História da Polícia no Brasil, ou, a História de um não-assunto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47%20(jul./dez.).65753

Palavras-chave:

História, Polícia, Brasil

Resumo

Há um consenso no campo das Ciências Humanas sobre a centralidade da polícia e do policiamento para a governança no mundo contemporâneo. No entanto, durante muito tempo, ambos foram tratados no Brasil como uma espécie de “não-assunto”, como um objeto inadequado para a pesquisa acadêmica. Até então, o interesse pelo tema se fazia notar de maneira mais consistente na publicação de livros produzidos por antigos policiais – geralmente oficiais da reserva. Essas obras (com uma perspectiva idealista, triunfalista e teleológica) não aprofundavam a compreensão sobre a polícia e o trabalho policial e serviam, muito mais, para enaltecer a instituição, demonstrando a sua marcha (linear e progressiva) em direção ao ideal. Por outro lado, alguns poucos trabalhos acadêmicos realizados ainda na segunda metade do século XX, tenderam a tratar a polícia como se ela fosse uma simples agência executora de políticas definidas pelas elites dirigentes. No entanto, nos últimos vinte anos a produção historiográfica sobre o tema tem se tornado bastante promissora. Diversas pesquisas realizadas em universidades brasileiras têm resultado em dissertações, teses e artigos científicos. É um número ainda pequeno, mas promissor. Estes trabalhos, baseados em uma nova perspectiva teórico-metodológica, vêm tentando recuperar, entre outras coisas, as dimensões cotidianas da atividade policial e as identidades construídas e/ou assumidas pelos policiais e pela instituição, permitindo, assim, uma maior e melhor compreensão sobre a temática. No intuito de dar maior visibilidade a uma parte dessa produção historiográfica recente, contribuindo para a sua divulgação e, consequentemente, para a consolidação de um campo de pesquisa, este artigo abre e apresenta o dossiê “História da Polícia no Brasil”, cujos artigos discutem diversos aspectos da instituição policial no Brasil, em diferentes espaços e temporalidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Luiz Bretas, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui graduação em História pela Universidade Federal Fluminense (1981), mestrado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia) pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (1988), doutorado em História – The Open University (1995) e pós-doutorado na Université de Lille 1 (2012). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes temas: polícia, Rio de Janeiro, crime e prisão.

Wellington Barbosa da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Professor da Graduação e da Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Também integra o Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco. Possui graduação (1992), mestrado (1996) e doutorado em História (2003) pela Universidade Federal de Pernambuco. É membro da Diretoria da SEO – Sociedade Brasileira de Estudos do Oitocentos (1.º Tesoureiro). E líder do GEPHISO – Grupo de Estudos e Pesquisas em História do Oitocentos. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Império, atuando principalmente nos seguintes temas: polícia, crime, prisão, cotidiano e escravidão em Pernambuco.

Referências

Fontes

O Popular. Recife, 9/8/1830, n. 38, p. 1. Disponível em https://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital. Acesso em 10 Dez. 2022.

Referências

BITTNER, Egon. Aspectos do trabalho policial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

BLOCH, Marc. Apologia da história, ou, O ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário português, e latino, áulico, anatômico, arquitetônico, bélico, botânico ...: autorizado com exemplos dos melhores escritores portugueses, e latinos; e oferecido a El Rei de Portugal D. João V. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus; Lisboa: Oficina de Pascoal da Silva, 1712-1728. 8 v. Disponível em https://www.bbm.usp.br/pt-br/dicionarios/. Acesso em 16 nov. 2022.

BRETAS, Marcos Luiz; ROSEMBERG, André. A história da polícia no Brasil: balanço e perspectivas. Topoi, v. 14, n. 26, p. 162-173, 2013.

BRETAS, Marcos Luiz. A guerra das ruas: povo e polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1997.

COTTA, Francis Albert. Matrizes do sistema policial brasileiro. Belo Horizonte: Crisálida, 2012.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GARRIOTT, William (org.). Policiamento e governança contemporânea: a antropologia da polícia na prática. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.

HESPANHA, Antonio Manuel; SUBTIL, José Manuel. Corporativismo e estado de polícia como modelos de governo das sociedades euro-americanas do Antigo Regime. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Brasil colonial: vol. 1 (ca. 1443- ca. 1580). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, p. 127-166.

HOBBES, Thomas. Leviatã, ou, A matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: Ícone, 2008.

LANE, Roger. Polícia urbana e crime na América do século XIX. In: TONRY, Michael; MORRIS, Norval (orgs.). Policiamento moderno. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003, p. 11-63.

LEAL, Gabriel Rodrigues. Fundamentos das Ciências Policiais: da barbárie à segurança pública. Curitiba: Editora CRV, 2016.

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PEREIRA, Eliomar da Silva. Introdução às Ciências Policiais: a polícia entre ciência e política. São Paulo: Almedina, 2015.

PINTO, Luís Maria da Silva. Dicionário da língua brasileira. Ouro Preto: Tipografia de Silva, 1832. Disponível em https://www.bbm.usp.br/pt-br/dicionarios/

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: Colônia. 22. ed. São Paulo: Brasiliense, 1992.

REINER, Robert. A política da polícia. São Paulo: Edusp, 2004.

ROSEMBERG, André. De chumbo e festim: uma história da polícia paulista no final do Império. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

SCHIERA, Pierangelo. Estado de polícia. In: BOBBIO, Norberto; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009, vol. 1, p. 409-413.

SILVA, Antonio de Morais. Dicionário da língua portuguesa composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e acrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. Lisboa: Simão Tadeu Ferreira, 1789. 2 v. Disponível em https://www.bbm.usp.br/pt-br/dicionarios/. Acesso em 16 nov. 2022.

SILVA, Wellington Barbosa da. O Estado imperial brasileiro e os liames entre polícia e civilização (1822-1889). In: CURY, Cláudia Engler; GALVES, Marcelo Cheche; FARIA, Regina Helena Martins de (orgs.). O Império do Brasil: educação, impressos e confrontos sociopolíticos. São Luís: Café & Lápis, Editora UEMA, 2015, p. 289-313.

VIEIRA, Frei Domingos. Grande Dicionário Português ou Tesouro da Língua Portuguesa. Porto: Editores Ernesto Chardron e Bartolomeu H. de Moraes, 1878. Disponível em https://bibdig.biblioteca.unesp.br/items/b969bec8-75ba-40d7-b1be-cbf8ae2de65c. Acesso em 16 nov. 2022.

Downloads

Publicado

2023-02-25

Como Citar

BRETAS, M. L.; SILVA, W. B. da. História da Polícia no Brasil, ou, a História de um não-assunto. Saeculum, [S. l.], v. 27, n. 47 (jul./dez.), p. 191–202, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47 (jul./dez.).65753. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/srh/article/view/65753. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê História da Polícia no Brasil