A REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE E OS DESAFIOS DO PLANEJAMENTO URBANO FRENTE À CRISE AMBIENTAL CONTEMPORÂNEA

  • Otávio Augusto Alves dos Santos Instituto Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Crise ambiental, planejamento urbano, Recife

Resumo

O trabalho em tela procura versar sobre os problemas sociais e ambientais decorrentes da urbanização. Acreditamos que os principais problemas ambientais das grandes cidades, sobretudo das metrópoles de países subdesenvolvidos, não advém de cataclismos naturais, nem de mudanças ambientais de escala global, mas, antes de qualquer coisa, do modelo hegemônico de urbanização. A Região Metropolitana do Recife, por exemplo, possui profundos quadros de degradação ambiental, quase todos decorrentes do modelo de urbanização em curso e do fracasso do planejamento urbano em solucionar problemas sociais e ambientais. Os quadros de degradação ambiental permanecem, em grande medida, porque a população da região ainda sustenta um modelo de organização e de desenvolvimento extremamente insustentável, que não busca se adequar ou ao menos respeitar os ritmos e as especificidades da natureza local.

Biografia do Autor

Otávio Augusto Alves dos Santos, Instituto Federal de Pernambuco
Graduado em Geografia (2010), Mestre em Desenvolvimento Urbano (2013) e Doutorando em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente é professor da rede particular de ensino superior e do Instituto Federal de Pernambuco. Além disso é pesquisador junto ao grupo de pesquisas Movimentos Sociais e Espaço Urbano (MSEU/UFPE). Desenvolve pesquisas nas áreas de Planejamento Urbano e Regional, com ênfase nos temas: Urbanização, Meio Ambiente e Movimentos Sociais.
Publicado
2014-03-09
Seção
Tópicos OKARA