A gestão arquivística de documentos em saúde e os desafios para a utilização dos documentos digitais

Autores

  • Gillian Leandro de Queiroga Lima Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2020v8n1.55241

Resumo

Este artigo possui como objetivo apresentar aspectos relacionados à gestão arquivística de documentos e aos desafios para a utilização dos documentos digitais na área da saúde. Quanto à metodologia a pesquisa apresenta caráter exploratório e abordagem qualitativa. Adota como procedimentos a pesquisa documental e a pesquisa bibliográfica. Ressalta-se a importância dos documentos de arquivos e o papel da gestão arquivística de documentos como dispositivos essenciais para garantir à sociedade o direito de acesso às informações produzidas, recebidas e acumuladas no âmbito dos sistemas e serviços de saúde. Neste contexto é necessário a adoção de requisitos arquivísticos para que seja possível a garantia da autenticidade e a preservação dos documentos. Por fim, conclui-se que os serviços e sistemas de saúde necessitam adotar, por meio de suas políticas de informações e de arquivos, os requisitos relativos à gestão arquivística de documentos, principalmente no que diz respeito aos documentos digitais.

Referências

AGBO, C. C.; MAHMOUND, Q. H.; EKLUND, J. M. Blockchain technology in healthcare: a systematic review. Healthcare, v. 7, n. 2, p. 1-30, 2019. Disponível em: https://www.mdpi.com/2227-9032/7/2/56/htm. Acesso em: 08 jun. 2020.

BELLOTTO, H. L. Arquivo: estudos e reflexões. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

BELLOTTO, H. L. A diplomática como chave da teoria arquivística. Archeion online, João Pessoa, v. 3, n. 2, p. 04-13, jul./dez. 2015.
BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Modelo de requisitos para sistemas informatizados de gestão arquivística de documentos – e-ARQ. Versão 1.1. Rio de Janeiro: [Arquivo Nacional], 2011a. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/e-arq.pdf. Acesso em: 05 jun. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Orientação Técnica nº 1. Rio de Janeiro: CONARQ, 2011b. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_1.pdf. Acesso em: 29 maio 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Orientação Técnica nº 2. Rio de Janeiro: CONARQ, 2011c. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_2.pdf. Acesso em: 29 maio 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Diretrizes para a gestão arquivística de correio eletrônico corporativo. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012d. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/Correio_eletronico_completo_2.pdf. Acesso em: 09 jun. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Diretrizes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012e. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/conarq_presuncao_autenticidade_completa.pdf. Acesso em: 09 jun. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis - RDC-Arq. Rio de Janeiro: CONARQ, 2015f. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/diretrizes_rdc_arq.pdf. Acesso em: 1º jun. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Orientação Técnica nº 3. Rio de Janeiro: CONARQ, 2015g. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_rdcarq_2015_v8_pub.pdf. Acesso em: 29 maio 2020.
BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Orientação Técnica nº 4. Rio de Janeiro: CONARQ, 2016h. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_4.pdf. Acesso em: 29 maio 2020.
BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Glossário documentos arquivísticos digitais. 2016i. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/ctde/Glossario/2016CTDEGlossario_V7_public.pdf. Acesso: 29 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 13.787, de 27 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a digitalização e a utilização de sistemas informatizados para a guarda, o armazenamento e o manuseio de prontuário de paciente. Brasília: Palácio do Planalto, 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13787.htm. Acesso em: 20 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 13.874, de setembro de 2019. Institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica; estabelece garantias de livre mercado. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 20 set. 2019j. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-13.874-de-20-de-setembro-de-2019-217365826. Acesso em: 20 maio 2020.

BRASIL. Decreto nº 10.278, de 18 de março de 2020. Regulamenta o disposto no inciso X do caput do art. 3º da Lei nº 13.874, de 20 de setembro de 2019, e no art. 2º-A da Lei nº 12.682, de 9 de julho de 2012, para estabelecer a técnica e os requisitos para a digitalização de documentos públicos ou privados, a fim de que os documentos digitalizados produzam os mesmos efeitos legais dos documentos originais. Brasília: Palácio do Planalto, 2020k. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Decreto/D10278.htm. Acesso em: 20 maio 2020.

BRASIL. Portaria nº 1.434, de 28 de maio de 2020. Institui o Programa Conecte SUS e altera a Portaria de Consolidação nº 1/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para instituir a Rede Nacional de Dados em Saúde e dispor sobre a adoção de padrões de interoperabilidade em saúde. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 28 maio 2020l. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-1.434-de-28-de-maio-de-2020-259143327. Acesso em: 20 maio 2020.

DINGWALL, G. Modelo do ciclo vital e modelo do continuum: uma visão das concepções de organização arquivística desde o período do pós-guerra. In: EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 205-235.
GADELHA, C. A. G. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 521-535, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S141381232003000200015.
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232003000200015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 08 Jun. 2020.

GADELHA, C. A. G. et al. O complexo econômico-industrial da saúde CEIS. Informe CEIS, ano 1, n. 1, ago. 2010. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/repositorio/sites/default/files/arquivos/ComplexoSaude.pdf. Acesso em: 08 jun. 2020.

IACOVINO, L. Os arquivos como arsenais de responsabilidade. In: EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. (Org.). Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte: UFMG, 2016. p. 261-302.

JARDIM, J. M. Políticas públicas de informação: a (não) construção da política nacional de arquivos públicos e privados (1994-2006). São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação, 2008. Disponível em: < http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/ixenancib/paper/viewFile/3077/2203>. Acesso em: 08 jun. 2020. p. 1-17.

LIMA, G. L. Q. de. As formações discursivas da Gestão arquivística e a difusão do conhecimento nos OPSAS: uma análise a partir das práticas de tratamento e organização das informações orgânicas em saúde. Tese (Doutorado em Difusão do Conhecimento) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

LIMA, Gillian Leandro de Queiroga. Gestão de Documentos Arquivísticos em Saúde: o processo de tratamento e organização os RES. In: CUNHA, Francisco José Aragão Pedroza, BARROS, Susane Santos, PEREIRA, Hernane Borges de Barros (org.). Conhecimento, inovação e comunicação em serviços de saúde: governança e tecnologias. Salvador: Edufba, 2020.

LOPES, L. C. A nova arquivística na modernização administrativa. 3. ed. Brasília: Annabel Lee, 2013.

SCHWAB, Klaus. A Quarta Revolução Industrial. São Paulo: Edipro, 2016.
TASK FORCE ON THE ARCHIVING OF DIGITAL INFORMATION. Preserving digital information: report of the task force on archiving of digital information. Washington, D.C. : Commission on Preservation and Access, 1996. Disponível em: http://www.rlg.org/ArchTF/. Acesso em: 28 maio 2020.

TRACE, C. B. Dentro ou for a do document? In: EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. (Org.). Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horionte: UFMG, 2016. p. 77-106.

VALENTIM, M. L. P. Gestão documental em ambientes empresariais. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Estudos avançados em Arquivologia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 11- 25.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

LIMA, G. L. de Q. A gestão arquivística de documentos em saúde e os desafios para a utilização dos documentos digitais. Archeion Online, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 192–210, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2318-6186.2020v8n1.55241. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/archeion/article/view/55241. Acesso em: 15 maio. 2021.

Edição

Seção

Relatos de Experiência