AFECTOS EM PERFORMANCE

DO ENCONTRO ÍNTIMO AO ESPAÇO PÚBLICO

  • Ana Pais

Resumo

A performance, o teatro e a dança são lugares privilegiados para pensar os afectos e as suas particulares performatividades, isto é, o que (nos) fazem. Ao reforçar ou subverter as condições políticas, sociais e culturais do encontro na presença, eles podem mostrar outras formas de pensar a vida comum, afecto público e a autonomia do sujeito. Neste texto, abordarei o papel dos afectos no trabalho das seguintes artistas contemporâneas: Raquel André (Coleção de Amantes), Cláudia Müller (Dança Contemporânea em Domicílio) e Eleonora Fabião (Ações Cariocas). A partir de modelos de circulação de afecto, como o de Teresa Brennan, em The Transmission of Affect (2004), procurarei pensar como estas três criadoras configuram o encontro efêmero, dando especial atenção ao tipo de relação para o qual o espectador é convidado.
Publicado
2019-12-16
Como Citar
ANA PAIS. AFECTOS EM PERFORMANCE. MORINGA - Artes do Espetáculo, v. 10, n. 2, 16 dez. 2019.
Seção
Epistemologia da cena