O abastecimento de água no Brasil

uma prospecção bibliográfica no âmbito da historiografia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.53781

Palavras-chave:

História, Abastecimento de água, Brasil, Historiografia

Resumo

O artigo apresenta o resultado de um estudo bibliográfico sobre a história do abastecimento de água no Brasil. Partindo de um conjunto de doze textos (dez dissertações e duas teses) procedentes de Programas de Pós-Graduação em História, o artigo identifica aspectos relevantes para a construção de um conhecimento histórico sobre o tema; analisa procedimentos metodológicos presentes nas obras e trata das fontes documentais usadas pelos historiadores que elegeram o abastecimento de água como objeto das suas investigações. Os critérios aplicados para a seleção da bibliografia, as prioridades definidas e as limitações da abordagem adotada são descritos na Introdução do artigo. Posteriormente, a segunda seção apresenta um panorama da historiografia do abastecimento de água no Brasil com ênfase nas fontes documentais pesquisadas pelos historiadores. Na sequência, a terceira seção concede uma especial atenção para as escalas espaciais e a quarta trata dos recortes cronológicos presentes no conjunto dos textos acadêmicos selecionados.

Biografia do Autor

Fabiano Quadros Rückert, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Fabiano Quadros Rückert é Doutor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Tem Licenciatura Plena e Mestrado em História também pela UNISINOS, tendo realizado intercâmbio na Universidad Nacional del Centro de la Província de Buenos Aires e na Universidad de Jaén – España. É Professor Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campus do Pantanal. Desenvolve pesquisas no campo da História Urbana e da História Ambiental.

Referências

ADVÍNCULA, Chyara Charlotte Bezerra. Entre miasmas e micróbios: a instalação de redes de água e esgoto na cidade de Parahyba do Norte (PB) e outras medidas de salubridade – 1910/1926. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. Falas de astúcia e angústia: a seca no imaginário nordestino – de problema a solução (1877-1922). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Estadual de Campinas, SP, 1988.

BARRETO, Neila Maria Souza. Água: gota da vida. Abastecimento e uso no Espaço Urbano de Cuiabá (1790-1886). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2005.

BARROSO, Luís Roberto. Saneamento Básico: competências constitucionais da União, Estados e Municípios. Revista de Informação Legislativa, v. 38, n. 153, p. 255-270, jan./mar. 2002.

CAPELATO, Maria Helena. O Estado Novo: o que trouxe de novo? In: DELGADO, Lucilia de A. N.; FERREIRA, Jorge. (Orgs). O Brasil Republicano, V. II. O tempo do nacional-estatismo, do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 107-145.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

CAMINHA, Adolfo. A Normalista [1893]. Fortaleza: ABC Editora, 2005.

CHAVES, José Olivenor Souza. Fortaleza e os retirantes da seca de 1877-1879: o real de um imaginário dominante. Dissertação de Mestrado em História, Recife, 1995.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados. O Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

CORDEIRO, Lorena de Pauli. Uma História Ambiental dos mananciais da Serra do Mar: o abastecimento de água para Curitiba (1870-1929). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

DINIZ, José Nilo Bezerra. Paisagens marginais: um estudo em perspectiva histórica de localidades portuárias no sertão brasileiro (1808-1851) e no deserto do sudoeste africano (1884-1914). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

HERSCHMANN, Micael; PEREIRA, Carlos Alberto M. (Orgs.). A invenção do Brasil Moderno. Medicina, educação e engenharia no Brasil dos anos 20-30. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

KLAUCK, Aline Gabriela. Água, fontes e aguadeiros: o abastecimento hídrico em Nossa Senhora do Desterro (século XIX). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

KROPF, Simone. Sonhos da razão, alegoria da ordem: o discurso dos engenheiros sobre a cidade do Rio de Janeiro no final do século XIX e início do XX. In: HERSCHMANN, Micael; KROPF, Simone; NUNES, Clarice (Orgs.). Missionários do Progresso: Médicos, Engenheiros e Educadores no Rio de Janeiro (1870-1937). Rio de Janeiro: Diadorim, 1996, p. 69-155.

LAHOZ, Rodrigo Augusto Lazzari. Serviços Públicos de Saneamento Básico e Saúde Pública no Brasil. São Paulo: Almedina, 2016.

LEOPOLDI, Maria Antonieta P. A economia política do primeiro governo Vargas (1930-1945): a política econômica em tempos de turbulência. In: DELGADO, Lucilia de A. N.; FERREIRA, Jorge. (Orgs.). O Brasil Republicano V. II. O tempo do nacional-estatismo, do inicio da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 241-287.

LESSA, Renato. A Invenção Republicana. Rio de Janeiro. Vértice. 1988.

MACHADO DE ALMEIDA, Gilmar. A domesticação da água: os acessos e os usos da água na cidade do Rio de Janeiro entre 1850 a 1889. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

MESQUITA, Yuri Mello. Jardim de asfalto: água, meio ambiente, canalização e as políticas públicas de saneamento básico em Belo Horizonte, 1948-1973. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

NETO, Emy Falcão Maia. Cartografias da água: territorialidades, políticas e usos da água doce em Fortaleza (1856 – 1926). Tese de Doutorado em História. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

NEVES, Frederico de C. A Multidão e a História: saques e outras ações de massa no Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

PANDOLFI, Dulce. Os anos 1930: as incertezas do regime. In: DELGADO, Lucilia de A. N.; FERREIRA, Jorge (Orgs). O Brasil Republicano V. II. O tempo do nacional-estatismo, do inicio da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 13-39.

PEIXOTO, Aline Teixeira. Do “fabuloso” à “realidade”: a comunidade de Feiticeiro no Ceará (1932-1942). Universidade Federal de Campina Grande, PB, Campina Grande, 2015.

PEIXOTO, João Batista. O barulho da água: os municípios e a gestão dos serviços de saneamento. São Paulo: Água e Vida, 1994.

QUEIROZ, Rachel de. O Quinze. 92. ed. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio, 2011.

REZENDE, Sonaly Cristina; HELLER, Léo. Saneamento no Brasil. Políticas e Interfaces. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

RIOS, Kênia S. Campos de Concentração: Isolamento e Poder na seca de 1932. Fortaleza: Museu do Ceará, 2001.

ROCHA DE ALMEIDA, Conceição Maria. As águas e a cidade de Belém do Pará: história, natureza e cultura material no século XIX. Tese de Doutorado em História. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, São Paulo, 2010.

RÜCKERT, Fabiano Quadros. Saturnino de Brito e a modernização do abastecimento de água no Rio Grande do Sul da Primeira República. Estudios Históricos, Año IX, n. 18, p. 1-34, Jul.-Dic. 2017.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Cidades das águas: usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). São Paulo: Editora SENAC, 2007.

SILVA, Edson. Modernização, sanitarismo e cotidiano (Jacobina – BA, 1955-1959). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Campina Grande, PB, Campina Grande, 2015.

SOUZA, Fabiano Badú de. Modernidade à conta gotas: por uma história do abastecimento de água em Campina Grande – PB (1950-1958). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Campina Grande, PB, Campina Grande, 2013.

TEDESCHI, Denise Maria Ribeiro. Águas urbanas: as formas de apropriação das águas em Mariana/MG (1745-1798). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Estadual de Campinas, SP, Campinas, 2011.

VILLA, Marco Antonio. Vida e morte no sertão: História das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. SP: Ática, 2000.

Downloads

Publicado

2020-11-18

Como Citar

RÜCKERT, F. Q. O abastecimento de água no Brasil: uma prospecção bibliográfica no âmbito da historiografia. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 25, n. 43, p. 280–295, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2020v25n43.53781. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/srh/article/view/53781. Acesso em: 8 maio. 2021.