Bibliotecas universitárias brasileiras e seus serviços on-line

Resumo

Esta pesquisa tem por objetivo analisar os serviços on-line oferecidos nos sites das bibliotecas das 50 universidades brasileiras melhor posicionadas no ranking internacional Webometrics. Trata-se de uma pesquisa qualitativa e exploratória, na qual foram levantados e caracterizados os serviços on-line que são oferecidos aos usuários destas bibliotecas. Os sites e os serviços foram analisados em relação às seguintes dimensões: domínio das bibliotecas, identidade do site da biblioteca, bases de dados, catálogos e sistemas, repositórios, notícias e blogs, redes sociais, formas de contato, gestores de referência on-line, disponibilidade de serviços de disseminação. Dentre os resultados, destacam-se: a grande maioria das bibliotecas pesquisadas pertence às universidades públicas; quase todas possuem site com identidade visual própria; pouco mais da metade disponibiliza a consulta em seu catálogo por meio do sistema Pergamum; aproximadamente a metade das bibliotecas utiliza as mídias sociais Twitter e Facebook. Por fim, com base nas características encontradas, recomenda-se que as bibliotecas adotem tecnologias e ferramentas que não demandam grandes investimentos e que podem aumentar o conjunto dos serviços on-line oferecidos, além de incrementar a interação com usuários.

Referências

BAWDEN, D.; ROWLANDS, I. Digital libraries: assumptions and concepts. Libri, v. 49, n. 4, p. 181–191, 1999. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.110.6580&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em: 10 mai. 2016.

BUCKLAND, M. Redesigning library services: A manifesto. American Library Association, v. 19, 1992. Disponível em: <http://digitalassets.lib.berkeley.edu/sunsite/Redesigning%20Library%20Services_%20A%20Manifesto%20(HTML).pdf>. Acesso em: 5 mai. 2016.

CASTELLS, M. La dimensión cultural de Internet. Andalucía Educativa, n. 36, p. 7–10, 2003. Disponível em: <http://www.juntadeandalucia.es/averroes/mochiladigital/didactica/Castells_dimension_cultural_internet.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2016.

CROW, R. The Case for Institutional Repositories: A SPARC Position Paper. ARL Bimonthly Report, n. 223, 2002. Disponível em: <http://sparcopen.org/wp-content/uploads/2016/01/instrepo.pdf>. Acesso em 20 mai. 2016.

CUNHA, M. B. DA. Construindo o futuro: a biblioteca universitária brasileira em 2010. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p. 71–89, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n1/v29n1a8.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2016.

CUNHA, M. B. DA. A biblioteca universitária na encruzilhada. DataGramaZero, v. 11, n. 6, 2010.

KORTEKAAS, S. Thinking the unthinkable: a library without a catalogue: Reconsidering the future of discovery tools for Utrecht University library, 2012. Disponível em: <http://libereurope.eu/blog/2012/09/04/thinking-the-unthinkable-a-library-without-a-catalogue-reconsidering-the-future-of-discovery-tools-for-utrecht-university-library/>. Acesso em: 12 mai. 2016.

LYNCH, C. A. Institutional Repositories: Essential Infrastructure For Scholarship In The Digital Age. portal: Libraries and the Academy, v. 3, n. 2, p. 327–336, 2003. Disponível em: <https://cni.org/wp-content/uploads/2003/02/arl-br-226-Lynch-IRs-2003.pdf>. Acesso em: 21 mai. 2016.

MARCONDES, C. H.; MENDONÇA, M. A.; CARVALHO, S. M. Serviços via Web em bibliotecas universitárias brasileiras. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 11, n. 2, p. 174–186, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pci/v11n2/v11n2a03.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2016.

NARDI, B. A. et al. Why we blog. Communications of the ACM, v. 47, n. 12, p. 41–46, 2004. Disponível em: <http://www.artifex.org/~bonnie/pdf/Nardi_why_we_blog.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2016.

ORDUÑA-MALEA, E. Visibilidad de los repositorios institucionales argentinos en la Web: indicadores y buenas prácticas. In: Fushimi, M., ed. y comp. (2011). Actas del Segundo Taller de Indicadores de Evaluación de Bibliotecas TIEB2. La Plata: UNLP. FaHCE. En Memoria Académica. Disponível em: <http://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/libros/pm.306/pm.306.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2016.

SNBP. Tipos de Bibliotecas, [2010?]. Disponível em: <http://snbp.culturadigital.br/tipos-de-bibliotecas/>. Acesso em: 13 mai. 2016.

SOARES, M. DAS G. Serviços de referência digital em bibliotecas universitárias: o caso do serviço de referência da divisão de biblioteca e documentação da PUC-Rio. UnB, Brasília, 2009. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/5471/1/2009%20Maria%20das%20Gra%C3%A7as%20Soares.pdf>. Acesso em: 12 mai. 2016.

STEPHENS, M. História das comunicações: do tantã ao satélite. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993.

TRAMULLAS, J. Propuestas de concepto y definición de la biblioteca digital. In: JORNADAS DE BIBLIOTECAS DIGITALES (JBIDI’02), 3., 18-19 de Noviembre de 2002, El Escorial (Madrid). P. 11–20.

WEBOMETRICS. Metodología, [2006?]. Disponível em:

<http://www.webometrics.info/es/metodologia>. Acesso em: 12 mai. 2016.

Publicado
2018-06-05