A Economia Política Internacional e a Agenda Ambiental: como o tratado de cooperação amazônico está inserido na relação centro-periferia?

  • Murilo Mesquita Universidade Federal de Pernambuco
  • Monique de Medeiros Linhares Universidade Estadual da Paraíba
  • Bianca Mendes Araújo Universidade Federal da Paraíba
  • Luiza Bandeira de Mello Vasconcelos Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Economia Política Internacional, Meio Ambiente, Tratado de Cooperação Amazônica, Centro-Periferia.

Resumo

O tema do trabalho é a Economia Política Internacional (EPI) e a agenda ambiental por trás de regimes de cooperação. Tem a pergunta-problema: como o Tratado de Cooperação Amazônico (TCA) está inserido na relação centro e periferia? Seu objetivo geral é analisar o TCA na relação Centro-Periferia e seus objetivos específicos (i) apresentar a inserção da agenda ambiental nos estudos da EPI; (ii) identificar as relações centro-periferia na Política Ambiental Global; e (iii) examinar o Tratado de Cooperação Amazônico. No desenho de pesquisa o argumento central é: o TCA é uma resposta dos países amazônicos aos interesses do Centro. Usa-se uma metodologia qualitativa, com método de análise de conteúdo e do discurso. Ao fim é possível observar o TCA como uma resposta conjunta dos países da região amazônica contra os interesses do Centro.

Biografia do Autor

Murilo Mesquita, Universidade Federal de Pernambuco
Graduado em História pela Universidade Federal da Paraíba; Graduado e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba. Doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco
Monique de Medeiros Linhares, Universidade Estadual da Paraíba
Graduada em Relações Internacionais na Universidade Estadual da Paraíba
Bianca Mendes Araújo, Universidade Federal da Paraíba
Graduanda em Relações Internacionais na Universidade Federal da Paraíba
Luiza Bandeira de Mello Vasconcelos, Universidade Federal da Paraíba
Graduanda em Relações Internacionais na Universidade Federal da Paraíba

Referências

Antiquera, D. (2006). O Tratado De Cooperação Amazônica. In: A Amazônia e a Política Externa Brasileira: análise do Tratado de Cooperação Amazônico e sua transformação em Organização Internacional (1978-2002). Dissertação. Programa de Pós-Graduação San Tiago Dantas – IFCH - Unicamp.

Castro-Gómez, S. (2005). La Hybris del Punto Cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Editorial Pontifícia Universidad Javeriana.

Cervo, A. & Bueno, C. (2010). Meios e Resultados do Pragmatismo em Política Externa (1967-1979). In: História da Política Exterior do Brasil. Brasília: ed. UnB.

Chasek, P., Downie, D. & Brown, J. (2013). Global Environment Politics. Colorado: Westview Press.

Clapp, J. & Helleiner, E. (2012). International Political Economy and the Environment: back to the basics? International Affairs, nº 88, vol. 3, pp. 485–501. Disponível em: < https://doi.org/10.1111/j.1468-2346.2012.01085.x> Acesso em: 10 de jul de 2017.

Der Pijl, K. V. (2015). Global political economy and the separation of academic disciplines. In: Fouskas, V. The Politics of International Political Economy: a survey. Nova York: Routledge.

Harris, P.G. Introduction: delineating global environmental politics. (2014). In: Harris, P. (org). Routledge Handbook of Global Environments Politics. Londres e Nova York: Routledge.

Held, D. & Mcgrew, A. (2001). Conceituando Globalização. In: Prós e Contra da Globalização. Rio de Janeiro: Zahar.

Hunt, E.K; Lautsenheiser, M. (2013). História do Pensamento Econômico: uma perspectiva crítica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

Final Communiqué Of The Asian-African Conference (2009). Interventions: International Journal of Postcolonial Studies, Vol. 11, nº 1, pp. 94-102. DOI: 10.1080/13698010902752830

Furtado, C. (2009). Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

Geisel, E. (1978). Uma Nova Amazônia para Encontro e Colaboração entre os Povos da América. Discurso de assinatura do Tratado de Cooperação Amazônico. Disponível em: Acesso em: 26 de out de 2017.

Gilpin, R. (2002) A Dinâmica da Economia Política Internacional. In: A Economia Política das Relações Internacionais. Brasília, Ed. UnB.

Grosfoguel, R. (2006). World-Systems Analysis in the Context of Transmodernity, Border Thinking, and Global Coloniality. Review Postcolonial Studies to Decolonial Studies: Decolonizing Postcolonial Studies (Fernand Braudel Center), vol. 29, nº 2, p. 167-187. Disponível em: < http://www.jstor.org/stable/40241659> Acesso em 01/07/2017.

Joshi, S. (2014). North–South relations: Colonialism, empire and international order. In: Harris, P. (org). Routledge Handbook of Global Environments Politics. Londres e Nova York: Routledge, 2014.

Kochtcheeva, L. V. (2014). Globalization and the environment: markets, finance and trade. In: HARRIS, Paul (org). Routledge Handbook of Global Environments Politics. Londres e Nova York: Routledge, pp. 284-295.

Lessa, A. C. (1997). Instabilidade e Mudanças: os condicionantes históricos da política externa brasileira sob Geisel (1974-1979). Revista de Informação Legislativa, n 34, vol. 133. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/196/r133-08.PDF?sequence=4 > Acesso em: 26 de out de 2017.

Lima, M, R. S. & Moura, G. (1982). A trajetória do pragmatismo: uma análise da política externa brasileira. Dados, vol. 25, nº 3, pp. 349–64. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=64387> Acesso: 26 de out de 2017.

Löwy, M. (2013). Crise Ecológica, Crise Capitalista, Crise De Civilização: A Alternativa Ecossocialista. CADERNO CRH, Salvador, v. 26, 67, pp. 79-86. Disponível em: <http://ref.scielo.org/wqk8kg> Acesso em: 10 de jul de 2017.

Mignolo, W. (2007). Separar las Palabras de las Cosas. In: La Idea de América Latina: a la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Ed. Gedisa.

Nesadurai, H. (2005). Bandung and the Political Economy of North-South relations: sowing the seeds for revisioning international society. Working Paper 95. Nanyang, Singapura: Institute of Defense and Strategic Studies. Disponível em:<http://www.rsis.edu.sg/publications/WorkingPapers/WP95.pdf> Acesso em: 10 de jul de 2017.

Nunes. P. H. F. (2016). A organização do tratado de cooperação amazônica: uma análise crítica das razões por trás da sua criação e evolução. Brasília. Revista de Direito Internacional, vol. 13, nº 2, pp. 220-243. Disponível em: < https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/download/4037/pdf>. Acesso em: 01 de jul de 2017.

Oliveira, I. T. M. (2007). A Ordem Econômico-Comercial internacional: Uma Analise da evolução do Sistema Multilateral de comércio. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, vol. 29, nº 2, pp. 217-272. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cint/v29n2/v29n2a01.pdf> Acesso em: 13 de abr de 2017.

Quijano, A. (2000). Coloniality of Power, Eurocentrism, and Latin America. Nepantla: views from South. 2000. Disponível em: <http://www.unc.edu/~aescobar/wan/wanquijano.pdf> Acesso em: 01 de jul de 2017.

Ricupero, R. (1984). O Tratado de Cooperação Amazônica. Revista de Informação Legislativa, Brasília, vol. 21, nº 81. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/186318/000406292.pdf?sequence=1>

Rodriguez, O. (2009). A Concepção do Sistema Centro-Periferia. In: O Estruturalismo Latino-Americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, M. (2001). Por uma Outra Globalização: do pensamento único à consequência universal. Rio de Janeiro: Record.

Santos, T. S. (2001). Globalização e Exclusão: a dialética da mundialização do capital. Sociologias, Porto Alegre, ano 3, nº 6, pp. 170-198. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/soc/n6/a08n6.pdf>. Acesso em: 01 de jul de 2017.

Silva, R. I. (2013). O Multilateralismo Amazônico, entre Êxitos Geopolíticos e Entraves Executivos: trajetória do processo de cooperação de 1978 a 2012. Brazilian Journal of International Relations, vol. 2, nº 3, Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjir/article/view/3053>

Spektor, M. (2004). Origens e Direção do Pragmatismo Ecumênico e Responsável (1974-1979). Revista Brasileira de Política Internacional, nº 47, vol 2, pp.191-222. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292004000200007> Acesso em: 01 de jul de 2017.

Streeck, W. (2016). Introduction. How Will Capitalism End? In: How Will Capitalism End? Londres e Nova York: Verso.

Tratado de Cooperação Amazônica. (1978). Disponível em: <http://otca.info/portal/admin/_upload/tratado/O_TRATADO_DE_COOPERACAO_AMAZONICA_PT.pdf>. Acesso em: 10 de jul de 2017.

Vizentini, P. F. (2008). O “Brasil Potência”: segurança, desenvolvimento e autonomia no regime militar (1964-1979). In: Relações Internacionais do Brasil: de Vargas a Lula. São Paulo: Ed. Perseu Abramo.

Wallerstein, I. (1974). Dependence in an Interdependent World: The Limited Possibilities of Transformation within the Capitalist World Economy. African Studies Review, vol. 17, nº 1, pp. 1-26. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/523574 >. Acesso em: 02 de jul de 2017.

Publicado
2019-01-01