Fontes e doses de matéria orgânica na produção de mudas de mamoeiro

  • Erbia Bressia Gonsalves Araujo Universidade Federal de Campina Grande
  • Luana Lucas de Sá Almeida Universidade Federal de Campina Grande
  • Fablo Fernandes Universidade Federal de Campina Grande
  • Francisco Vanies da Silva Sá Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Reginaldo Gomes Nobre Universidade Federal de Campina Grande
  • Emanoela Pereira de Paiva Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Evandro Franklin de Mesquita Universidade Estadual da Paraíba
  • Jeane Cruz Portela Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Resumo

Objetivou-se avaliar o efeito das diferentes fontes e doses de matéria orgânica no crescimento e acúmulo de fitomassa de mudas de mamoeiro. O experimento foi conduzido no período de junho a agosto de 2014, em estufa metálica com cobertura de polietileno na cidade de Pombal-PB, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 5 x 4, constituído de 5 fontes de matéria orgânica adicionadas ao solo (Bokashi®; Esterco Ovino; Esterco Bovino; Bokashi + Est. Bovino (1:1) e Bokashi + Est. Ovino (1:1)) em 4 doses (0, 10, 20 e 30% do volume) com 4 repetições. Aos 60 dias após a semeadura às mudas foram avaliadas quanto ao crescimento e acúmulo de fitomassa. O esterco bovino é a fonte de matéria orgânica que promove o maior crescimento e acúmulo de fitomassa as mudas de mamoeiro cv. Tainung-01. As melhores doses de matéria orgânica para confecção do substrato para produção de mudas de mamoeiro cv. Tainung-01 são: 30% (v/v) para o Bokashi; 21% (v/v) para esterco ovino; 15% (v/v) para esterco bovino; 20% (v/v) para o Bokashi + esterco bovino e 18% (v/v) para Bokashi + esterco ovino.

Biografia do Autor

Erbia Bressia Gonsalves Araujo, Universidade Federal de Campina Grande
Graduanda em Agronomia da Universidade Federal de Campina Grande
Luana Lucas de Sá Almeida, Universidade Federal de Campina Grande
Graduanda em Agronomia da Universidade Federal de Campina Grande
Fablo Fernandes, Universidade Federal de Campina Grande
Graduando em Agronomia da Universidade Federal de Campina Grande
Francisco Vanies da Silva Sá, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Engenheiro Agrônomo, Mestrado em Manejo de Solo e Água da Universidade Federal de Semi-Árido. Membro do Conselho Editorial das revistas Agropecuária Científica do Semi-Árido e da Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Atua em pesquisa na área de Manejo e Conservação de Solo e Água ( Salinidade, Irrigação, Adubação e manejo de Corretivos) e suas atribuições nos aspectos Fitotécnicos (Emergência e crescimento inicial, Morfofisiologia, Comportamento hormonal, Nutrição e produtividade) de plantas cultivadas e nativas da Caatinga.
Reginaldo Gomes Nobre, Universidade Federal de Campina Grande
Professor Adjunto III, Bolsista de Produtividade PQ - CNPq e Coordenador de Pesquisa e Extensão da UAGRA / CCTA / Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Campus de Pombal - PB. Professor do Curso de Mestrado em Horticultura Tropical e Mestrado em Sistemas Agroindustriais do CCTA/UFCG . Possui Graduação em Agronomia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (1999), Especialização pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em elaboração de projetos de irrigação (2000), Mestrado em Engenharia Agrícola pela UFPB (2001), Doutorado em Engenharia Agrícola pela UFCG(2008); Bolsista PRODOC (2008/2009) em Engenharia Agrícola na UFCG com projetos ligados ao reúso de águas residárias, Bolsista Pós-Doutorado Júnior INCTSal/CNPq (2009) com projetos envolvendo a salinidade e oleaginosas. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Irrigação, drenagem e salinidade atuando principalmente nos seguintes temas: estresse salino e hídrico, manejo de solo-água-planta, cajucultura, hortaliças, oleaginosas e qualidade de água. Atalmente é Bolsista de Produtividade em Pesquisa Nível 2 do CNPq.
Emanoela Pereira de Paiva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2011). Mestrado em Agronomia na área de Horticultura Tropical pela Universidade Federal de Campina Grande. Doutorado em andamento em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA). Atua em pesquisa na área de propagação de plantas, com ênfase em tecnologia de sementes, produção de mudas e fisiologia do estresse hídrico e salino.
Evandro Franklin de Mesquita, Universidade Estadual da Paraíba
Possui graduação em agronomia (1998), mestrado em Manejo de Solo e Água (2005), ambos, pela Universidade Federal da Paraíba e doutor em Engenharia Agrícola, área de concentração: Irrigação e Drenagem pela Universidade Federal de Campina Grande (2010). É professor e pesquisador Doutor C DE (dedicação exclusiva) da Universidade Estadual da Paraíba, atuando nas áreas de sustentabilidade dos solos agrícolas, manejo da irrigação, produção de mudas e plantas hortícolas e oleaginosas. Atualmente, é coordenador do curso de Licenciatura em Ciências Agrárias. Na área de ensino leciona os seguintes componentes curriculares nos cursos de Ensino Médio Integrado ao Técnico em Agropecuária e Ciências Agrárias: Fertilidade do solo e Nutrição Mineral de Plantas e Estatística Experimental.
Jeane Cruz Portela, Universidade Federal Rural do Semi-Árido
Engenheira Agrônoma pela Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia - UFBA (1997), mestre em Agronomia: Solos e Nutrição de Plantas pela Escola Superior de Agricultura ?Luiz de Queiroz? da Universidade de São Paulo - ESALQ/USP (2000), doutora em Ciência do Solo pela Universidade Federal Rio Grande do Sul - UFRGS (2009). Pós-doutorado pela UFRGS (2009). Bolsista de desenvolvimento Científico Regional (DCR) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq e consultora da Fundação de Amparo à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do estado de Sergipe - FAPITEC-SE (2011). Atualmente, é professora Adjunto III da Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Física, Manejo e Conservação do Solo, atuando principalmente nos seguintes temas: física do solo, erosão hídrica pluvial, solos coesos dos Tabuleiros Costeiros, sistema radicular, manejo e conservação do solo e da água.
Publicado
2015-10-26
Como Citar
Araujo, E. B. G., Almeida, L. L. de S., Fernandes, F., Sá, F. V. da S., Nobre, R. G., Paiva, E. P. de, Mesquita, E. F. de, & Portela, J. C. (2015). Fontes e doses de matéria orgânica na produção de mudas de mamoeiro. Agropecuária Técnica, 36(1), 264-272. https://doi.org/10.25066/agrotec.v36i1.24386
Seção
Artigo Científico