VULNERABILIDADES, SEMI-ARIDEZ E DESERTIFICAÇÃO: CENÁRIOS DE RISCOS NO CARIRI PARAIBANO

  • Ridelson Farias de Sousa
  • Maria de Fátima Fernandes
  • Marx Prestes Barbosa
Palavras-chave: degradação das terras, recursos hídricos, sensores orbitais

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo estudar as causas e conseqüências do processo de desertificação em municípios do Cariri paraibano, levando em consideração o índice de aridez e as vulnerabilidades socioeconômicas e ambientais. Para isso tomou-se como base os municípios de Cabaceiras e São João do Cariri, com áreas respectivas de 405,40 km2 e 697,60 km2, ambos inseridos na Microrregião Homogênea dos Cariris Velhos, semi-árido paraibano. A pesquisa baseou-se na utilização de dados bibliográficos, produtos de sensores orbitais (TM/LANDSAT-5), cartas planialtimétricas da SUDENE, dados das séries pluviométricas da SUDENE e da AESA, dados de evapotranspiração potencial da EMBRAPA, trabalhos de campo e na aplicação de questionários às famílias rurais. Os resultados mostraram que os municípios têm altos índices de vulnerabilidades social, econômica, tecnológica e à seca, revelando que as áreas possuem uma vulnerabilidade global muito alta. Além do mais, os baixos e irregulares regimes pluviométricos e a elevada evaporação (alta aridez), associados ao mau uso das terras comprometem a sustentabilidade do bioma caatinga e inviabilizam a exploração agropecuária. A desertificação (degradação das terras) severa proveniente de atividades humanas – retirada da cobertura vegetal e queimadas, para implantação de agricultura de subsistência e formação de pastagens para a prática pecuarista - está relacionada com as vulnerabilidades, sendo os principais impactos a perda da fertilidade dos solos por toda extensão territorial. Essas práticas são responsáveis pelo aparecimento das erosões, que desencadeiam o processo de desertificação em estágio severo, os assoreamentos dos recursos hídricos, além do êxodo rural.
Publicado
2010-04-25