Uso popular de recursos vegetais e perfil socioeconômico de moradores de comunidades rurais de Sinop, Mato Grosso, Brasil

Autores

  • Maira Luiza Spanholi Universidade Federal de Mato Grosso, situada na Avenida Alexandre Ferronato, 1200 - St. Industrial, Sinop - MT http://orcid.org/0000-0002-2026-7752
  • Marliton Rocha Barreto Universidade Federal de Mato Grosso, situada na Avenida Alexandre Ferronato, 1200 - St. Industrial, Sinop - MT

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n1.33130

Resumo

As plantas são essenciais à sobrevivência humana, sendo utilizadas para suprir diversas demandas e resgatar o conhecimento tradicional sobre a utilização delas possibilita a transmissão de informações entre gerações. O objetivo da pesquisa foi apresentar o perfil socioeconômico dos moradores de comunidades rurais no município de Sinop, Mato Grosso, descrevendo o uso popular dos recursos vegetais coletados e cultivados, estabelecendo a relação sociocultural e econômica entre as famílias botânicas e entrevistados. A metodologia utilizou técnica de lista livre e questionário semiestruturado, utilizando o processo de seleção Bola de Neve. A análise de regressão linear simples foi usada para verificar se a renda explica o número de plantas citadas. As comunidades estudadas foram: Brígida, 11 de Julho, Adalgisa, Agrovila, Planalto, Bom Jardim e Monalisa, com 226 pessoas entrevistadas. Foram citadas 2.885 plantas, sendo 217 espécies em 70 famílias botânicas. Pessoas de origem da região Sul do país e aquelas com idade superior a 50 anos conhecem maior quantidade de plantas. A análise de regressão revelou que a renda pode explicar a quantidade de plantas citadas pelos entrevistados. Uso das plantas como fontes de recursos alimentícios e medicinais garantem a subsistência dos entrevistados, porém a transmissão de conhecimentos entre as gerações está sendo perdida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maira Luiza Spanholi, Universidade Federal de Mato Grosso, situada na Avenida Alexandre Ferronato, 1200 - St. Industrial, Sinop - MT

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT e Mestrado em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT.

Marliton Rocha Barreto, Universidade Federal de Mato Grosso, situada na Avenida Alexandre Ferronato, 1200 - St. Industrial, Sinop - MT

Doutor em Ciências Biológicas - Entomologia Núcleo de Estudos da Biodiversidade da Amazônia Mato-grossense - NEBAM Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais - ICNHS / UFMT

Referências

Albuquerque, U. P., Alves, A. G. C, Araújo, A. S. 2007. Povos e Paisagens: Etnobiologia, Etnoecologia e Biodiversidade no Brasil. NUPEEA/UFRPE.

Albuquerque, U. P de; Lucena, R. F. P. de; Neto, E. M. F. L. 2010. Seleção dos participantes da pesquisa. In: Albuquerque, Ulysses Paulino de; Lucena, Reinaldo Farias Paiva de; Cunha, Luiz Vital Fernandes Cruz da. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. NUPEEA.

Albuquerque, U. P de. 2014. Introdução à Etnobiologia. Recife – PE. NUPEEA.

Amorozo, M. C. M. 2002. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antonio do Leverger, MT, Basil. Acta Botânica Brasílica. vol.16 no.2 São Paulo.

Amorozo, M. C. M. 2002a. Traditional agriculture, enduring spaces and the joy of planting. In: Albuquerque, U. P. de; Alves, A. G. C.; Silva, A. C. B. L.; Da Silva, V. A. (Orgs.). Actualities in Ethnobiology and Ethnoecology. Recife: Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia. Ed. SBEE, Recife, PE. p. 123-131. (in Portuguese).

Bernard, H. R. 2006. Research methods in cultural anthropology. Qualitative and quantitative approach. Altamira Press. United States of America. 4th Edition, 803p.

Carniello, M. A.; Silva, R. S.; Cruz, M. A. B.; Guarim Neto, G. 2010. Quintais urbanos de Mirassol D’Oeste-MT, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Acta Amazônica, Manaus, v. 40(3), p. 451-470.

Diegues, A. C. 2000. Etnoconservação da natureza: enfoques alternativos. In: DIEGUES, A.C. (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec, p. 1-46.

Emperaire, L. 2006. Histórias de plantas, histórias de vida: uma abordagem integrada da diversidade agrícola tradicional na Amazônia. In: CUBO, R. R. et al. (Orgs.). Atualidades em etnobiologia e etnoecologia. v. 3. 1ª ed. Recife: NUPEEA/Sociedade Brasileira de Etnobiologia e etnoecologia.

Freitas, A. V. L.; Coelho, M. F. B.; Maia, S. S. S.; Azevedo, R. A. B. 2012. Plantas medicinais: um estudo etnobotânico nos quintais do Sítio Cruz, São Miguel, Rio Grande do Norte, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 48-59.

Guarim Neto, G.; Guarim, V. L. M. S.; Carniello, M. A.; Macedo, M. 2010. Quintais urbanos e rurais em Mato Grosso: socializando espaços, conservando a diversidade de plantas. In: Silva, V. A.; Almeida, A. L. S.; Albuquerque, U. P. (Orgs.). Etnobiologia e Etnoecologia – pessoas e natureza na América Latina. Recife: NUPEEA, 382 p. a

Hanazaki, N. 2004. Capítulo 1: Etnobotânica. In: Begossi, A.; Leme, A; Seixas, C. S.; Castro, F. De; Pezutti, J.; Hanazaki, N.; Peroni, N; Silvano, R. A. M. Ecologia de Pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo: Hucitec. p.37- 57.

Hanazaki, N. 2006. Conhecimento caiçara para o manejo de recursos naturais. In: Albuquerque, U. P. de. et al. Atualidade em etnobiologia e etnoecologia. 2. ed. Recife: NUPEEA. vol. 1, 17-23 p.

Lunelli, N. P. 2014. Conhecimento e uso de espécies arbóreas por agricultores do Vale do Ribeira. Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente. São Paulo, 109 p. (Dissertação).

Martin, G. J. 1995. Ethnobotany: a methods manual. London: Chapman & Hall, 268p.

Martins, W. M. O. 2013. Etnoconhecimento de plantas de uso medicinal na microrregião do Vale do Juruá, Acre, Brasil. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, N.16; p. 2.540.

Novais, A. N.; Guarim Neto, G.; Guarim, V. L. M. S.; Pasa, M. C. 2011. Os quintais e a flora local: um estudo na Comunidade Jardim Paraiso, Cáceres-MT, brasil. Revista Biodiversidade. v. 10, n. 1.

Oliveira, W. A. 2013. Os Recursos Vegetais E O Saber Local Nos Quintais Da Comunidade De Santo Antônio Do Caramujo, Cáceres, Mato Grosso, Brasil. Faculdade de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Mato Grosso. Cáceres, MT, Brasil (Dissertação).

Pasa, M. C. 2004. Etnobiologia de uma comunidade ribeirinha no alto da bacia do rio Aricá-Açú, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 174 f. (Tese)

Pasa, M. C. 2011. Saber local e medicina popular: a etnobotânica em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 6, n. 1, p. 179-196.

Pieroni, A.; Vandebroek, I. 2007 (Eds). Traveling cultures and plants - The ethnobiology and ethnopharmacy of human migrations. Vol.7.1 st. ed. Berghahn Books. New York – Oxford. 13p.

Poderoso, R. A. 2012. Conhecimento local sobre plantas no entorno da floreta nacional de Ibirama-SC. Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal, Florianópolis-SC, 150 p. (Dissertação).

Roque, A. A. 2009. Potencial de uso dos recursos vegetais em uma comunidade rural do semiárido do Rio Grande do Norte. Programa Regional de Pós Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. (Dissertação).

Ruddle, K. 2000. Systems of Knowledge: Dialogue, Relationships and Process. Environment, Development and Sustainability, 2.p.277- 304.

Schutkowski, H. 2006. Human ecology: biocultural adaptations in human communities. Springer.

Shanley, P.; Medina, G. 2005. Frutíferas e Plantas Úteis na Vida Amazônica. Belém: CIFOR, Imazon.

Souza, A. P.; Mota, L. L.; Zamadei, T.; Martim, C. C.; Almeida, F. T.; Paulino, J. 2013. Classificação climática e balanço hídrico climatológico no Estado de Mato Grosso. Nativa – Pesquisas Agrárias e Ambientais, v.1, n.1, p.34-43.

Strachulski, J.; Floriani, N. 2013. Conhecimento popular sobre plantas: um estudo etnobotânico na comunidade rural de Linha Criciumal, em Cândido de Abreu- PR. Revista Geografar, Curitiba-PR, v.8, n.1, p.125-153.

Toledo, V. M.; Batis, A.I.; Becerra, R.; Martinez, E; Ramos C.H. 1995. La selva útil: etnobotánica quantitativa de los grupos indígenas del trópico húmedo de México. Interciência, 20: 177-87.

Veiga, J. B. da. Etnobotânica e etnomedicina na reserva de desenvolvimento sustentável do Tupé, baixo Rio Negro: plantas antimaláricas, conhecimentos e percepções associadas ao uso e à doença. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus – AM, 2011 (Tese).

Vieira, F. J. 2008. Uso e diversidade dos recursos vegetais utilizados pela Comunidade Quilombola dos Macacos, São Miguel do Tapuio. Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Universidade Federal do Piauí. 124f. (Dissertação).

Viu, Alessandra F. M; Viu, Marco Antônio de O; Campos, Letícia Z. O. 2010. Etnobotânica: uma questão de gênero? Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre – RS.

Downloads

Publicado

2018-04-07

Como Citar

SPANHOLI, M. L.; BARRETO, M. R. Uso popular de recursos vegetais e perfil socioeconômico de moradores de comunidades rurais de Sinop, Mato Grosso, Brasil. Gaia Scientia, [S. l.], v. 12, n. 1, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n1.33130. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/gaia/article/view/33130. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Ciências Ambientais