MAPAS COGNITIVOS E CATEGORIAS TEMÁTICAS COMO METODOLOGIAS ASSOCIADAS DE ANÁLISE E ORGANIZAÇÃO DE DADOS EM PESQUISA QUALITATIVA

Autores

  • Ana Virgínia C. de Melo UFPB

Palavras-chave:

Pesquisa qualitativa. Metodologia Qualitativa. Categorização. Mapas Cognitivos

Resumo

O desafio da aplicação da metodologia é constante. Múltiplos problemas requerem, na maioria das vezes, múltiplas soluções metodológicas. As decisões tomadas neste passo da pesquisa proverão ou não um avanço científico significante. Este desafio pode ser ainda maior na área das Ciências Sociais, pela sua inerente subjetividade. A associação da metodologia de organização de dados nomeada “categorias temáticas” (MINAYO, 2003) e a metodologia de representação da informação dos mapas cognitivos (NOVAK; CAÑAS, 2006) têm se mostrado realmente eficientes para ampliar o estudo da estrutura e dos relacionamentos entre os fatos narrados e/ou os significados e sentimentos registrados a partir das entrevistas com os sujeitos de pesquisa. Esta metodologia foi a base para a organização e análise de dados da dissertação intitulada “Análise do desenvolvimento de competência em informação de estudantes do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal da Paraíba” e foi aplicada para dar apoio ao estudo das experiências na família, escola e academia que atuaram como favoráveis ou prejudiciais sobre o desenvolvimento de competência em informação. O uso destas metodologias associadas alavancou de forma significante a análise de dados por permitir novas formas de percepção das confluências, oposições, comparações e a geração de novo conhecimento a partir dos dados.

Biografia do Autor

Ana Virgínia C. de Melo, UFPB

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Referências

ASSOCIATION OF COLLEGE AND RESEARCH LIBRARIES (ACRL). Information Literacy Competency Standards for Higher Education. [S.l.]: ACRL, 2000. Disponível em: <http://www.ala.org/ala/mgrps/divs/acrl/standards/informationliteracycompetency.cfm>, Acesso em: 10 ago. 2006.

MINAYO, Ma. Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 4. ed. São Paulo: HUCITEC-ABRASCO, 1996.

SILVA, Edna L. da. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da UFSC, 2001.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O campo intelectual: um mundo à parte In: BOURDIEU, Pierre. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

_______. Razones prácticas sobre la teoría de la acción. Barcelona, Espanha: Letra, 1997.

MELO, Ana Virgínia Chaves de. Análise do desenvolvimento dos estágios de competência informacional em estudantes do curso de graduação em biblioteconomia da Universidade Federal da Paraíba-UFPB. João Pessoa: UFPB/PPGCI, 2008. (Dissertação de Mestrado) – Programa de Pós-gradução em Ciência da Informação. UFPB. 2008.

NOVAK, Joseph D.; CAÑAS, Alberto J. The Theory Underlying the Cognitive Maps and how to construct them. Miami, Flórida: IHCM, 2006. Disponível em: <http://cmap.ihmc.us/Publications/ResearchPapers/TheoryCmaps/TheoryUnderlyingConceptMaps.htm>, Acesso em: 10. ago. 2006.

GOMES, Romeu. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Ma. Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Ed. 34, 1998.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

MELO, A. V. C. de. MAPAS COGNITIVOS E CATEGORIAS TEMÁTICAS COMO METODOLOGIAS ASSOCIADAS DE ANÁLISE E ORGANIZAÇÃO DE DADOS EM PESQUISA QUALITATIVA. Archeion Online, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 25–42, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/32307. Acesso em: 6 maio. 2021.

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa