GESTÃO ESTRATÉGICA DE COOPERAÇÕES EM UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR À LUZ DAS PERSPECTIVAS DO BALANCED SCORECARD

  • Danilo Monteiro Gomes Universidade Federal da Paraíba
  • Rita de Cassia de Faria Pereira
Palavras-chave: Balanced Scorecard. Cooperações. Gestão Estratégica.

Resumo

O relacionamento entre organizações surge da necessidade de melhorar o processo produtivo, incrementando-o por meio da inovação proveniente da atuação conjunta dos parceiros. Dado o volume e a rapidez com que as cooperações são celebradas, muitas organizações, em especial as do setor público, acabam por desconsiderar a possibilidade de encontrar um posicionamento estratégico para o processo de formalização de convênios e parcerias. A pesquisa usa a ferramenta Balanced Scorecard – BSC (KAPLAN; NORTON, 2000) na caracterização de múltiplos projetos desenvolvidos em uma Instituição Federal de Ensino Superior (IFES). Os resultados evidenciam tendências de interesse por temas ligados ao ensino, pesquisa e extensão, atividades fins, e consequente desconsideração de objetivos estratégicos com maior capacidade de promover o desenvolvimento organizacional.

Referências

BAÊTA, A. M. C.; CHAMAS, C. I. Cooperação: elementos para uma estratégia competitiva. Revista de Administração Pública, v. 29, n. 3, p. 246-255, 1995. Disponível em:

<http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/8209/7008>. Acesso em: 03 abr. 2012.

BANDEIRA DE MELLO, C. A. Curso de Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2005.

BSCI, The Balance Scorecard Institute. (2002). The Balance Scorecard and Knowledge Management: The Balance Scorecard and Related Practices. Disponível em: <http://www.balancedscorecard.org/BSCKnowledgeManagement/tabid/131/Default.aspx.>. Acesso em: 08 maio 2012.

CARVALHO, C. H. A. de. Política para o ensino superior no Brasil (1995-2006): ruptura e continuidade nas relações entre público e privado. In: REUNIÃO DA ANPED- GT: POLÍTICA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR, 29, 2006, Caxambu, MG. Anais... Disponível em: <http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT11-2337--Int.pdf>. Acesso em: 01 maio 2013.

CERTO, S. C. Administração moderna. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

COLLINS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DI PIETRO, M. S. Z. Parcerias na administração pública: concessão, permissão, franquia, terceirização, parceria público-privada e outras formas. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

DORWEILER, V. P.; YAKHOU, M. Scorecard for academic administration performance on the campus. Managerial Auditing Journal, v. 20, n.2, p. 138-144, 2005. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1108/02686900510574557>. Acesso em: 04 dez. 2012.

GHELMAN, S. Adaptando o balanced scorecard aos preceitos da nova gestão pública. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal Fluminense - UFF, 2006. Disponível em: <http://www.bdtd.ndc.uff.br/ tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1666>. Acesso em: 11 maio 2012.

Gray, D. E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

KEELLING, R. Gestão de projetos: uma abordagem global. São Paulo: Saraiva, 2006.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Organização orientada para estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

MEYER JR., V. Planejamento universitário: ato racional, político ou simbólico: um estudo de universidades brasileiras. Revista Alcance, v. 12, n. 3, p. 373-390, 2005.

MILES, R. E.; SNOW, C. C. Organizational strategy, structure and process. New York: McGraw-Hill, 1978.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PARK, S. H.; UNGSON, G. R. Interfirm rivalry and managerial complexity: a conceptual framework of alliance failure. Organization science, v. 12, n. 1, p. 37-53, 2001.

PEREIRA, M. F. et al. Transferência de conhecimentos científicos e tecnológicos da universidade para o segmento empresarial. Revista de Administração e Inovação - RAI, v. 6 n.3, p. 128-144, 2009. Disponível em:

< http://www.revistarai.org/rai/article/view/406/246>. Acesso em: 19 mar. 2013.

PEREIRA, R. C. F.; BELLINI, C. G. P. As redes como tecnologia de apoio à gestão do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha (Org.). Organizações do conhecimento. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. Cap. 10.

PRESTES, E. M. T., JEZINE, E.; SCOCUGLIA, A. C. Democratização do ensino superior brasileiro: o caso da Universidade Federal da Paraíba. Revista Lusófona de Educação, n. 21, 2012.

REZENDE, J. F. Balanced scorecard e a gestão do capital intelectual: alcançando a performance balanceada na economia do conhecimento. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

RING, P. S.; VAN DE VEN, A. H. Developmental processes of cooperative interorganizational relationships. Academy of Management Review, v. 19, n. 1, p. 90-118, 1994. Disponível em: <ftp://ftp.cba.uri.edu/classes/Archive/long/backup/Laura%20Articles/ Laura_OCR_articles/Ring_1994_01.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2012.

SILVA, R. F. P. B. O balanced scorecard aplicado à administração pública: um modelo aplicável a uma Instituição de Ensino Superior. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Porto, Porto, 2009. Disponível em: Acesso em: 04 dez. 2012.

TACHIZAWA, T.; ANDRADE, R. O. B. Gestão de instituições de ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

Publicado
2016-08-08
Seção
Relatos de Pesquisa