Pontos de convergência entre as Políticas de Informação em Saúde e a Arquivologia: a Gestão de Documentos no 2º PlaDITIS para as inovações nos serviços de saúde

Autores

  • Luiz Conrado De Farias Neto Universidade Federal da Bahia http://orcid.org/0000-0002-7843-9721
  • Gillian Queiroga ICI/UFBA
  • Francisco José Aragão Pedroza Cunha ICI/UFBA

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2018v6n1.38760

Palavras-chave:

Arquivologia, Gestão de Documentos, Arquivos em Saúde, Políticas de Informação em Saúde, Inovação.

Resumo

Identifica termos no 2º Plano Diretor para o Desenvolvimento da Informação e Tecnologia de Informação em Saúde (2º PlaDITIS) e relacioná-los com a Gestão de Documentos (GD). Parte dos pressupostos de que os arquivos são mecanismos de transferência de informação com potencial para propiciar inovações nos serviços, e que diretrizes da GD se aplicam nas Políticas de Informação em Saúde. Os métodos de Análises de Conteúdo e de Redes Semânticas são utilizados como estratégias para as informações levantadas nas pesquisas documental e bibliográfica. Os resultados revelam que os termos relacionados aos princípios, técnicas e procedimentos arquivísticos são pouco referenciadas no 2º PlaDITIS, o que resulta na necessidade de aprofundar os temas relacionados à GD, aos processos de tratamento, organização e disseminação das informações orgânicas em saúde nas próximas edições do plano. Por fim, é requerido que os gestores e os agentes da assistência, promoção e prevenção à saúde adotem as práticas arquivísticas possibilitando a geração de inovações, reduzindo a incongruência, profissionalizando a GD e potencializando a aprendizagem organizacional e as inovações nos organismos produtores de serviços de atenção à saúde.

Biografia do Autor

Luiz Conrado De Farias Neto, Universidade Federal da Bahia

Bacharelando em Arquivologia pela UFBA

Gillian Queiroga, ICI/UFBA

Professor Assistente do Departamento de Fundamentos de Processos Informacionais do ICI/UFBA.

Francisco José Aragão Pedroza Cunha, ICI/UFBA

Professor Adjunto do Departamento de Documentação e Informação do ICI/UFBA

Referências

ABRASCO. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Grupo Técnico de Informação em Saúde e População (GTISP). 2º Plano Diretor para o Desenvolvimento da Informação e Tecnologia de informação em Saúde:2º. PlaDITIS 2013-2017. Brasília, 2013.

ARQUIVÍSTICA, DICIONÁRIO BRASILEIRO DE TERMINOLOGIA. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 de outubro de 2017

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Lei 8.159, de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 09 jan. 1991.

CARVALHO, E. L.; LONGO, R.M.J.. Informação orgânica: recurso estratégico para tomada de decisão pelos membros do conselho de administração da UEL. Informação & Informação, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 113-133, dez. 2002. ISSN 1981-8920. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1703>. Acesso em: 23 set. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2002v7n2p113.

CARVALHO, M. M. de. Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. Editora Atlas SA, 2009.

CEGALLA, D. P. Nova minigramática da língua portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2004.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CIA). ISAD(G): Norma geral internacional de descrição arquivística: segunda edição, adotada pelo Comitê de Normas de Descrição, Estocolmo, Suécia, 19-22 de setembro de 1999, versão final aprovada pelo CIA. – Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

CONARQ. Conselho Nacional de Arquivos, Resolução n.º 14, de 24 de outubro de 2001.

CONARQ. Conselho Nacional de Arquivos, Resolução n.º 22, de 30 de junho de 2005.

CUNHA, F. J. A. P. Gestão de documentos, aprendizagem e inovação organizacional em hospitais. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 29 – 42, 2014.

CUNHA, F. J. A. P.; OLIVEIRA, L. A. F. de; LIMA, G. L. de Q. A função de avaliação na gestão documental em hospitais. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 206 – 225, 2015.

CUNHA, F. J. A. P.; RIBEIRO, N. M.; MONTEIRO, R. L. S.; PEREIRA, H. B. de B. Social network analysis as a strategy for monituring the dissemination of information between hospitals. TransInformação. Campinas. v. 28, n. 3, p. 309-322. 2016.

CUNHA, F. J. A. P.; RIBEIRO, N. M.; PEREIRA, H. B. de B. Records management: A basis for organizational learning and innovation. TransInformação. Campinas, v. 25, n. 2, p. 159-165. 2013.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor: Prática e princípios. São Paulo: Pioneira, 1987.

JARDIM, J. M.A pesquisa em arquivologia: métodos,especificidades e diálogos. In: NEVES, D. A. de B.; ROCHA, M. M. V.; SILVA, P. (Org.). Cartografia da pesquisa e do ensino da arquivologia no Brasil: IV REPARQ. João Pessoa: Editora da UFPB, 2016. p. 73-90.

JARDIM, J. M.; SILVA, S. C. de A.; NHARRELUGA, R. S. Análise de Políticas Públicas: uma abordagem em direção às políticas públicas de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p.2-22, 2009.

JUNIOR, A. S. de L. TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO E CURRÍCULO. In: ________ Tecnologias inteligentes e educação: Currículo hipertextual. Rio de Janeiro: Quartet; Juazeiro: FUNDESF, 2005.

LUZ, C. Primitivos digitais: uma abordagem arquivística. Salvador: 9Bravos, 2015.

LUZ, C. Arquivologia 2.0: A informação digital humana. Excertos de um Arquivista 2.0 no mundo digital.FDigital, 2010.

MENDONÇA, M. H.M.; GIOVANELLA, L. Formação em política pública de saúde e domínio da informação para o desenvolvimento profissional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, p. 601-610, 2007.

NASCIMENTO, N. M. do; VALENTIM, M. L. P.A relação entre os estudos de tipologia documental e o processo decisório. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Estudos avançados em Arquivologia. São Paulo: Cultura Acadêmica,2012. Cap. 15, p. 291-308.

ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo: proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. [S. l.]: OCDE; FINEP, 1997.

PEREIRA, H. B. B.; FADIGAS, I. S.; SENNA, V.; MORET, M. A. Semantic networks based on titles of scientific papers. Physica A, v. 390, p. 1192-1197. 2011.

RONDINELLI, R. C.. O Documento arquivístico ante a realidade digital. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

ROUSSEAU, J.; COUTURE, C. Os fundamentos da disciplina arquivística. Glossário. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SANTOS, V. B. dos. A prática arquivística em tempos de gestão do conhecimento. In: Arquivística: temas contemporâneos: classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. SANTOS, V. B. dos; INNARELLI, H. C.; SOUSA, R. T. B. de (Orgs.). Distrito Federal: SENAC, 2007.

Downloads

Publicado

2018-07-01

Como Citar

CONRADO DE FARIAS NETO, L.; QUEIROGA, G.; CUNHA, F. J. A. P. Pontos de convergência entre as Políticas de Informação em Saúde e a Arquivologia: a Gestão de Documentos no 2º PlaDITIS para as inovações nos serviços de saúde. Archeion Online, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 96–111, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2318-6186.2018v6n1.38760. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/38760. Acesso em: 17 maio. 2021.

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa