Entendendo a Cooperação entre a União Europeia e o Brasil: duas décadas de ações conjuntas

  • Rosana Corrêa Tomazini Universidade Católica de Brasília
Palavras-chave: Cooperação Internacional para o Desenvolvimento, União Europeia, Organizações Internacionais

Resumo

O presente artigo tem como propósito oferecer um panorama geral da cooperação bilateral para o desenvolvimento entre a União Europeia (UE) e o Brasil, abarcando os dois últimos períodos orçamentários: 2002 – 2006; 2007 – 2013, bem como o novo período de 2014 a 2020, incluindo as linhas temáticas. Nota-se que, a partir deste último período, o Brasil deixa de usufruir de financiamento para a cooperação bilateral, no âmbito do Instrumento da Cooperação para o Desenvolvimento, uma vez que passou a ser considerado pela UE como país graduado. Nesse novo contexto, o Brasil se beneficia de um novo instrumento de cooperação, o Instrumento de Parceria, dando, contudo, continuidade a execução de outros programas de cooperação, como as linhas temáticas, por exemplo. O artigo, de caráter descritivo e analítico, tem como principal marco conceitual a cooperação internacional para o desenvolvimento, fazendo uso de documentos oficiais e artigos acadêmicos na área, bem como de entrevista realizada com representante da Delegação da UE no Brasil.

Biografia do Autor

Rosana Corrêa Tomazini, Universidade Católica de Brasília
Doutora em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (UnB). Coordenadora e Professora do Curso de Graduação em Relações Internacionais na Universidade Católica de Brasília (UCB). Responsável pelo Módulo da Cátedra Jean Monnet da UE, na UCB. Entre os anos de 2004 a 2014, trabalhou na Delegação da União Europeia no Brasil, assumindo em 2006 a função de assessira de projetos no setor de Desenvolvimento e Cooperação Internacional.

Referências

Alves, José L. (2001). Relações internacionais e temas sociais: a década das conferências. Brasília: IBRI.

Ayllón, B. (2006). O Sistema Internacional de Cooperação ao Desenvolvimento e seu estudo nas Relações Internacionais: a evolução e as dimensões teóricas. Revista de Economia & Relações Internacionais, São Paulo, v. 5, jan. 2006.

Costa, Olivier. (2017). A União Europeia e Sua Política Exterior. Brasília: FUNAG. Disponível em: <http://funag.gov.br/loja/download/1189-Uniao_europeia_e_sua_politica_exterior.pdf>.Acesso em: 20 set. 2017.

Degnbol-Martinussen, J.; Engberg-Pedersen, P. (2003). Aid understanding

international development cooperation. London; New York: Zed Books.

Europa. (2008). Delegação da União Europeia no Brasil. Livro Azul da Cooperação da União Europeia no Brasil, Brasília. Disponível em: <http://www.comunidadefb.com.br/web/pdf/livroazul2008.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2018.

_____. (2016). Delegação da União Europeia no Brasil. A Cooperação União Europeia-Brasil, Brasília.

European Commission. (2002). Brazil Country Strategy Paper 2001 – 2006, Brussels. Disponível em: <http://eeas.europa.eu/archives/docs/brazil/csp/02_06_en.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2017.

______. (2006). Brazil Country Strategy Paper 2007 – 2013, Brussels. Disponível em: <https://ec.europa.eu/europeaid/sites/devco/files/csp-brazil-2007-2013_en.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2017.

Guillemette, Leda Rouquayrol; Santiago, Herrero Villa. (2006). Guia sobre la Cooperación Unión Europea: América Latina 2006. França: Associacion Ceficale ley 1901.

Milani, Carlos R.S. (2014). Evolução Histórica da Cooperação Norte-Sul. In: SOUZA, André de Mello (Org.). Repensando a Cooperação Internacional para o Desenvolvimento. Brasília: IPEA, p. 33 – 56.

Souza, André de Mello. (2014). Repensando a Cooperação Internacional para o Desenvolvimento. In: ______. (Org.).Repensando a Cooperação Internacional para o Desenvolvimento. Brasília: IPEA, p. 11 - 29.

Tomazini, R.C. (2017a). Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e Cooperação Sul-Sul: uma análise comparativa de seus princípios e desafios de gestão. Carta Internacional, v. 12, n. 1, p. 28-48. Disponível em: <https://cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/632>. Acesso em: 09 jun. 2018.

Tomazini, R. C. (2017b). O envolvimento da sociedade civil na construção da agenda de direitos humanos da União Europeia com o Brasil. Conjuntura Austral, v. 8, n. 43, p. 53-68. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/ConjunturaAustral/article/view/73345>. Acesso em 09 jun. 2018.

União Europeia. (2006). O Consenso Europeu para o Desenvolvimento. Jornal Oficial da União Europeia, Bruxelas, C 46, 24 feb. 2006. Disponível em: <http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/HTML/?uri=LEGISSUM:r12544&from=PT>. Acesso em: 17 nov. 2017.

______. (2011). Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of Regions. Increasing the impact of the EU Development Policy: an Agenda for Change, Brussels. Disponível em: <http://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/PDF/?uri=CELEX%3A52011DC0637&qid=1412922281378&from=EN>.

Acesso em: 27 jan. 2018.

______. (2012). Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of Regions. The roots of democracy and sustainable development: Europe's engagement with Civil Society in external relations, Brussels. Disponível em:<https://webgate.ec.europa.eu/fpfis/mwikis/aidco/images/5/50/Com_492_en.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.

______. (2016). Visão partilhada, ação comum: uma Europa mais forte: estratégia global para a política externa e de segurança da União Europeia.Bruxelas, 2016. Disponível em:<https://europa.eu/globalstrategy/sites/globalstrategy/files/eugs_pt_version.pdf>. Acesso em: 10 out. 2017.

Verschaeve Joren; Takács Tamara. (2013). The EU’s international identity: the Curious Case of the OECD. In: Dewaele, H; Kuipers J-J(editor). The European Union’s international identity : views from the global arena. Netherlands: Martinus Nijhoff Publishers, p. 187–209.

Publicado
2018-07-31