Paradiplomacia

Atuação do Nordeste Brasileiro na Rede Mercocidades

Resumo

Este artigo pretende explorar perspectivas teórico-conceituais acerca da Paradiplomacia delimitando como foco a Rede Mercocidades nos atores do Nordeste brasileiro que dela participam. O objetivo deste trabalho é avaliar se a Paradiplomacia, via Rede Mercocidades, foi capaz de potencializar o desenvolvimento de seus partícipes do nordeste brasileiro. A metodologia documental e bibliográfica com enfoque qualitativo assume uma abordagem exploratória para proporcionar um diálogo entre os conceitos relacionados à Paradiplomacia. No que concerne à Rede Mercocidades enfatiza-se a análise da atuação das cidades de Camaçari, Salvador, Vitória da Conquista, Fortaleza, Recife, Jaboatão dos Guararapes e Mossoró. A metodologia comparativa é utilizada para relacionar estas informações com dados dos Índices de Desenvolvimento Humano Municipais (IDH-M) destas cidades, sendo empregados, para fins de comprovação, instrumentais quantitativo-descritivos. Ao fim, o trabalho infere a não relação entre o aumento do IDH-M das cidades do nordeste brasileiro e a Paradiplomacia por elas praticada, instrumentalizada na inserção na Rede Mercocidades.

Biografia do Autor

Chrstianny Kelly Silva dos Santos, UEPB.
Graduada em Relações Internacionais - UEPB
Alexandre Cesar Cunha Leite, PPGRI/UEPB e PGPCI/UFPB.
possui graduação em Ciências Econômicas (1999), mestrado em Economia Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) e Especialização (pós-graduação) em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2007). Doutor em Ciências Sociais/Relações Internacionais (Sociologia, Política, Antropologia, linha de Pesquisa em Relações Internacionais) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2011). Pós-doutorado em Ciência Política/Relações Internacionais sob supervisão do Prof. Dr. Marcos Costa Lima, pelo PPGCP/UFPE (2013-2014). Pesquisador vinculado à DCP/UFPE. Atualmente é Professor Doutor Adjunto-DE do curso de Relações Internacionais da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB e professor do núcleo permanente do Mestrado em Relações Internacionais da UEPB. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (2014-2016). Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública e Cooperação Internacional (UFPB). Tem como atividades a docência, a pesquisa e a extensão universitária. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Ásia-Pacífico (GEPAP/UEPB/CNPq), Pesquisador/líder do Grupo de Estudos em Economia Política do Imperialismo (UFRRJ) e Pesquisador do Grupo de Pesquisa sobre Potências Médias (GPPM/PUCMINAS/CNPq). Membro do Instituto de Estudos Ásia (IEA/UFPE). Tem experiência e pesquisas na área de Economia, com ênfase em Economia Política e Relações Internacionais, atuando nas subáreas: economia brasileira e formação econômica do Brasil, macroeconomia e economia monetária e financeira, desenvolvimento sócio-econômico (e desenvolvimento comparado), economia do trabalho e da educação e economia política internacional. Na área de Relações Internacionais as pesquisas estão relacionadas à política internacional e política externa, análise de política externa, imperialismo, desenvolvimento comparado. Constituem prioridade na agenda de pesquisa os estudos da Ásia (política, economia e segurança), principalmente, China. Trabalha também como docente e pesquisador na área de filosofia política, ciências sociais e política. Realizou pesquisas ligadas à Gestão Educacional e ao estudo na área de Educação, especialmente, na condição do trabalho docente. Já exerceu a função de Diretor da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e do Instituto Politécnico/UNA, membro da Diretoria Acadêmica do Grupo Anima Educação, coordenador dos cursos de ciências econômicas, chefe do departamento de ciências econômicas e professor (graduação e pós-graduação) do Centro Universitário UNA e Coordenador dos programas de Extensão Universitária do UNI-BH.
Saulo Felipe Costa, Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais - UEPB
Doutor em Ciência Política - UFPE. Bolsista PNPD no PPGRI/UEPB.

Referências

ALBURQUERQUE, F. (2004). Desarrollo económico local y descentralización en América Latina. In: Revista de la Cepal, n.82, Abril, pp.157-171. Disponível em <http://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/10946/082157171.pdf?sequence=1> Acesso em 20 out. 2017

ALDECOA, F. (1999). Towards Plurinational Diplomacy in the Deeper and Wider European Union (1985-2005). In: ALDECOA, Francisco; KEATING, Michael (Ed.). Paradiplomacy in action: the foreign relations of subnational governments. Routledge.

ALMEIDA, F. C. (2012). Os governos locais brasileiros e o Mercosul: A influência da paradiplomacia na agenda de integração regional. Dissertação (Mestrado) - UnB, Brasília, 2012. Disponível em Acesso em 18 out. 2017

ARAÚJO, T. B; SANTOS, V. M. (2009). Desigualdades regionais e nordeste em formação econômica do Brasil. In: ARAÚJO, T. P; VIANNA, S. T. W; MACAMBIRA, J (Orgs.). 50 anos de Formação Econômica do Brasil. Rio de Janeiro: IPEA. Disponível em <http://desafios2.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/livros/14_cap07_Tania_Valdeci.pdf> Acesso em 20 set. 2017

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. (2013). Disponível em <http://www.atlasbrasil.org.br Acesso em 28 jan. 2018

BARRIOS, S. (2010). Mercociudades: una destacada referencia política y técnica del proceso de integración en nuestra región. In:15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.37-39.

BATALLA, I. C; MALMANN, M. I. (2015). Mercocidades e integração regional. In: GOMES, Joséli Fiorin; CORRADI, Rodrigo de Souza (Orgs.). Paradiplomacia em movimento: perspectivas em homenagem aos 20 anos de atuação da Rede Mercocidades. Editora UniRitter, Porto Alegre, pp.123-134.

BINNER, H. (2010). De la ciudad a la región. La experiencia de Mercociudades en sus años formativos y su contribución a la integración sudamericana. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.21-23, 2010.

BLYDE, J. S; FERNÁNDEZ-ARIAS, E. D. (2008). Disparities and Integration in MERCOSUR. In: BLYDE, Juan S; FERNÁNDEZ-ARIAS, Eduardo; GIORDANO, Paolo (Ed.). Deepening integration in MERCOSUR: dealing with disparities. Inter-American Development Bank, Washington, D.C.

BRANCO, A. C. C. (2007). A paradiplomacia como forma de inserção internacional de unidades subnacionais. In: PRISMAS: Dir., Pol.Pub. e Mundial., Brasília, v.4, n, 1, p 48-67, jan/jul. Disponível em Acesso em 05 set. 2017.

CAETANO, L.C; SILVA; J. S. A; GRAMACHO, C. O. (2007). CAMAÇARI. Mulheres Cidadãs: Preparação de cidadãs do Município do Camaçari para atuação em emprendimientos da economía solidária e inserção no mundo no trabalho. In: Seminario Políticas de integración regional: experiencias locales exitosas en el Mercosur. Tandil, Argentina.

CAMAGNI, R; CAPELLO, R. (2004). The City Network Paradigm: Theory and Empirical Evidence. In: CAPELLO, Roberta; NIJKAMP, Peter (Ed.). Urban Dynamics and Growth, CEA, vol. 266. Oxford: Elsevier. Amsterdam.

CAPELLO, R. (2000). The City Network Paradigm: Measuring Urban Network Externalities. In: Urban Studies. Vol. 37, No. 11, 1925–1945.

CARÁMBULA, M. (2010). Ciudades del futuro, ciudades integradas. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.73-75.

CARTA DE RÍO. 1p. 2007. Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/carta_de_rio.pdf> Acesso em 21 out. 2017

CEZÁRIO, G. L. (2011). Atuação Global Municipal: Dimensões e Institucionalização. Dissertação (Mestrado), UnB. Brasília, 2011. Disponível em <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/10217/1/2011_GustavoDeLimaCezario.pdf> Acesso em 15 out. 2017.

CORNAGO, N. (1999). Diplomacy and Para diplomacy in the Redefinition of International Security: Dimensions of Conflict and Co-operation. In: ALDECOA, Francisco; KEATING, Michael (Ed.). Paradiplomacy in action: the foreign relations of subnational governments. Routledge.

COUTO, M; CROVETTO, S; GOROSITO, M; RODRÍGUEZ, J; SILVEIR, K; VALDOMIR, S (COORD.). (2013). IN: Projetando Integração. 84p. Montevidéu, 2013. Disponível em <http://www2.mercociudades.org/sursur/sites/default/files/IN_proyectando%20integraci%C3%B3n_publicaci%C3%B3n%20de%20cierre_PORTUGU%C3%89S.pdf> Acesso em 25 out. 2017

CUMBRE DE MERCOCIUDADES, I, 1995, Asunción. Acta Cumbre 1995 (Asunción). Disponível em <http://portal.mercociudades.net/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/DocumentosFundacionales/1995actaasuncion.pdf> Acesso em 15 out. 2017

______, II, 1996, Porto Alegre. Acta Cumbre 1996 (Porto Alegre). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/1996ActaPortoAlegre.pdf> Acesso em 15 out. 2017

______. III, 1997, Córdoba. Acta Cumbre 1997 (Córdoba). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/1997ActaCordoba.pdf> Acesso em 21 out. 2017

______. IV, 1998, Montevideo. Acta Cumbre 1998 (Montevideo). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/1998ActaMontevideo.pdf> Acesso em 21 out. 2017

______. V, 1999, Belo Horizonte. Acta Cumbre 1999 (Belo Horizonte). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/Acta_AsambleaGeneral_Cumbre1999.pdf> Acesso em 21 out. 2017

______. VI, 2000, Rosario. Acta Cumbre 2000 (Rosario). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2000ActaRosario.pdf> Acesso em 21 out. 2017

______. VII, 2001, Valparaíso. Acta Cumbre 2001 (Valparaíso). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2001ActaValparaiso.pdf> Acesso em 22 out. 2017

______. VIII, 2002, Asunción. Acta Cumbre 2002 (Asunción). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2002ActaAsuncion.pdf> Acesso em 22 out. 2017

______. IX, 2003, Montevideo. Acta Cumbre 2003 (Montevideo). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2003ActaMontevideo.pdf> Acesso em 22 out. 2017

______. X, 2004, Buenos Aires.Acta Cumbre 2004 (Buenos Aires) . Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2004ActaBuenosAires.pdf> Acesso em 22 out. 2017

______. XI, 2005, Santo André. Acta Cumbre 2005 (Santo André). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2005AtaSantoAndre.PDF> Acesso em 22 out. 2017

______. XIII, 2008, Canelones. Acta Cumbre 2008 (Canelones). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/2008ActaCanelones.pdf> Acesso em 22 out. 2017

______. XIV, 2009, Rosario. Informe Cumbre 2009 (Rosario). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/informe_final_cumbre_Rosario.pdf> Acesso em 22 out. 2017

______. XX, 2015, São Paulo. Acta Cumbre 2015 (São Paulo). Disponível em <http://www.mercociudades.org/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/ActasCumbre/Acta_20_AsambleaGeneral_nov_2015_SaoPaulo.pdf> Acesso em 22 out. 2017

DECLARACIÓN DE ASUNCIÓN. Asunción, 1995. Disponível em <http://portal.mercociudades.net/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/DocumentosFundacionales/1995actafundacional1.pdf> Acesso em 23 out. 2017

DÍAS, C. (2010). Unidades Temáticas. Haciendo historia. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.54-56.

DUCHACEK, I. D. (1984). The International Dimension of Subnational Self-Government. In: Publius, Vol. 14, No. 4, Federated States and International Relations (Autumn, 1984), pp. 5-31. Oxford University Press. Disponível em <http://www.jstor.org/stable/3330188> Acesso em 15 set. 2017.

ESTATUTO Y REGLAMENTO DE MERCOCIUDADES VIGENTE. 11p. 2015. Disponível em <http://portal.mercociudades.net/sites/portal.mercociudades.net/files/archivos/documentos/Estatutos/Estatuto_2017.pdf> Acesso em 22 out. 2017

FRÓIO, L. R. (2015). Paradiplomacia e o impacto da alternância de governos na atuação internacional dos estados brasileiros. Tese (doutorado) – UFPE. Recife, 2015. Disponível em Acesso em 14 set. 2017.

FRONZAGLIA, M. L. (2005). Unidades Subnacionais: Um Estudo de Caso Sobre a Cidade de São Paulo - de 2001 a 2004. Dissertação (Mestrado), UNICAMP. Campinas, 2005. Disponível em <https://blogfonari.files.wordpress.com/2016/02/dissertaccca7ao-final-tese-mauricio.pdf> Acesso em 03 out. 2017

GARESCHÉ, E. Z; CAYCEDO, P. A. A. (2014). Las redes de ciudades en el mundo actual: tejiendo lazos para la internacionalización. In: Trabajos de Investigación en Paradiplomacia, Año 3, Número especial. Santiago, Chile y Buenos Aires, Argentina.

GONÇALVES, H. F; ARAÚJO, J. B. (2015). Evolução histórica e o quadro socioeconômico do Nordeste brasileiro nos anos 2000. In: COLÓQUIO - Revista do Desenvolvimento Regional. Faccat. Taquara/RS. v. 12, n. 1, jan./jun. Disponível em <https://seer.faccat.br/index.php/coloquio/article/download/229/19> Acesso em 05 set. 2017.

HOCKING, B. (1999). Patrolling the 'Frontier': Globalization, Localization and the 'Actorness' of Non-Central Governments. In: ALDECOA, Francisco; KEATING, Michael (Ed.). Paradiplomacy in action: the foreign relations of subnational governments. Routledge.

IN distingue a tres proyectos resultantes de la Novena Capacitación Regional de Mercociudades. 2016. Disponível em <http://www.inmercociudades.org/2016/10/in-distingue-a-tres-proyectos-resultantes-de-la-novena-capacitacion-regional-de-mercociudades/> Acesso em 22 out. 2017

JESUS, D. S. (2017). A arte do encontro: a paradiplomacia e a internacionalização das cidades criativas. In: Rev. Sociol. Polit. [online]. 2017, vol.25, n.61, pp.51-76. ISSN 1678-9873. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1590/1678-987317256104> Acesso em 15 set. 2017.

KEATING, M. (1999). Regions and International Affairs: Motives, Opportunities and Strategies. In: Regional & Federal Studies. 1999, 9:1, pp.1-16. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1080/13597569908421068> Acesso em 15 set. 2017

KLEIMAN, A. (2010). Processo de institucionalização de Mercocidades. Da REMI ao FCCR. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.61-64.

KLIKSBERG, B. (2001). Capital social e cultura: chaves esquecidas do desenvolvimento. In: Falácias e Mitos do Desenvolvimento Social. Cortez Editora. São Paulo.

______. (2001). Como reformar o Estado para enfrentar os desafios sociais do século XXI?. In: Falácias e Mitos do Desenvolvimento Social. Cortez Editora. São Paulo.

______. (2001). Confrontando as realidades da América Latina: pobreza, desigualdade e deterioração da família. In: Falácias e Mitos do Desenvolvimento Social. Cortez Editora. São Paulo.

KINCAID, J. (1990). Constituent Diplomacy in Federal Polities and the Nation-State: Conflict and Co-operation. In: MICHELMANN, Hans J; SOLDATOS, Panayotis (Ed.). Federalism and International Relations: The Role of Subnational Units. New York, Oxford University Press Inc.

KOMNINOS, N. (2008). Innovation through collaboration: managing networks that cross boundaries. In: KOMNINOS, Nicos. Intelligent cities and globalisation of innovation networks. Routledge.

LECOURS, A. (2008). Political Issues of Paradiplomacy: lessons from the developed world. In: Netherlands Institute of International Relations 'Clingendael', Discussion Paper Nº 113, The Hague, The Netherlands.

MARIANO, K. L. P; MARIANO, P. M. (2005). Governos subnacionais e integração regional: considerações teóricas. In: Governos subnacionais e sociedade civil: integração regional e MERCOSUL. EDUC, São Paulo, pp.131-160.

MARIANO, M. P; MARIANO, K. L. P. (2002). As teorias de integração regional e os Estados subnacionais. In: Revista Impulso, v. 13, n. 31. Piracicaba: Editora UNIMEP, maio/ago. pp. 47-69.

MAX-NEEF, M. A. (2012). Desenvolvimento à escala humana: concepção, aplicação e reflexões posteriores. Edifurb, Blumenau.

MENEGUETTI NETO, A. (2005). Redes de cidades: cooperação, estratégias de desenvolvimento, limitações constitucionais e divergências. 286f. Tese (Doutorado), PUC/RS. Porto Alegre.

MERCOCIDADES. Disponível em <http://www.mercociudades.org/> Acesso em 02 set. 2017

ODDONE, C. N. (2008). La Red de Mercociudades: Globalización, integración regional y desarrollo local. Ugarit.

ODDONE, N. (2017). La paradiplomacia desde cinco perspectivas: reflexiones teóricas para la construcción de una comunidad epistémica en América Latina. Relaciones Internacionales, [S.l.], v. 89, n. 2, p. 47-82, jan. 2017. ISSN 2215-4582. Disponível em: <http://www.revistas.una.ac.cr/index.php/ri/article/view/9064> Acesso em: 15 out. 2017 doi:http://dx.doi.org/10.15359/ri.89-2.2.

ODDONE, N. (2010). Potencialidades del Mercosur desde los gobiernos locales. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.76-80.

PAQUIN, S. (2004). Paradiplomatie et relations internationales: théorie des stratégies internationales des régions face à la mondialisation. Bruxelles: Presses Interuniversitaires Européennes.

PINO, B. A. (2010). El impulso a la Cooperación Sur – Sur en América Latina: ¿Nuevas formas de cooperación regional?. Breviario en RRII.

PINO, B. A. (2014). Evolução histórica da cooperação Sul-Sul (CSS). In: SOUZA, André de Mello e (Org.). Repensando a Cooperação para o Desenvolvimento. Brasília, IPEA.

PNUD; IPEA; FJP. O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro. PNUD Brasil, Brasília, 2013. Disponível em <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130729_AtlasPNUD_2013.pdf> Acesso em 28 out. 2017

PNUD BRASIL. Ranking IDH-M Municípios 1991. Disponível em <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/IDH-M-municipios-1991.html> Acesso em 30 out. 2017

______. Ranking IDH-M Municípios 2000. Disponível em <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/IDH-M-municipios-2000.html> Acesso em 30 out. 2017

______. Ranking IDH-M Municípios 2010. Disponível em <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/IDH-M-municipios-2010.html> Acesso em 30 out. 2017

PONCE, D. Z. (2010). Una mirada desde la gestión de una Unidad Temática. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.37-39.

PRADO, D. F. B. (2007). As cidades como atores nas relações internacionais: a atuação via rede. In: I SIMPÓSIO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS SAN TIAGO DANTAS (UNESP, UNICAMP e PUC-SP).

ROMERO, M. H. (2004). Una Aproximación Contextual y Conceptual a la Cooperación Descentralizada. In: Víctor Godínez y María del Huerto Romero (Eds.), Tejiendo lazos entre territorios. La cooperación des centralizada local Unión Europea - América Latina. Valparaíso, Comisión Europea.

RODRIGUEZ, J. (2010). Se trata de una fuerza formidable, una fuerza de cambio. La fuerza de la ciudadanía. In: 15 AÑOS DE MERCOCIUDADES. Rosario, Santa Fe. Argentina, pp.29-36.

SEN, A. (2000) Development as Freedom. New York, Alfred A. Knopf, Inc.

TAVARES, R. (2016). Paradiplomacy: Cities and States as Global Players. New York. Oxford University Press.

TODARO, M. P; SMITH, S. C. (2012). Economic Development. 11th ed. Addison-Wesley, 2012.

YAHN FILHO, A. G. (2013). Análise Teórico-conceitual da Participação dos Atores Subnacionais nas Relações Internacionais In: Relações Internacionais e Atores Subnacionais: região metropolitana de Campinas. Ed. Alinea.

Publicado
2019-11-08