Acesso à informação e ao patrimônio documental da Universidade Federal de Roraima: uma reflexão necessária

Autores

  • Tatiana Costa Rosa Instituto Federal de Roraima (IFRR)
  • Leila Adriana Baptaglin Universidade Federal de Roraima (UFRR)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2018v6n1.37714

Palavras-chave:

Acesso à informação. Patrimônio documental. Roraima. Universidade Federal de Roraima.

Resumo

Ao longo dos anos o Estado de Roraima passou diversas transformações estruturais e sociais, refletidas em suas instituições, e consequentemente em seus documentos. Tem-se como foco nesta pesquisa a Universidade Federal de Roraima (UFRR). Considera-se que esta instituição de ensino é um importante pilar na promoção da transparência informacional dentro do Estado de Roraima, visto que possui uma relação direta com a sociedade e seus bens documentais guardam memórias valiosas da história da Universidade e do Estado. Objetiva-se apresentar alguns aspectos acerca da situação do acesso à informação e do patrimônio documental da UFRR. Toma-se como base a Lei de Acesso à Informação brasileira e se parte da premissa de que um patrimônio documental é um documento de caráter permanente histórico. Esta pesquisa caracteriza-se como qualitativa, de campo e documental. Utiliza-se uma entrevista semiestruturada como instrumento para a coleta de dados. Os sujeitos entrevistados são os responsáveis pelos acervos documentais da Universidade, sendo que dois estão lotados na Divisão de Arquivo Geral (DARQ) e um no Núcleo de Documentação e Pesquisa Histórica (NUDOCHIS) da UFRR. Por meio dos resultados obtidos pode-se perceber que mesmo fazendo parte da mesma instituição, a DARQ e o NUDOCHIS possuem realidades distintas, tanto no que tange ao acesso informacional, quanto ao patrimônio documental. Todavia, as perspectivas voltadas ao acesso e aos bens documentais são positivas.

Biografia do Autor

Tatiana Costa Rosa, Instituto Federal de Roraima (IFRR)

Possui Graduação em Marketing, educação a distância pela Faculdade de Tecnologia Internacional do Grupo Uninter (2010), Graduação em Arquivologia pela Universidade Federal de Santa Maria (2013), Especialização em Gestão de Arquivos pela Universidade Federal de Santa Maria (2014).

Leila Adriana Baptaglin, Universidade Federal de Roraima (UFRR)

Professora do curso de Artes Visuais Licenciatura da UFRR
Doutora em Educação (UFSM)
Mestre em Educação (UFSM)
Mestre em Patrimônio Cultural (UFSM)
Especialista em Gestão Educacional (UFSM)
Bacharel e Licenciada em Artes Visuais (UFSM)

Referências

ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BARTALO, L. MORENO, N. A.Gestão em Arquivologia: abordagens múltiplas. LineteBartalo e Nádia Aparecida Moreno (orgs.). – Londrina: EDUEL, 2008.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. Ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2006.

BLOCH, M. Apologia da História ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001. p. 79.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>.Acesso em: 16 abr. 2017.

CRUZ MUNDET. J. R. Archivística: Gestión de documentos y administración de archivos. AlianzaEditorial, S. A. Madrid, 2012.

EDMONDSON, R. Memória do mundo: diretrizes para salvaguarda do patrimônio documental. Paris: UNESCO, 2002. Disponível em: <http://www.unesco.org.uy/ci/fileadmin/comunicacion-informacion/mdm.pdf>. Acesso em: 24 out. 2017.

FLORES. C. R. Treinamento de servidores via Moodle com vistas a preservação do patrimônio documental da Universidade Federal do Pampa. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Patrimônio Cultural). Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo: v.35, n.2, abril 1995.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. T. T. da Silva, G. L. Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2017.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Dicionário do Patrimônio Cultural: documentação. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/dicionarioPatrimonioCultural/detalhes/27/documentacao>. Acesso em: 11 out. 2017.

ILHA, R. M. Classificação documental: um estudo dos instrumentos de gestão com vistas à padronização. Monografia de Especialização em Gestão em Arquivos. Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA. IFRR. Disponível em:<http://www.ifrr.edu.br/acessoainformacao/institucional/historico-1> Acesso em: 17 abr. 2017.

JARDIM, J. M. A Lei de Acesso à Informação Pública: dimensões político-informacionais. 2012. Disponível em: <http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/view/68/110>. Acesso em: 16 abr. 2017.

LAGE, M. O. P. Abordar o patrimônio documental: territórios, práticas e desafios. Guimarães: Éden Gráfico, 2002. (Coleção Cadernos NEPS 4).

MAGALHÃES, D. de. Roraima: Informações históricas. Rio de Janeiro, 1986.

MINETTO, G.V. Lei de Acesso à Informação: a implantação dos requisitos de transparência ativa nas universidades federais com curso de graduação em Arquivologia. Trabalho de Conclusão de Curso. Porto Alegre, UFRGS, 2012.

TESSITORE, V. Como implantar centros de documentação. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2003. (Projeto como fazer, v. 9).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA. Disponível em: <http://ufrr.br/a-ufrr/historico>. Acesso em: 17 ago. 2017.

Downloads

Publicado

2018-07-01

Como Citar

ROSA, T. C.; BAPTAGLIN, L. A. Acesso à informação e ao patrimônio documental da Universidade Federal de Roraima: uma reflexão necessária. Archeion Online, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 03–22, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2318-6186.2018v6n1.37714. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/37714. Acesso em: 17 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Revisão