Um não às limitações impostas pela gramática tradicional: o processo de gramaticalização do advérbio em notícias

Francisco Gomes da Silva, Rosângela Maria Bessa Vidal, Antônio Rafael de Queiroz Lima

Resumo


O presente trabalho se propõe a descrever e analisar o comportamento morfossintático dos advérbios temporais usados em notícias cotidianas nos portais de notícia G1 e UOL, veiculadas no segundo semestre do ano 2018. A finalidade não se limita demonstrar a ocorrência de diferenças de usos dos mencionados advérbios não só no tocante ao seu posicionamento nas sentenças, mas, sobretudo, comprovar que tais elementos não se inserem apenas em uma classe gramatical homogênea, mediante o que apregoa a gramática tradicional em suas descrições normativas e, dessa maneira, desconstruir este entendimento.  Nesta pesquisa se consideram os advérbios temporais não-oracionais em posição inicial, medial ou final das estruturas. Estas posições são analisadas em função da forma adverbial, no intuito de expor a influência desse motivo na variação do posicionamento. O trabalho se embasa em abordagens voltadas para a mesma finalidade como as de Martelotta (1994), Neves (1999), Andrade (2004) e Costa Nunes (2009), e outros que também revelam o comportamento variável de advérbios temporais.

Palavras-chave: Advérbios temporais. Morfossintaxe. Semântica. Usos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1807-8931.2019v15n8.47336

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


___________________________________________________________________________________________________________


Periódico indexado nas seguintes bases de dados:
           
_
__________________________________________________________________________________________________________