O Cenário Brasileiro de Proteção à Violência na Infância e na Adolescência e a Agenda Governamental

Conquistas, Possibilidades e Desafios

  • Brenda Souza de Castro Universidade Federal de Viçosa

Resumo

Os dados de violência contra crianças e adolescentes mostram uma triste realidade no Brasil. A Constituição de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente foram grandes marcos na defesa e na garantia dos direitos para essa parcela da população, no entanto, os números expressivos de denúncias despertaram a necessidade de que o cuidado com o público infanto-juvenil se mantivesse em pauta na agenda governamental. O objetivo deste estudo foi compreender o que foi inserido na agenda governamental nos últimos dez anos (2009-2018) com vistas a solucionar essa questão, observando se houveram conquistas, possibilidades de melhoria e quais os desafios. Foi realizado um estudo qualitativo, baseado em análise documental e de conteúdo. Foram consultados os portais eletrônicos da Câmara dos Deputados, do Congresso Nacional, do Senado, do Ministério do Desenvolvimento Social e do Proteja Brasil onde foram encontradas quatro leis, três programas/ações sociais e nove projetos de lei em tramitação, todos com foco no combate às diversas formas de violência contra crianças e adolescentes. Os programas/ações sociais evidenciaram-se como conquistas, os projetos de lei como possibilidades de suporte normativo para a criação de outras políticas públicas e os desafios estão em conscientizar o tripé Estado-Família-Sociedade, diminuindo as ferramentas punitivas e fortalecendo as ferramentas educativas e preventivas.

Biografia do Autor

Brenda Souza de Castro, Universidade Federal de Viçosa
Departamento de Administração e Contabilidade - DAD UFV; Aréa Administração Pública

Referências

ALVES, Emeli Silva. Infância e Juventude: Um breve olhar sobre as Políticas Públicas no Brasil. In: Revista do Mestrado em Educação e Cultura da Universidade do Estado da Santa Catarina. V. 2, n. 2, (jan./jul.2001). Florianópolis: UDESC, p. 73 – 95, 2001.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Brasil: Edições. 2002.

BENEVIDES, Jamille; DANIEL, Rosangela; BERWIG, Solange Emilene. Políticas Públicas e Estatuto da Criança e do Adolescente – Materialização dos Direitos das Crianças e Adolescentes. In: III Seminário Internacional de Ciências Sociais – Ciência Política, Universidade Federal do Pampa, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 1990.

BRASIL, Felipe Gonçalves; CAPELLA, Ana Cláudia Niedhardt. O Processo de Agenda-Setting para os Estudos das Políticas Públicas. RP3 - Revista de Pesquisa em Políticas Públicas. Edição nº 06, set. 2015.

CAPELLA, Ana Cláudia N. Perspectivas Teóricas sobre o Processo de Formulação de Políticas Públicas. BIB, São Paulo, nº 61, pp. 25-52, 1º semestre de 2006.

CARVALHO, Giane Carmem Alves; Juventude e Políticas Públicas: Mero destaque na agenda pública ou garantia de direitos? Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. Vol. 2 nº 2 (4), p. 163-15, agosto-dezembro, 2006.

CIRQUEIRA, Angelica Pimenta; SILVA, Ilda Lopes Rodrigues da. Violência física intrafamiliar: as percepções dos adolescentes do Programa Sentinela de Itaboraí sobre a violência física sofrida. Rio de Janeiro, 2007, 151p. Dissertação de Mestrado – Departamento de Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

CUNHA, Eleonora Schettini M.; ZANETTI, Danúbia Godinho. Participação e Influência na Agenda Governamental: o caso da assistência social. In: Anais do 10º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, 2017.

FUNDAÇÃO ABRINQ. Cenário da Infância e Adolescência no Brasil, Nywgraf Editora Gráfica, 2017.

GELINSKI, Carmen Rosario Ortiz G.; SEIBEL, Erni Jose. Formulação de politicas publicas: questoes metodologicas relevantes. Revista de Ciencias Humanas, Florian6polis, EDUFSC, v. 42, n. I e 2, p. 227-240, Abril e Outubro, 2008.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. Editora Atlas, São Paulo, 2008.

GOLDENBERG, Mirian. A Arte de Pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 8 ed. Editora Record: Rio de Janeiro – São Paulo, 2004.

KINGDON, John. Agendas, Alternatives, and Public Policies. 3a. Ed. New York: Harper Collins, 2003. [1984]

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 5 ed. Editora Atlas: São Paulo, 2003.

MENDONÇA, Maria Helena Magalhães de. O desafio da política de atendimento à infância e à adolescência na construção de políticas públicas equitativas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 18 (Suplemento):113-120, 2002.

NUNES, Antonio Jakeulmo; SALES, Magda Coeli Vitorino. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 21(3):871-880, 2016

PEREZ, José Roberto Rus; PASSONE, Eric Ferdinando. Políticas Sociais de Atendimento às Crianças e aos Adolescentes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.140, p. 649-673, maio/ago. 2010.

SANTOS, Rodrigo dos; KERBAUY, Maria Teresa Miceli. Políticas Públicas Para Crianças e Adolescentes: Violência, Conflito Familiar E Distúrbios Escolares, 2008.

SOUZA, Celina. Estado da arte da pesquisa em políticas públicas. In: HOCH- MAN, G; ARRETCHE, M. & MARQUES, E. Politicas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FOCRUZ, 2007.

UNICEF, Fundo das Nações Unidas para Infância. ECA 25 anos: avanços e desafios para infância e adolescência no Brasil, 2015.

Publicado
2019-07-30