ARQUIVOS INSTITUCIONAIS E A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Autores

  • Ismaelly Batista dos Santos Silva UFPB

Resumo

Temas de pesquisas consolidadas na área de saúde como: os riscos ambientais (químicos, físicos, biológicos, ergonômicos e de acidente) e a informação em saúde, entendida como aquela que capacita para o trabalho laboral mediante uma ação pautada no conhecimento dos riscos que o ambiente oferece, foram abordados na perspectiva do profissional arquivista por entendermos que seu ambiente de trabalho, os Arquivos, está posto nas mais diferentes instituições, da indústria ao hospital, ou seja, cada empresa e organização possuem seu próprio Arquivo. Para tanto, foi realizada uma revisão de literatura que visou caracterizar as doenças as quais os arquivistas estão expostos no ambiente de trabalho, sob uma abordagem qualitativa. Como resultado, são apresentadas, diante das doenças que figuram na Classificação Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS), as patologias que mais estão passíveis de acometer esse profissional, a exemplo de viroses e infecções cutâneas. Por fim e, a partir dos resultados da pesquisa, podemos concluir que os estudos em Informação em Saúde possuem relevância do ponto de vista tanto epistemológico quanto prático através de ações cautelares de preservação visando o bem-estar do profissional da área de Arquivologia, tendo em vista a diversidade de agentes patógenos aos quais está exposto.

Biografia do Autor

Ismaelly Batista dos Santos Silva, UFPB

Mestra em Ciência da Informação - Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFPB). Graduada em Arquivologia / UFPB. Curso Técnico em Biodiagnóstico - Escola Técnica de Saúde / UFPB. 

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011.

BRASIL. Lei nº 8.159, de 9 de janeiro de 1991. Dispões acerca da política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 29 jan. 1991. Seção I. n.6, p. 455.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Classificação de risco dos agentes biológicos. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília, 2001. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_relacionadas_trabalho_manual_procedimentos.pdf> Acesso em: 02 fev. 2014.

CAMPELLO, B. S.; CALDEIRA, P. da T. (Org.). Introdução às fontes de organização. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. (Coleção Ciência da Informação: vol. 1).

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. Dictionary of Archival Terminology. Paris: K-G. Muchen; Sauer, 1984.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVO. Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: < http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/publicacoes-2/26-dicionario-brasileiro-de-terminologia-arquivistica-dibrate.html>

LOPES, L. C. Arquivópolis: uma utopia pós-moderna. Revista Ciência da Informação, Brasília, v. 22, n. 1,, p. 41-43, 1993.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Métodos qualitativos e quantitativos: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set. 1993.

MORAES, I. H. S.; GOMEZ, M. N. G. Informação e informática em saúde: caleidoscópio contemporâneo da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de janeiro, v. 12, n. 3, p. 553-565, jun. 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE; UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO; FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA; CENTRO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde - Versão: 1.6c (CID 10). Disponível em: <http://www.datasus.gov.br/cid10/download.htm> Acesso em: 17 mar. 2014.

RICHARDSON, J. R. Questionário. In: RICHARDSON, J. R. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SILVA, M. C. S. M. Segurança de Acervos Culturais. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST, 2012. 200p.

SOUSA, R. T. B. Os princípios arquivísticos e o conceito de classificação. In: RODRIGUES, G. M.; LOPES, I. L. (Org.). Organização e representação do conhecimento na perspectiva da Ciência da Informação. Brasília: Thesaurus, 2003. v. 2, p. 240-269.

SOUSA, R. T. B de. Os arquivos montados nos setores de trabalho e as massas documentais acumuladas na administração pública brasileira: uma tentativa de explicação. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 21, n. 1, p. 31-50, 2007 – cid.unb.br.

SOUTO, D. F. Saúde no trabalho: uma revolução em andamento. Rio de Janeiro: Ed. Senac Nacional, 2003. Publicado em parceria com SESC Nacional.

SPINELLI, R. Higiene ocupacional: agentes biológicos, químicos e físicos. São Paulo: Ed. Senac/São Paulo, 2006.

VALLE, C. E. do. Qualidade ambiental: ISO 1400. 5. ed. São Paulo: Ed. Senac/São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

SILVA, I. B. dos S. ARQUIVOS INSTITUCIONAIS E A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE. Archeion Online, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 23–38, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/32300. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Revisão