Toxicidade de espécies vegetais sobre Callosobruchus maculatus (Coleoptera: Bruchidae)

  • Antonia Mirian Nogueira de Moura Guerra Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra, Av. 23 de Agosto s/nº, Bairro Assunção, CEP: 47100-000, Barra – BA.
  • Lucas Barbosa dos Santos Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
  • Priscila Silva Santos Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
  • Deyse Silva dos Santos Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra

Resumo

A fim de encontrar meios menos tóxicos ao meio ambiente e a saúde humana, o uso de espécies vegetais tem despontado como uma alternativa eficiente no controle de pragas de grãos armazenados. O caruncho, Callosobruchus maculatus (F.), é uma das principais pragas do armazenamento de feijão-caupi (Vigna unguiculata L.). O objetivo com esse estudo foi avaliar a toxicidade de pós das espécies vegetais de Caesalpinia pyramidalis, Curcuma longa L., Origanum vulgare L. e Xylopia aromatica sobre a mortalidade C. maculatus. As unidades experimentais foram constituídas por placas de Petri (9,0 x 1,5 cm), com o fundo coberto por papel filtro contendo 0,5g de cada pó vegetal para 20g de grãos de feijão-caupi. Foram estimados os tempos letais para 10, 30, 50, 70 e 90% dos adultos do inseto. Utilizou-se 4 repetições. Em todas as espécies foi constatada mortalidade nas primeiras 6h de contato com os extratos, com maior expressão para C. longa. Após 24h de exposição foram contatadas mais de 60% de mortalidade acumulada para todas as espécies. O intervalo entre 19 e 25 horas, foi suficiente para provocar mortalidade de 60% da população conforme a espécie vegetal, e para ocasionar 90% de mortalidade foram necessárias entre 72 a 90 horas de exposição aos pós das diferentes espécies. O açafrão ocasionou 50% de mortalidade acumulada com 18h 36' de exposição, sendo a espécie mais eficiente no controle de adultos de C. maculatus, demonstrando a capacidade desta espécie para o desenvolvimento de produtos com fins inseticidas.

Biografia do Autor

Antonia Mirian Nogueira de Moura Guerra, Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra, Av. 23 de Agosto s/nº, Bairro Assunção, CEP: 47100-000, Barra – BA.
Profª Drª Adjunto CIV da Universidade Federal do Oeste da Bahia campus Barra Doutora em Fitotecnia, área de atuação manejo, tratos culturais e ecofisiologia de culturas anuais e perenes, e fisiologia pós-colheita de frutos e hortaliças
Lucas Barbosa dos Santos, Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
Discente da Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
Priscila Silva Santos, Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
Discente da Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
Deyse Silva dos Santos, Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
Discente da Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro Multidisciplinar Campus de Barra – UFOB/Barra
Publicado
2018-12-20
Seção
Agronomia