CLASSES MÉDIAS E MANIFESTAÇÕES PRÓ-IMPEACHMENT NA CIDADE DE SÃO PAULO: uma análise dos movimentos e manifestantes

Autores

  • Gustavo Casasanta Firmino Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2017v1n47.30466

Resumo

No presente artigo,realizamos uma análise combinada do perfil dos dois principais movimentos que organizaram os atos em favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o Vem Pra Rua e o Movimento Brasil Livre,e do público que compareceu às manifestações convocadas por essas organizações,na cidade de São Paulo. Desenvolvemos ao longo do texto a ideia de que as manifestações contaram, primordialmente, com um público proveniente das classes médias, em especial da alta classe média, o que pode ser atestado, além de outros fatores, pela marcante prevalência de uma ideologia de tipo meritocrática entre os manifestantes. Levantamos ainda alguns elementos– de ordem econômica, política e ideológica – concernentes ao ciclo dos governos petistas, capazes de explicar a forte rejeição a esses governos entre a alta classe média. Palavras-chave: Manifestações pró-impeachment. Alta classe média. Ideologia meritocrática. Crise do ciclo dos governos petistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Casasanta Firmino, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Possui graduação (licenciatura e bacharelado) em Ciências Sociais, especialização em Ensino de Sociologia e mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR). Atualmente, é doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Downloads

Publicado

07.03.2018

Como Citar

Casasanta Firmino, G. (2018). CLASSES MÉDIAS E MANIFESTAÇÕES PRÓ-IMPEACHMENT NA CIDADE DE SÃO PAULO: uma análise dos movimentos e manifestantes. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA &Amp; TRABALHO, 1(47), 209–227. https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2017v1n47.30466