METODOLOGIA ATIVA: POSSÍVEL INSTRUMENTO PARA UM ENSINO JURÍDICO VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL

Autores

  • Adelle Rojo Centro Universitário Eurípides de Marília (UNIVEM)
  • Raquel Cristina Ferraroni Sanches Centro Universitário Eurípides de Marília (UNIVEM)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1678-2593.2017v16n33.35669

Palavras-chave:

Ensino Jurídico, Metodologia Ativa, Inclusão Social, Estado Democrático de Direito.

Resumo

Um dos reflexos da crise do Direito revelada pela falta de superação do paradigma jurídico positivista de índole liberal individualista é a crise instalada nos cursos de Direito. Diante da necessidade de seu aperfeiçoamento com vistas à superação das influências positivistas, o presente trabalho busca tecer reflexões acerca da metodologia ativa partindo-se da hipótese de que, inserida nas faculdades de Direito, pode contribuir para a evolução do ensino. A pesquisa, de cunho qualitativo e exploratório, se desenvolveu com base no método hipotético-dedutivo e a partir de revisões bibliográficas a respeito do tema. Foi possível concluir que o enriquecimento didático dos cursos de Direito mediante metodologias ativas pode auxiliar o processo de inclusão social pelos futuros operadores do Direito, uma vez que, por meio delas os problemas sociais, econômicos, políticos e culturais que circundam as diversas questões da realidade tornam-se mais visíveis, favorecendo, assim, iniciativas e posturas que conduzam à sua superação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelle Rojo, Centro Universitário Eurípides de Marília (UNIVEM)

Mestranda em Teoria do Direito e do Estado pelo Centro Universitário Eurípides de Marília - UNIVEM (Bolsista CAPES/PROSUP), Instituição pela qual se graduou em Direito (2009). Especialista em Direito e Processo penal pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (2012). Advogada desde 2010. Membra da Comissão do Meio Ambiente - Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de São Paulo, 197ª Subseção. Membra do grupo de pesquisa DiFuSo - Direitos Fundamentais Sociais, cadastrado no CNPq. Atua no desenvolvimento de pesquisas acadêmicas relacionadas, principalmente, aos Direitos Humanos e Fundamentais, Execução Penal, Políticas Públicas, Sistema Carcerário e Constitucionalismo.

Raquel Cristina Ferraroni Sanches, Centro Universitário Eurípides de Marília (UNIVEM)

Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1992), Mestrado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998), Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007) e Pós-Doutorado em Democracia e Direitos Humanos pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (2016). Atualmente, é Coordenadora da Seção de Avaliação Institucional, Docente do Programa de Mestrado em Direito, Docente dos Cursos de Pós-Graduação lato sensu e stricto sensu e Pró-reitora de Graduação do Centro Universitário Eurípides de Marília - UNIVEM. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Avaliação Institucional e de Aprendizagem, atuando, também, nos seguintes temas: processos de aprendizagem, projetos pedagógicos, ensino jurídico e gestão acadêmica.

Referências

C. L. SILVA, Wilton. Direitos Humanos e Educação: desafios e oportunidades. Revista Em tempo, [S.l.], v. 2, mar. 2009. ISSN 1984-7858. Disponível em: <http://revista.univem.edu.br/emtempo/article/view/83>. Acesso em: 26 jun. 2017.

HENRIQUE, Luís Gustavo Augusto; MELLO, Patrícia Alencar Silva. O Desafio da Educação Libertadora: Uma experiência da busca pelo desenvolvimento do olhar. In: ORSINI, Adriana Goulart de Sena et al. (Org.). III Seminário Nacional sobre ensino jurídico e formação docente [livro eletrônico]. Belo Horizonte, MG: Relicário Edições, 2016. p. 111-122. Disponível em: <https://colgrad.ufmg.br/direito/direito/COLEGIADO-DIREITO/NOTICIAS/Ebook-do-III-Seminario-Nacional-sobre-Ensino-Juridico-e-Formacao-Docente>. Acesso em: 28 jun. 2017.

LEITE, Marcus Vinícius de Freitas Teixeira. Desafios para uma Educação de Autonomia e Criticidade: Matriz curricular e projeto pedagógico. In: ORSINI, Adriana Goulart de Sena et al. (Org.). III Seminário Nacional sobre ensino jurídico e formação docente [livro eletrônico]. Belo Horizonte, MG: Relicário Edições, 2016. p. 123-142. Disponível em: <https://colgrad.ufmg.br/direito/direito/COLEGIADO-DIREITO/NOTICIAS/Ebook-do-III-Seminario-Nacional-sobre-Ensino-Juridico-e-Formacao-Docente>. Acesso em: 28 jun. 2017.

MACHADO, Marta Rodriguez; CUNHA, Pedro; FURCOLIN, Felipe. Como cada um de nós era vários, já era muita gente: um relato de uma experiência coletiva em sala de aula. In: GHIRARDI, José Garcez; FEFERBAUM, Marina. (Org.). Direito em Debate. Reflexões a partir do 1º Seminário ensino jurídico e formação de docentes. São Paulo: Direito GV, 2013.

MASETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MENDES, Brahwlio Soares de Moura Ribeiro; FERES, Marcos Vinício Chein; SILVA, Alan Rossi. Incipiências Epistemológicas e Metodológicas: uma ciência do Direito em fundamento às associações civis por uma educação atenta ao artigo 205 da Constituição Federal. In: ORSINI, Adriana Goulart de Sena et al. (Org.). III Seminário Nacional sobre ensino jurídico e formação docente [livro eletrônico]. Belo Horizonte, MG: Relicário Edições, 2016. p. 51-79. Disponível em: <https://colgrad.ufmg.br/direito/direito/COLEGIADO-DIREITO/NOTICIAS/Ebook-do-III-Seminario-Nacional-sobre-Ensino-Juridico-e-Formacao-Docente>. Acesso em: 28 jun. 2017.

MÓRAN, José. Mudando a Educação com metodologias ativas. In: Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximação jovens. Vol. II. SOUZA, Carlos Alberto de; MORALES, Ofélia Elisa Torres (Org.). Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. Disponível em: <http://uepgfocafoto.wordpress.com>. Acesso em: 29 jun. 2017.

NEVES, Samara Tavares Agapto das. O ensino do direito e a matriz positivista. Revista Em tempo, [S.l.], v. 7, n. 7, mar. 2010. ISSN 1984-7858. Disponível em: <http://revista.univem.edu.br/emtempo/article/view/25>. Acesso em: 26 jun. 2017.

RIBEIRO, Raisa Duarte da Silva; SOUZA, Juliane dos Santos Ramos. A Questão do Ensino/Aprendizagem nos Cursos de Direito do Brasil sob a Perspectiva da relação Docente/Discente: ensaio sobre uma aula perfeita. In: ORSINI, Adriana Goulart de Sena et al. (Org.). III Seminário Nacional sobre ensino jurídico e formação docente [livro eletrônico]. Belo Horizonte, MG: Relicário Edições, 2016. p. 81-92. Disponível em: <https://colgrad.ufmg.br/direito/direito/COLEGIADO-DIREITO/NOTICIAS/Ebook-do-III-Seminario-Nacional-sobre-Ensino-Juridico-e-Formacao-Docente>. Acesso em: 28 jun. 2017.

RIO, Josué Justino do; SANCHES, Raquel Cristina Ferraroni. O Ensino Jurídico e a Efetivação do Projeto Pedagógico do Curso de Direito: para uma formação crítica e humanística. São Paulo: Editora Max Limonad, 2016.

SAITO, Michele Toshio. A Ética do Estudante de Direito. Revista Em tempo, [S.l.], v. 10, p. 65-84, dec. 2011. ISSN 1984-7858. Disponível em: <http://revista.univem.edu.br/emtempo/article/view/292>. Acesso em: 26 jun. 2017.

SANCHES, Raquel Cristina Ferraroni. Ensino Jurídico: demandas contemporâneas. In: MACHADO, Edinilson Donisete; PADILHA, Norma Sueli; NAHAS, Thereza Christina (Coord.). Gramática dos Direitos Fundamentais: a Constituição Federal de 1988 20 anos depois. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2010. p. 191-206.

SILVA, Carlos Roberto da; DIAS, Maria da Graça dos Santos. As Transformações Sociais e o Direito. Revista Eletrônica Direito e Política, Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI, Itajaí, v.4, n. 2, p. 166-186, 2º quadrimestre de 2009. Disponível em: <http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rdp/article/view/7225/4112>. Acesso em: 28 jun. 2017.

SILVA, Hélcio José. Por um ensino jurídico inclusivo: em diálogo com o pluralismo das

realidades sociais. Revista Argumenta, Jacarezinho, v. 16, p. 303-314, 2012. Disponível em: <http://seer.uenp.edu.br/index.php/argumenta/article/view/225/224>. Acesso em: 15 jun. 2017.

STRECK, Lênio Luiz. Ensino Jurídico e Pós-graduação no Brasil: das razões pelas quais o direito não é uma racionalidade instrumental. Revista Novos Estudos Jurídicos, Itajaí, v. 16, n. 1, p. 05-19, jan/abr. 2011. Disponível em: <http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/3266/2048>. Acesso em: 29 jun. 2017.

STRECK, Lênio Luiz. Hermenêutica e Ensino Jurídico em Terrae Brasilis. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, v. 46, n. 0, p. 25-50, 2007. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/direito/article/view/13495/9508>. Acesso em: 29 jun. 2017.

TOLEDO, Claudia Mansani Queda de. Breves considerações sobre a crise no ensino jurídico,

suas relações com o Estado democrático de direito e o substâncialismo. Revista Argumenta,

Jacarezinho, v. 16, p. 327-335, 2012. Disponível em: <http://seer.uenp.edu.br/index.php/argumenta/article/view/227/226>. Acesso em: 15 jun. 2017.

WOLKMER, Antônio Carlos. História do Direito no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2017-11-27

Como Citar

ROJO, A.; SANCHES, R. C. F. METODOLOGIA ATIVA: POSSÍVEL INSTRUMENTO PARA UM ENSINO JURÍDICO VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL. Prim Facie, [S. l.], v. 16, n. 33, p. 01–21, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.1678-2593.2017v16n33.35669. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/primafacie/article/view/35669. Acesso em: 28 maio. 2024.