GESTÃO ESPORTIVA VOLUNTÁRIA E GESTÃO ESPORTIVA REMUNERADA: ANÁLISE DE CONFLITOS ADMINISTRATIVOS QUE IMPACTAM NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS

Autores

  • João Gurgel Campos Universidade Nove de Julho
  • Vânia Maria Jorge Nassif Universidade Nove de Julho

DOI:

https://doi.org/10.23179/g&a.v6i1.33305

Palavras-chave:

Associações Desportivas Classistas, Conflitos Administrativos, Gestão Esportiva.

Resumo

As Associações Desportivas Classistas (ADCs) são modelos tradicionais de clubes esportivos sociais que visam os interesses dos seus associados. Estas organizações possuem um modelo diferenciado administrativo composto por gestores esportivos estatutários voluntários (presidente, diretores e conselheiros), e gestores esportivos remunerados (gerentes, supervisores, coordenadores e líderes, entre outros). Esta pesquisa pretende analisar o perfil dos gestores de ADCs, e indicar se existem conflitos entre os grupos administrativos que interferem no desempenho organizacional da associação. Os resultados apresentam os clubes como um ambiente extremamente conflitante entre os seus gestores, e que essas situações influenciam o desempenho das ADCs. Como contribuições, este estudo buscou colaborar com o desenvolvimento do tema e melhorar o desempenho administrativo das associações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Gurgel Campos, Universidade Nove de Julho

Mestre em Administração com ênfase na gestão esportiva. Profissionalmente atuante como gestor esportivo de clubes.

Vânia Maria Jorge Nassif, Universidade Nove de Julho

Livre Docência: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto – USP.

Pós-Doutorado: Fundação Getúlio Vargas – São Paulo.

Doutorado: Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Mestrado: Universidade de Ribeirão Preto .


Referências

ABCD MAIOR. Clubes de montadoras inovam para sobreviver. 2007. Publicado em: 26/10/2007. http://www.abcdmaior.com.br/noticia_imprimir.php?noticia=4126. Acesso em: 10/03/2014.

BARCELONA, B., & Ross, C. M. An analysis of the perceived competencies of recreational sport administrators. Journal of Park and Recreation Administration, 2004,22(4).

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, 17(1), 99-120, 1991.

BARROS, J. A. F. & Mazzei, L. C. Gestão de Clubes Esportivos. Gestão do esporte no Brasil: Desafios e perspectivas, 91-118, 2012.

BARROS FILHO, M. A. et al. Perfil do gestor esportivo brasileiro: uma revisão de literatura. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva, 3, 44-52, 2013.

BOHNENBERGER, S. & Schmidt, M. Perfil Empreendedor e Desempenho Organizacional. Revista de Administração Contemporânea, 13(3) 2009.

BROWN, W. A. Exploring the association between board and organizational performance in nonprofit organizations. Nonprofit Management and Leadership, 15(3), 317-339, 2005.

CARVALHO, J. M. O desempenho nas organizações sem fins lucrativos. Maia, Instituto Superior da Maia, 2008.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. In: Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. Artmed, 2010.

DA ROCHA, C. M.; DA CUNHA BASTOS, F. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 25 (spe), 91-103, 2011.

EKSTEEN, E.; MALAN, D. D. J.; LOTRIET, R. Management competencies of sport club managers in the North-West Province, South Africa. African Journal for Physical Health Education, Recreation and Dance,19 (4_1), 928-936, 2013.

FERKINS, L.; SHILBURY, D.; MCDONALD, G. The role of the board in building strategic capability: Towards an integrated model of sport governance research. Sport Management Review, 8(3), 195-225, 2005.

FERKINS, L.; SHILBURY, D.; MCDONALD, G. Board involvement in strategy: Advancing the governance of sport organizations. Journal of sport management, 23(3), 245-277.2009.

FILION, L. J. Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 34(2), 1999.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa: Coleção Pesquisa qualitativa. Bookman, 2009.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos: coleção pesquisa qualitativa. Bookman, 2009.

GOMES, M. Á. F. Estratégia de desenvolvimento do associativismo desportivo: Uma proposta para a quantificação do índice de satisfação dos praticantes, 2001.

HERMAN, R. D.; RENZ, D. O. Multiple constituencies and the social construction of nonprofit organization effectiveness. Nonprofit and voluntary sector quarterly, 26(2), 185-206, 1997.

HORCH, H. D.; CHÜTTE, N. Competencies of sport managers in German sport clubs and sport federations. Managing Leisure, 8(2), 70-84, 2003.

LIBARDI, R. Administração e Gerenciamento Esportivo. In: CICLO DE PALESTRAS SINDI-CLUBE MÓDULO1, APOSTILA. São Paulo, 1999.

____________. Organização e Funcionamento de Áreas Esportivas. São Paulo, Universidade Sindi-Clube, 2004.

KONG, E.; PRIOR, D. An intellectual capital perspective of competitive advantage in nonprofit organizations. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector Marketing, 13(2), 119-128, 2008.

KOTLER, P. K. K. Administração de Marketing. 12ª Edição, 2012.

MAZO, J.; GAYA, A. As associações desportivas em Porto Alegre, Brasil: espaço de representação da identidade cultural teuto-brasileira. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, 6 (2), 205-213, 2006.

MELO NETO, F. P. D. Administração e marketing de clubes esportivos. Rio de Janeiro: Sprint, 1998.

MINTZBERG, H. An emerging strategy of "direct" research Administrative science quarterly, 582-589, 1979.

MINTZBERG, H. The structuring of organizations: A synthesis of the research. University of Illinois at Urbana-Champaign's Academy for Entrepreneurial Leadership Historical Research Reference in Entrepreneurship, 1979.

NOLASCO, V. P.; BITENCOURT, V.; PAOLI, P. B.; GOMES, E.; & CASTRO, M. Administração/gestão esportiva. Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF, 2006.

PARKHOUSE, B. L.; & ULRICH, D. O. Sport management as a potential cross-discipline: A paradigm for theoretical development, scientific inquiry, and professional application. Quest, 31 (2), 264-276, 1979.

PEREIRA, L. G. D. F.; & PEREIRA, J. L. Entendendo a Crise Econômica Mundial. Cadernos ZygmuntBauman, 3(6), 2013.

PIMENTEL, G. G. Atividades Físicas na empresa. Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Sharpe, 2005.

PONDY, L. R. Organizational conflict: Concepts and models Administrative science quarterly, 296-320, 1967.

SEIPPEL, Volunteers and professionals in Norwegian sport organizations. Voluntas: international journal of voluntary and nonprofit organizations, 13(3), 253-270, 2002.

SHILBURY, D. Competition: The heart and soul of sport management. Journal of sport management, 26(1), 1-10, 2011.

SLACK, T.; & PARENT, M. M. Understanding sport organizations: The application of organization theory. Human Kinetics, 2006.

SNITKO, L. T.; GASHO, I. A.; & KLINDUHOVA, O. A. Competence-oriented Approach to the Organization’s Human Resources Management in the Turbulent Environment. Asian Social Science, 11(8), p.65, 2015.

SOARES, J. Conflitos de Interesses entre o Gestor do Desporto e o Diretor Voluntário nas Associações Desportivas. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva, 3, 1-9, 2013.

THOMAS, K. W. Conflict and conflict management: Reflections and update. Journal of organizational behavior, 13(3), 265-274, 1992.

THIBAULT, L.; SLACK, T.; & HININGS, B. Professionalism, structures and systems: The impact of professional staff on voluntary sport organizations. International review for the sociology of sport, 26(2), 83-98, 1991.

THIBAULT, L.; SLACK, T.; & HININGS, B. Strategic planning for nonprofit sport organizations: Empirical verification of a framework. Journal of Sport Management, 8(3), 218-233, 1994.

VALENTE, E. F.; & ALMEIDA FILHO, J. M. História da Educação Física, Esporte, Dança e Lazer, 2006. http://www.atlasesportebrasil.org.br/textos/297.pdf. Acesso em: 28/09/2006.

Downloads

Publicado

2017-06-07

Edição

Seção

Artigos de Revisão