PRINCÍPIOS PARA ANÁLISE DA PARTITURA MUSICAL COMO DOCUMENTO ARQUIVÍSTICO

Autores

  • Bridget Brandão Suhett de Souza UFF
  • Joice Jóice Cleide Cardoso Ennes de Souza UFF

Palavras-chave:

Palavras-chave, Arquivologia. Partitura musical. Funções arquivísticas.

Resumo

Apresenta um levantamento sobre os elementos característicos da partitura musical enquanto documento de arquivo. Foram apresentados os conceitos arquivísticos, focando principalmente a terminologia da área, além das funções arquivísticas a serem desenvolvidas pelo profissional para que seja possível a identificação, organização, preservação e recuperação da informação contida nos documentos arquivísticos. A partir dos conceitos apresentados realizou-se uma reflexão sobre a partitura musical como um documento arquivístico, apresentando as dificuldades presentes no tratamento documental e a falta de padronização para a identificação destes documentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bridget Brandão Suhett de Souza, UFF

Arquivista formada pela Universidade Federal Fluminense – UFF, tem como objeto de pesquisa a representação de documentos musicais, em especial partituras.

Joice Jóice Cleide Cardoso Ennes de Souza, UFF

Mestre e Doutora em Ciência da Informação pelo IBICT.  É professora adjunta do Departamento de Ciência da Informação do IACS/UFF. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em organização, representação e recuperação de informação jornalística, banco de imagens, análise conceitual de imagens e avaliação de linguagem documentária.

Referências

ARQUIVO NACIONAL. (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES. Manual de arranjo e descrição de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1973.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivística: objetos, princípios e rumos. São Paulo: Associação de Arquivistas de São Paulo, 2002a.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, 2002b. (Como fazer, 8).

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2006.

BORGES, Jane. Partitura musical: um instrumento de investigação em história e educação. In: CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 16. 2006, Brasília. Anais... Brasília: ANPPOM, 2006. p. 42-46. Disponível em: < http://www.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2006/CDROM/COM/01_Com_EdMus/sessao02/01COM_EdMus_0202-239.pdf>. Acesso em: 21 ago. 2011.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. NOBRADE: Norma Brasileira de Descrição Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

BRITTO, Augusto César Luiz. RODRIGUES, Cláudia Daiane Moraes. Descrição arquivísticas do fundo documental da antiga sociedade cultural e ferroviária Treze de maio – SCFTM. Rio Grande do Sul: Universidade Federal de Santa Maria, 2010. Disponível em: <http://www.clubessociaisnegros.com.br/wp-content/uploads/2011/04/BRITTO-Augusto-C%C3%A9sar-Luiz-RODRIGUES-Cl%C3%A1udia-Daiane-Moraes-2010.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2011.

CALDAS, Sergio Eduardo Silva de. Elementos necessários à representação descritiva de partituras: um estudo com as Bachianas Brasileiras n.1, 2 e 4 de Heitor Villa-Lobos. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2007.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Indexação e descrição em arquivos: a questão da representação e recuperação de informações. Arq. & Adm., Rio de Janeiro, v.5, n. 1, jan / jun. 2006, p. 17-31

CARVALHO, Vinicius Mariano. Porque a música é também um patrimônio das Forças Armadas. [200-], Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Disponível em: < http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/fts/PMPFA.pdf>. Acesso em: 01 fev. 2012.

CAVALCANTE, Hugo Carlos. CARVALHO, Maria Auxiliadora. A informação na música impressa: elementos para análise documental e representação de conteúdos. Revista digital de biblioteconomia e ciência da informação, Campinas, v.8, n. 2, p. 152-151, jan./jun. 2011. Disponível em: < http://143.106.108.14/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/viewFile/489/332>. Acesso em: 31 out. 2011.

DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v.7, n.13, 1994.

FARIA, Maurício Marques de. O tratamento documental dos arquivos musicais e a busca de práticas comuns no tratamento da música brasileira para orquestra. Opus, Goiânia, v.15, n.1, p. 85-90, jun. 2009. Disponível em: < http://www.anppom.com.br/opus/data/issues/archive/15.1/files/OPUS_15_1_full.pdf>. Acesso em: 14 abr. 2012.

GONÇALVES, Janice. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 1998. (Como fazer, 2).

GANDELMAN, Salomea. Breve História da notação musical. 2003. Disponível em: <http://www.musicaeadoracao.com.br/tecnicos/teoria_musical/historia_notacao.htm>. Acesso em: 12 jan. 2012.

INSTITUTO ANTONIO CARLOS JOBIM. Rio de Janeiro, 2001. Disponível em: <http://portal.jobim.org/>. Acesso em: 15 maio 2014.

ISAD(G). Norma geral internacional de descrição arquivística: segunda edição, adotada pelo Comitê de Normas de Descrição, Estocolmo, Suécia, 19-22 de setembro de 1999, versão final aprovada pelo CIA. – Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2000.

LOPES, Cléo Belicio. Descrição Arquivística: diferenças e divergências terminológicas sobre instrumentos de pesquisa. Porto Alegre. universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009. Apresentação para obtenção de Bacharel em Arquivologia. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle /10183/22751/000740203.pdf?sequence=1>. Acesso em: 07 maio 2012.

MARQUES, Suzete Lemos. A organização arquivística: o fundo administrativo do Conselho de Torres Vedras. Universidade de Lisboa: Relatório de estágio para o mestrado em Ciências da Documentação e da Informação arquivística. 2009. Disponível em: < http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/528/2/21370_ulfl071254 _tm_inventario_actvd.pdf>. Acesso em: 13 set. 2011.

MATOS, Alexandra Linda Herbst. Documentação musical: discussão sobre a representação temática de partituras a partir de um enfoque interdisciplinar. 2007. Dissertação (Mestrado m Ciência da Informação). Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações e Artes, São Paulo, 2007.

MEDEIROS, Nilcéia Lage de; AMARAL, Cléia Márcia Gomes. A Representação do ciclo vital dos documentos: uma discussão sob a ótica da gestão de documentos. Em Questão, Porto Alegre, v.16, n.2, p. 297-310, jul / dez. 2010.

PAES, Marilena Leite. Arquivo. Teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV, 3.ed. 2004.

PACHECO, Kátia Lúcia. Manifestações de obras musicais: o uso do título uniforme. Belo Horizonte, 2009. Dissertação de mestrado apresentada a Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: < http://repositorio.cfb .org.br/bitstream/123456789/491/1/Manifesta%C3%A7%C3%B5es%20de%20obras%20musicais.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2012.

RODRIGUES, Ana Márcia Lutterbach. A teoria dos arquivos e a gestão de documentos. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.11, n.1, p. 102-117, já / abr. 2006. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/445140/A-teoria-dos-arquivos-e-gestao-de-documentos>. Acesso em: 01 fev. 2012.

SANTOS, Vanderlei Batista dos. A prática em tempos de gestão do conhecimento. In: SANTOS, Vanderlei Batista dos; INNARELLI, Humberto Celeste; SOUZA, Renato Tarciso Barbosa de (Org.). Arquivística. Temas contemporâneos, 175-223. Distrito Federal: SENAC, 3 ed., 2009.

SCHELLENBERG, T.R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6.ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SIQUEIRA, Marcelo Nogueira de. A câmara técnica de documentos audiovisuais, iconográficos e sonoros do Conselho Nacional de Arquivos. In.: IV CONGRESSO NACIONAL DE ARQUIVOLOGIA. Espírito Santo, 2010, p. 6-15. Disponível em: < http://www.uel.br/eventos/eneimagem/anais2011/trabalhos/pdf/MARCELO%20NOGUEIRA%20DE%20SIQUEIRA.pdf >. Acesso em: 03 maio 2012.

SOUZA, Renato Tarciso Barbosa de. Os princípios arquivísticos e o conceito de classificação. In: RODRIGUES, Georgete Medley; LOPES, Ilza Leite. (Org.) Organização de representação do conhecimento na perspectiva da Ciência da Informação. Brasília: Thesaurus, 2003, v.2, p. 240-269.

SOUZA, Renato Tarciso Barbosa de. Em busca de um instrumental teórico-metodológico para a construção de instrumentos de classificação de documentos de arquivo. In: BARTOLO, Linete. MORENO, Nádia Aparecida. Gestão em Arquivologia: abordagens múltiplas.Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina, 2008, p. 12-52.

SOUZA, Renato Tarciso Barbosa de. A classificação como função matricial do que-fazer arquivístico. In: SANTOS, Vanderlei Batista dos; INNARELLI, Humberto Celeste; SOUZA, Renato Tarciso Barbosa de (Org.). Arquivística. Temas contemporâneos, 79-172. Distrito Federal: SENAC, 3 ed., 2009.

THOMASSEM, Theo. Uma primeira introdução à arquivologia. Arq. & Adm., Rio de Janeiro, v.5, n.1, jan / jun 2006, p. 5-16.

VALENTINI, Renato. Arquivologia para Concursos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2 ed., 2009.

Downloads

Publicado

2014-12-31

Como Citar

SOUZA, B. B. S. de; SOUZA, J. J. C. C. E. de. PRINCÍPIOS PARA ANÁLISE DA PARTITURA MUSICAL COMO DOCUMENTO ARQUIVÍSTICO. Archeion Online, [S. l.], v. 2, n. 2, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/22515. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo de Revisão