“Civilização e liberdade, pátria e humanidade”

os propagandistas republicanos pelotenses e a abolição da escravidão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47%20(jul./dez.).62465

Palavras-chave:

História política, Abolição, República, Propagandistas, Pelotas

Resumo

A cidade de Pelotas, situada na Província do Rio Grande do Sul, foi a principal produtora de charque do Brasil e, palco de uma das elites de maior prestígio social do Império. Os charqueadores estavam entre as elites mais ricas, prestigiosas e poderosas do país e, politicamente, serviam como braço direito da monarquia na região. Na década de 1880, mesmo em um contexto de profunda crise nas charqueadas escravistas e, de intensa campanha abolicionista, os barões do charque continuaram como um alicerce do Império e da escravidão em toda fronteira Sul. Todavia, muitos dos principais republicanos de Pelotas eram os herdeiros desses senhores e das fortunas construídas através dos longos e intensos anos de atividades escravas na região. Como resultado, vários são os questionamentos que pairam sobre como os republicanos pelotenses se comportaram diante deste desafio, além das estratégias que eles utilizaram para não perderem espaço dentro do debate abolicionista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica Rodrigues Bandeira Peres, Universidade Federal de Pelotas

Historiadora, mestre em História e doutoranda em História pelo programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pelotas. Bolsista Capes.

Referências

ALONSO, Angela. Ideias em movimento: a Geração 1870 na crise do Brasil-Império. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: O movimento abolicionista brasileiro (1868-88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

AZEVEDO, Elciene. Orfeu de Carapinha. A trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. São Paulo: Editora Unicamp, 2005.

CASTILHO, Celso Thomas. Slave Emancipation and Transformations in Brazilian Political Citizenship. Pittsburgh, PA: University of Pittsburgh Press, 2016.

COUTO, Felipe Rabelo. Manifesto republicano de 1870: esboço institucional de uma república parlamentarista. In: 30º Simpósio Nacional de História. Recife: ANPUH-Brasil, 2019.

COTA, Luiz Gustavo Santos. Ave, libertas: abolicionismo e luta pela liberdade em Minas Gerais na última década da escravidão. Tese (Doutorado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2013.

FERNANDES, Maria Fernanda Lombardi. Os republicanos e a abolição. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, n. 27, p. 181-195, 2006.

GILL, Lorena Almeida; LONER, Ana Beatriz; MAGALHÃES, Mario Osorio (orgs.). Dicionário de História de Pelotas. 3ª. ed. Pelotas: Editora da UFPel, 2017.

GONÇALVES, Mariana Couto. A voz do escravo: o eco transmissor da causa abolicionista pelotense. História em Revista, Pelotas, v. 19, p. 236-245, 2013.

GONÇALVES, Mariana Couto. O 13 de Maio e a Festa Abolicionista Pelotense na revista ilustrada A Ventarola. In: Anais Eletrônicos do II Encontro História, Imagem e Cultura Visual. Porto Alegre: Brasil GT História, Imagem e Cultura Visual - ANPUH-RS, 2013, p. 01-10.

GUTIERREZ, Ester J. B. Negros, charqueadas & olarias: um estudo sobre o espaço pelotense. Pelotas: UFPel, 2001.

LONER, Beatriz. A revolta que oficialmente não houve. História em revista. Pelotas, v. 3, p. 29-52, 1997.

LONER, Beatriz. Gerações e conjunturas: a família Silva Santos. In: XXVII Simpósio Nacional de História. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2013, p. 01-19.

LONER, Beatriz. Abolicionismo e imprensa em Pelotas. In: Anais do II Congresso Internacional de Estudos Históricos: Imprensa, História, Literatura e Informação. Rio Grande: ED. FURG, 2007, p. 57-64.

LONER, Beatriz. Abolição. In: LONER, Beatriz. GILL, Lorena. MAGALHÃES, Mario Osório (org.). Dicionário de história de Pelotas. Pelotas: Ed. Da UFPel, 2012.

MACHADO, Humberto Fernandes. José do Patrocínio e a luta contra a indenização aos “republicanos de 14 de maio”. In: ANPUH – XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza: UFC, 2009, p. 01-09.

MARTINY, Carina. “O chefe político dos mais avançados republicanos”: Júlio de Castilhos e o processo de construção da República (1882-1903). Tese (Doutorado em História). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018.

NUNES, Etiane Carvalho. “Não, a mulher brasileira não é escravocrata”: a participação das mulheres no movimento abolicionista em Pelotas (1881-1884). Trabalho de conclusão de curso. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2019.

OSORIO, Fernando; MAGALHÃES, Mario Osorio (orgs.). A Cidade de Pelotas. 3ª. ed. Pelotas: Armazém Literário, v. 1, 1997.

PERES, Jéssica Rodrigues Bandeira. Abaixo a monarquia: liderança política e propaganda republicana em Pelotas-RS (1880-1889). Dissertação (Mestrado em História). Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2021.

RAMOS, Gislaine Borba. “É a causa dos oprimidos que abraçamos”: considerações sobre a escravidão e liberdade nas páginas do jornal A Reforma (Porto Alegre / 1870-1888). Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

SILVA, Fernanda Oliveira da. Os negros, a constituição de espaços para seus e o entrelaçamento desses espaços: associações e identidades negras em Pelotas (1820-1943). Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2011.

SILVEIRA, Cássia Daiane Macedo da. Dois pra lá, dois pra cá: o Parthenon Litteraro e as trocas entre literatura e política na Porto Alegre do século XIX. Porto Alegre: Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

VARGAS, Jonas Moreira. Pelas margens do atlântico: Um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese (Doutorado em História). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

Downloads

Publicado

2023-02-25

Como Citar

PERES, J. R. B. . “Civilização e liberdade, pátria e humanidade”: os propagandistas republicanos pelotenses e a abolição da escravidão. Saeculum, [S. l.], v. 27, n. 47 (jul./dez.), p. 78–95, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47 (jul./dez.).62465. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/srh/article/view/62465. Acesso em: 14 jul. 2024.