UM TERRITÓRIO ARTÍSTICO EM NO MAN’S LAND: o teatro universitário de prática amadora

  • Alain Chevalier Université de Liège
Palavras-chave: teatro universitário de prática amadora, Théâtre Universitaire Royal de Liège, campo bourdieusiano

Resumo

Se seguimos a teoria dos campos, conforme Pierre Bourdieu, o teatro universitário de prática amadora se apresenta como atividade híbrida e heteronômica, não se inscrevendo plenamente nem no campo acadêmico nem no campo artístico. Com base nisto, constatando um território na produção intitulada No man’s land, o artigo retraça as principais linhas da história da trupe belga do Théâtre Universitaire Royal de Liège (TURLg) a partir da década de 1930 até nossos dias, buscando analisar a inscrição social desta trupe universitária emblemática colocando-a em paralelo com a história dos dois campos em questão.
Publicado
2017-12-29
Como Citar
CHEVALIER, A. UM TERRITÓRIO ARTÍSTICO EM NO MAN’S LAND: o teatro universitário de prática amadora. MORINGA - Artes do Espetáculo, v. 8, n. 2, 29 dez. 2017.
Seção
Cena e Formação