A SERPENTE FORA DO OVO: a frente do agronegócio e o supremacismo ruralista

  • Alceu Luís Castilho

Resumo

Este artigo visa identificar um novo momento na atuação da bancada ruralista, em Brasília, em um contexto de refluxo da democracia no Brasil. O papel de representar o agronegócio ganhou contornos recentes com a influência decisiva na derrubada de uma presidente eleita e na manutenção do presidente Michel Temer no poder. A essa atuação correspondeu uma ofensiva – supremacista – contra os povos do campo, seja pela afirmação de um discurso de superioridade (em relação a indígenas e quilombolas), seja pela criminalização de movimentos sociais e de seus defensores, seja pela expansão territorial. A distribuição regional dos componentes da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) indica que esse supremacismo tem boa parte de sua força nos representantes políticos do sul do país – mesmo que eles tenham migrado, como empresários e fazendeiros, para as regiões Norte e Centro-Oeste.
Publicado
2018-08-12