NORMAS ISO PARA GESTÃO DE DOCUMENTOS: uma introdução

Autores

  • Juliane Teixeira e Silva UFPB

Palavras-chave:

Normalização

Resumo

Organizações públicas e privadas têm intensificado, cada vez mais, a mediação de seus processos de trabalho pelas tecnologias ocasionando novas formas de criar, usar e manter documentos, os quais estão, gradativamente, passando da conformação material para uma complexidade digital. Normas internacionais para gestão de documentos estão diretamente relacionadas a esse entorno digital. A experiência com a docência na graduação em Arquivologia, especificamente com disciplinas envolvidas com a gestão de documentos, exige a atenção em temas dessa natureza e com isso foi possível observar uma carência na literatura relacionada às normas da International Organization Standardization (ISO). Nesse sentido este artigo tem objetivo didático, no sentido de introduzir o tema aos alunos de graduação em Arquivologia, bem como aos demais interessados nessa temática. As normas ISO  para gestão de documentos encontram-se há mais de dezesseis  anos em pleno debate no contexto internacional, ao passo que no Brasil a literatura a esse respeito é escassa ocasionando distanciamento de interessantes debates promovidos no contexto internacional, não apenas sobre as normas ISO para gestão de documentos, mas também sobre outros temas que estão diretamente relacionados com esse assunto, podendo citar: o Records Continuum, administração eletrônica, requisitos para sistemas informatizados de gestão arquivística, padrões de metadados, e demais temas que envolvem a gestão de documentos arquivísticos no entorno digital.

Biografia do Autor

Juliane Teixeira e Silva, UFPB

Professora do curso de graduação em Arquivologia da Universidade Federal da Paraíba. Dra. em Ciência da Informação pelo PPGCI/UFPB.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normalização: Definição. São Paulo. 2014. Disponível em: <http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-que-e/o-que-e>. Acesso em: 28 abril de 2015.

BONAL ZAZO, José Luis. Las normas internacionales para la gestión documental. IN: Seminario Internacional Sobre Gestión de Información y Transparencia, 2. 2014, México: Instituto Nacional de Acceso a la Información y Protección de Datos (IFAI). 2014. (Versión Estenográfica del Conversatorio). Disponível em: <http://eventos.ifai.org.mx/SeminarioInternacionalGIT/images/VersionesEstenograficas/ConversatorioNormas.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2015.

BUSTELO RUESTA, Carlota. Normas técnicas y estándares relacionados con la gestión documental. Barcelona: Universitat Oberta de Catalunya. [s.d.].

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Normalização: conhecendo e aplicando na sua empresa. 2. ed. Brasília, 2002.

CUMMING, Kate. Evolution and Requirements of ISO 15489. Wellington. 2003. Disponível em: < http://archives.govt.nz/sites/default/files/katec-03-10.pdf> Acesso em: 02 maio 2015.

DURANTI, Luciana. The long-term preservation of accurate and authentic digital data: the interpares Project. Data Science Journal, v. 4, Oct. 2005.

ERLANDSSON, Alf. Electronic records management: a literature review. Paris.: International Council on Archives, 1997.

GASIOROWSKI-DENIS, Elizabeth. Records management in the digital age. News from ISO. Apr. 2016. Disponível em: <http://www.iso.org/iso/home/news_index/news_archive/news.htm?refid=Ref2072>. Acesso em: 08 jul. 2016.

INDOLFO, Ana. Celeste. O uso das normas arquivísticas no Estado brasileiro: uma análise do Poder Executivo Federal. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (ENANCIB), 2008, São Paulo, SP. Anais... São Paulo, SP: Senac / São Paulo, 2008.

INTERNATIONAL COUNCIL ON ARCHIVES. Why a digital recordkeeping programme? 2009. Disponível em: <http://www.ica.org/9079/digital-recordkeeping-programme/digital-recordkeeping-programme.html>. Acesso em: 15 mar. 2015.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO/IEC Directives Part 2: rules for the structure and drafting of International Standards. Genebra, 2011.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO members. Genebra: ISO. [2015]. Disponível em: <http://www.iso.org/iso/home/about/iso_members.htm> Acesso em: 10 fev. 2015.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. Standards: whats the bottom line? Genebra: ISO. 2012.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. What are standards? Genebra: ISO. 2014. Disponível em: <http://www.iso.org/iso/home/standards.htm>. Acesso em: 10 fev. 2015.

JARDIM, José Maria. De que falamos quando falamos em políticas arquivísticas? Percepções sobre políticas arquivísticas no Poder Executivo Federal. Ciência da Informação, v. 42, n. 1, jan. 2015. Disponível em: <http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/view/2260/1877>. Acesso em: 14 abr. 2015.

MARQUES, Angélica Alves da Cunha. Interlocuções entre a Arquivologia nacional e a internacional no delineamento da disciplina no Brasil. 2011. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília. 2011.

MCKEMMISH, Sue. Traces: document, record, archive, archives. In. MCKEMMISH, Sue; et al. Archives: recordkeeping in society. Wagga Wagga: Charles Sturt University, Centre for Information Studies. 2005. p.01-20.

NÚÑEZ FERNÁNDEZ, Eduardo. Archivos y normas ISO. Gijón: Ediciones Trea, 2007.

UPWARD, Frank. The records continuum. In. MCKEMMISH, Sue; et al. Archives: recordkeeping in society. Wagga: Charles Sturt University, Centre for Information Studies. 2005. p.192-222.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

SILVA, J. T. e. NORMAS ISO PARA GESTÃO DE DOCUMENTOS: uma introdução. Archeion Online, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 04–21, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/32299. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Revisão