REMINISCÊNCIAS NAS INTERMÍDIAS: A CONSTRUÇÃO DA PERSONAGEM JANE, DE BIG LITTLE LIES

  • Bruna Farias Machado UFRGS

Resumo

O romance de Liane Moriarty intitulado Pequenas Grandes Mentiras (2015) tem como mote da trama um assassinato que ocorre durante um evento escolar. Sob uma atmosfera de suspense, a narrativa mostra, aos poucos, os segredos que se imiscuíram e corroboraram em certa medida com o assassinato. Vencedora do Emmy, a minissérie Big Little Lies (2017), dirigida por Jean-Marc Vallé, é uma adaptação do livro homônimo de Moriarty e desenvolve a trama do romance utilizando recursos cabíveis de sua mídia que possibilitam novas interpretações, especialmente no que diz respeito à personagem Jane, vítima de violência sexual. Sob o prisma dos estudos de Linda Hutcheon (2013), que desconsidera a fidelização por compreender que durante o processo de adaptação mudanças ocorrem, o presente trabalho visa elucidar as diferentes características da personagem Jane nas intermídias literária e fílmica. Aliado a isso, visa-se explorar de que maneiras o leitor/espectador pode perceber resquícios dos acontecimentos traumáticos sofridos, uma vez que, como lembra Jaime Ginzburg (2012), o impacto traumático macula a linguagem e a constituição da personagem devido à força da violência sofrida, oportunizando, dessa forma, estudos que evidenciem essa potência subjetiva de significação.
Publicado
2020-04-28
Seção
Entrad2019: Tradução Intersemiótica e Adaptação