harmonia, 2011.

Albornoz, S. Política e vocação brasileira. Porto Alegre: Editora Fi, 2017.

Bloch, E. O princípio esperança (1959). Rio de Janeiro: Contraponto/EdUerj, V.1, 2005.

Holanda, S. B. Raízes do Brasil (1936). São Paulo: Cia Das Letras, 1995/Schwarcz, 2010.

Ribeiro, R.J. A pátria educadora em colapso. São Paulo: Três Estrelas, 2018.

Souza, J. A elite do atraso. Rio de Janeiro: Casa da Palavra/Leya, 2017.

Notas

Publicado
2019-08-22
Como Citar
Albornoz, S. (2019). A utopia concreta do homem cordial. Aufklärung: Revista De Filosofia, 6(2), p.121-130. https://doi.org/10.18012/arf.2016.47533