De “Love In Vain” a “Deixado pra Trás”

Tradução anotada de uma canção de Robert Johnson

  • Lauro Meller UFRN
  • Mateus Nogueira Batista Vale Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa PIJ15800-2018 (PROPESQ-UFRN), “Tradução de Letras de Canções da Música Popular Brasileira e da Música Popular Anglo-Americana: aspectos teóricos e práticos”, que vem sendo desenvolvido desde 2017. De caráter teórico-prático, as reuniões têm envolvido a leitura e discussão de textos teóricos sobre tradução (MUNDAY, 2016; BAKER, 2011; BARBOSA, 2007), tradução literária (BRITTO, 2016) e, mais especificamente, tradução de letras de canção, com destaque para os escritos de Peter Low (em especial, LOW, 2017). Na etapa 2018-2019 do projeto, elegemos as obras de dois cantautores paradigmáticos, respectivamente da MPB e da Música Popular Norte-Americana: os contemporâneos Noel Rosa (1910-1937), primeiro compositor de sambas urbanos com substancial obra preservada em fonogramas; e Robert Johnson (1911-1938), também com expressivo legado em gravações, considerado um dos fundadores do blues. Neste paper, comentamos a tradução que fizemos, do inglês para o português, de uma das canções mais conhecidas de Johnson, “Love in Vain”. A tradução seguiu o “Princípio do Pentatlo” formulado por Low. Em resumo, ele observa cinco critérios ao se traduzir uma letra de canção: 1) Ritmo: a letra deve manter o mesmo número de sílabas poéticas por verso, respeitando-se as tônicas. Isso possibilitará cantar a letra traduzida sobre a melodia original; 2) Sentido: deve-se reproduzir, dentro do possível, o sentido da letra original; 3) Cantabilidade: a nova letra deve ser fácil de cantar, evitando-se sílabas, palavras ou grupos de palavras que sejam de difícil articulação, principalmente em notas muito agudas ou graves; 4) Naturalidade: a tradução deve soar tão natural quanto se a canção tivesse sido escrita na língua-alvo; 5) Rimas: sempre que possível, deve-se observar as rimas da letras original na tradução, ou compensar esse artifício poético com outras rimas. De maneira geral, acreditamos termos logrado êxito nesse exercício tradutório, no sentido de que conseguimos produzir uma versão da letra cantável em português, sobre a mesma melodia da versão original, preservando-lhe o sentido e mantendo rimas. As particularidades da tradução, bem como os trechos que representaram especial desafio, são comentadas ao longo do paper.

Biografia do Autor

Mateus Nogueira Batista Vale, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Graduando em Letras (Inglês) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Colaborador do projeto de pesquisa “Tradução de Letras de Canção da Música Popular Brasileira e da Música Popular Anglo-Americana: aspectos teóricos e práticos” (PROPESQ-UFRN).
Publicado
2020-04-28