Metodologias “líquidas”: combinando abordagens e métodos para avaliações de políticas públicas em TIC

  • Angela Maria Alves Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI
  • Giovanni Moura de Holanda Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI
Palavras-chave: Avaliação de políticas, metodologias, pensamento sistêmico, TIC

Resumo

Metodologias “líquidas”, em uma analogia com a metáfora da modernidade líquida criada por Zygmunt Bauman, encerram métodos especificamente elencados para avaliar de forma integral os impactos de uma política pública atuando em ambientes complexos, com reflexos diretos na sociedade. Sem se ater a estruturas rígidas, os métodos podem ser requisitados a compor uma dada abordagem analítica, previamente ou durante a avaliação, conforme a natureza da política, da tecnologia envolvida, das necessidades encontradas na avaliação em curso, e do contexto em que se insere. Com o propósito de somar esforços ao estudo de abordagens analíticas não ortodoxas, este artigo apresenta algumas reflexões subjacentes ao emprego de metodologias de avaliação especialmente voltadas a sistemas sócio-técnicos, multidisciplinares e complexos, tendo como ponto de partida a aplicação em políticas públicas de TIC – Tecnologias de Informação e Comunicação.

Biografia do Autor

Angela Maria Alves, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI
PhD em Tecnologia da Informação pela USP/POLI (2013) e Mestre em Qualidade pela Unicamp/Faculdade de Engenharia Mecânica (2002). Atualmente é pesquisadora do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI.
Giovanni Moura de Holanda, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI
Mestre em Engenharia Elétrica pela Unicamp (1992) e Engenheiro Eletricista pela UFPB (1983). Pesquisador e consultor sênior. Atualmente é pesquisador bolsista de Capacitação Institucional no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer – CTI

Referências

Alves-Mazzotti, A. J. & Gewandsznajder, F. (1998). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisas quantitativas e qualitativas. São Paulo: Ed. Pioneira.

AS/NZS – Standards Australia/Standards New Zeland (2004). AS/NZS 4360:2004 Risk Management. Sydney: AS.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida. Tradução Plínio A. Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Baudrillard, J. (1985). À sombra das maiorias silenciosas: o fim do social e o surgimento das massas. Tradução Suely Bastos. Brasília: Editora Brasiliense.

______ (1991). Simulacros e Simulação. Portugal: Editora Relógio d’água, 1991.

Bonadia, G. C., Holanda, G. M., & Martins, R. B. (2007). A dinâmica de sistemas aplicada à análise de difusão de TIC no mercado brasileiro. Cadernos CPqD Tecnologia, 3(1), p. 39-50.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: Por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. UNESP.

Castells, M. (2003). A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução Maria Luiza Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

CETIC.BR. (2013). Indicadores e estatísticas TIC para o desenvolvimento. Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. São Paulo. Retirado de: <http://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/NICbr_PORTUGUES-web.pdf>.

CETIC.BR. (2016). Panorama Setorial da Internet - Acesso à internet no Brasil: desafios para conectar toda a população. Universalização do acesso, Ano 8, nº 1. Retirado de: <http://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/6/Panorama_Setorial_11.pdf>.

Davenport, T. H. & Kim, J. (2014). Dados demais!:como desenvolver habilidade analíticas para resolver problemas complexos, reduzir riscos e decidir melhor. Tradução Afonso C. Cunha. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto Ed.

Forrester, J. (1971). Counterintuitive behavior of social systems. Technology Review.

______ (2009). Some basic concepts in System Dynamics. Sloan School of Management – MIT.

Foucault, M. (1988). Isto não é um cachimbo. Tradução Jorge Coli. Rio de Janeiro: Paz e terra.

Gadamer, H. (1999). Verdade e método. Tradução Flávio P. Meurer. Petrópolis: Ed. Vozes.

Gerolamo, G. P B., Franco, J. H. A., & Holanda, G. M. (2004). An Agent-Based Model for Evaluating the Deployment of Telecom Services in a Competitive Market. In: 5th Workshop on Agent-Based Simulation, Lisboa, 2004. Anais…, p. 87-92, 2004.

Giddens, A. (2009). A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Jackson, M. C. (2000). Systems approaches to management. New York: Kluwer Academic/Plenum.

Kirschbaum, C. (2013). Decisões entre pesquisas quali e quanti sob a perspectiva de mecanismos causais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(82), 2013.

McLuhan, M. (1964). Understanding media: the extensions of man. New York, Toronto, London: McGraw-Hill Book Company.

Mansell, R. & Tremblay, G. (2015). Renovando a visão das sociedades do conhecimento para a paz e o desenvolvimento sustentável. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Marques, E. & Faria, C. A. P. (Orgs.). (2013). A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo, Rio de Janeiro: Ed. Unesp, Ed. Fiocruz.

Menezes, E., Gerolamo, G. P. B., Holanda, G. M., & Loural, C. A. (2004). Metodologia para avaliação ex ante de políticas públicas voltadas à sociedade da informação. In: XXIII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Curitiba, 2004. Anais..., p. 305-320.

Morin, E. (1999). O Método 3: o conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina.

______ (2002). O Método 1: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina.

Neuman, W. L. (2006). Social research methods: qualitative and quantitative approaches. USA: Pearson Education.

Santos, L. G. (2003). Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio-técnico da informação digital e genética. São Paulo: Ed. 34.

Sterman, J. D. (2000). Business Dynamics: systems thinking and modeling for a complex world. Boston: McGraw Hill High Education.

Tassey, G. (2008). Modeling and Measuring the Economic Roles of Technology Infrastructure. Economics of Innovation and New Technology, 17(7).

Publicado
2017-01-30