O TEMPO SAGRADO DA FESTA PROFANA: REFLEXÕES SOBRE A FESTA DAS NEVES NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

  • Isaac Coriolano da Silva
  • Anieres Barbosa da Silva

Resumo

As festas, de modo geral, fazem parte da cultura dos mais diversos povos. Desde os primórdios, o homem gravou no seu calendário anual àqueles dias dedicados ao tempo de agradecer, de comemorar e de celebrar os acontecimentos que se tornaram importantes, os quais devem ser lembrados ritualisticamente. Estabeleceu-se, desta forma, as datas festivas, seguindo princípios particulares. Nota-se, no entanto, que no período das grandes migrações regionais e extracontinentais, sobretudo com as grandes navegações do século XV, com o colonialismo/imperialismo e com o processo de globalização, determinados rituais e festividades passaram a fazer parte de outras sociedades, ainda que de forma inexpressiva. À luz destes fatos, colocamos em evidência neste artigo reflexões sobre a tradicional Festa das Neves; refletindo-a enquanto manifestação religiosa e fruto de um legado cultural para a cidade de João Pessoa-PB. Essa Festa, apesar de ser uma manifestação pública, denota o poder e o prestígio da Igreja Católica no passado, de modo que, atravessando os séculos, o tempo “sagrado” e a festa “profana” tornam-se presentes no cotidiano da cidade.

Biografia do Autor

Anieres Barbosa da Silva
Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal da Paraíba (1989), especialização em Geografia e Gestão Territorial pela Universidade Federal da Paraíba (1992), mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (1995) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2006). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Geociências da Universidade Federal da Paraíba e professor dos Programas de Pós-graduação em Geografia das Universidades Federais do Rio Grande do Norte e da Paraíba. É vice-coordenador do Grupo de Pesquisa Território, Trabalho e Cidadania (GESTAR/UFPB) e membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Urbanos e Regionais (GPEUR/UFRN)
Publicado
2013-06-11
Seção
Artigos