A era dos quadrinhos da forma: uma análise de Gavião Arqueiro, de Matt Fraction e David Aja

  • Guilherme Miorando

Resumo

Resumo: Este artigo discute o advento da era dos quadrinhos da forma, emque a leitura das obras através do layout da página ganha proeminência naconstrução da narrativa, guiada pela forma do grid. Busca esclarecer processosmuitas vezes intuitivos dos produtores de arte sequencial e levantaralgumas questões sobre soluções aprendidas, repetidas e automatizadasna produção de uma revista em quadrinhos. Parte das possibilidades defortalecimento dos quadrinhos em seu suporte mais antigo: o papel. Apesarde grande competição, este suporte continua em evidência. Por arcaicoque seja, a leitura em papel permite uma experiência única. Através dele,o leitor tem maior controle sobre o ritmo da história e da leitura. Esse ritmoé trabalhado em muitos quadrinhos, que jogam com seu design comosão produzidos, em especial no layout de página. Apresenta-se aqui comoos estudos da História da Arte e do Design podem ajudar um quadrinistaa compor o layout das páginas dos seus quadrinhos. Argumenta-se que,para tanto, é preciso entender como se dá a leitura e a compreensão daspalavras e imagens. Isso envolve observar os processos necessários para que a página de um quadrinho seja processada na nossa mente. Essa operaçãopermite explorar a maneira pela qual o quadrinista dialoga com opúblico de sua produção artística, guiando a leitura através do layout dapágina. O caso a ser analisado aqui são as edições 6 e 11 da revista GaviãoArqueiro, que apresentaram algumas características que tangenciam estaanálise, com ênfase para o uso da construção e desconstrução do grid.Palavras-chave: Histórias em Quadrinhos; Estruturas narrativas; Layoutda página
Publicado
2019-05-15
Seção
Artigos